Baseado em história real, Feito na América tem Tom Cruise como agente duplo

Em filme que estreia nesta quinta-feira, astro interpreta piloto norte-americano Barry Seal, que trabalhou ao mesmo tempo para a CIA e o cartel de Medellín

por Pedro Galvão 14/09/2017 08:00

UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO
UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO (foto: UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO)
Tom Cruise de óculos Ray Ban e pilotando aviões não é novidade nos cinemas. Envolvendo-se em missões explosivas e arriscadas, também não. Talvez por isso o astro de Top gun – Ases indomáveis (1986), Missão impossível e tantos outros blockbusters de ação tenha sido o escolhido para o papel principal em Feito na América, cinebiografia do ex-piloto norte-americano de aviação civil Barry Seal, que acabou se tornando agente da CIA e traficante do Cartel de Medellín, ao mesmo tempo, na década de 1980.

 

Confira os horários de exibição de Feito na América nos cinemas de BH, Contagem e Betim

 

A história começa em 1978, quando Seal era apenas um piloto da extinta companhia aérea TWA. Levava uma vida relativamente normal, dividida entre a cansativa rotina de voos e os momentos com a esposa Lucy (Sarah Wright) na cidade onde viviam, na Louisiana. Nesse meio tempo, ele aproveitava também para contrabandear pequenas quantidades de charutos cubanos, o que foi descoberto por autoridades do governo norte-americano. Em vez da punição, veio o convite para prestar serviços à CIA, sobrevoando e fotografando áreas dominadas por movimentos revolucionários de esquerda na América Central, vistos como uma ameaça pela Casa Branca em plena Guerra Fria.

Seduzido pela boa remuneração, ele aceita a proposta, que viria a ser ainda mais lucrativa. O novo ofício colocou o piloto em contato com outra boa oportunidade financeira: o cartel de drogas de Medellín, na Colômbia, que começava a se articular, sob o comando de Jorge Ochôa e do ainda coadjuvante Pablo Escobar. Se “El Patrón” é figura-chave em produções recentes, como a série Narcos, da Netflix, ou a telenovela O senhor do tráfico, da emissora colombiana Caracol, em Feito na América suas aparições são discretas, embora decisivas, graças à sua notória intempestividade. Quem interpreta o traficante é o colombiano Mauricio Mejía, que também fez parte do elenco de Narcos, como o chefe paramilitar da AUC Carlos Castaño.

Apesar de ambientada nesse universo do narcotráfico colombiano dos anos 1980 –  e sua relação direta e indireta com a CIA e com o governo dos Estados Unidos –, o centro da trama é a ousada e milionária trajetória de Barry Seal, que se torna um agente duplo, capaz de traficar armas para os norte-americanos e drogas para os colombianos, tornando-se um dos homens mais ricos do Arkansas, onde foi viver com a família, em uma cidade com menos de 3 mil habitantes, a mando da própria CIA, interessada em armar grupos contrários aos sandinistas na Nicarágua, por exemplo.

DIÁLOGOS
Na história repleta de conchavos, articulações, traições e propostas indecorosas, é possível ver Tom Cruise em diálogos um pouco mais extensos do que na maioria de seus filmes recentes, onde ele passa mais tempo lutando, explodindo, voando e saltando do alto de penhascos ou de carros em movimento. No entanto, para a alegria dos fãs do gênero, a ação não é deixada de lado. Em uma das cenas, já mostrada nos trailers, ele pousa um avião em uma rua de Atlanta e foge de bicicleta, coberto de cocaína. “Um absurdo total! O mundo está louco e Feito na América tem o espírito desse fora da lei”, afirmou o astro em depoimento concedido à equipe de produção e publicado pela Universal Pictures. Tom Cruise chegou, inclusive, a pilotar pessoalmente o avião, em terra, na gravação.

“Tom se dedicou mesmo ao personagem Barry Seal e nunca houve dúvida de que ele faria as cenas de ação”, declarou o diretor Doug Liman, que define a sequência do avião na rua como a mais ousada do filme, que também teve locações na Colômbia, para tornar a ambientação ainda mais real. Liman e Cruise voltam a se encontrar depois de No limite do amanhã (2014). A filmografia do diretor inclui ainda A identidade Bourne (2002), além de Sr. & Srª. Smith (2004).

 

Confira o trailer:

 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA