'Confissões de adolescente' atualiza a peça e o livro de sucesso dos anos 80

Longa dirigido por Daniel Filho chega aos cinemas nesta sexta-feira

por Carolina Braga 10/01/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Sony Pictures/Divulgação
(foto: Sony Pictures/Divulgação)
A marca Confissões de adolescente quase virou franquia. Saiu do diário de Maria Mariana, virou peça de teatro, livro, seriado de televisão e, por incrível que pareça, teve fôlego para chegar ao cinema e ainda ganhar remontagem. Tudo isso mais de 20 anos depois da estreia nos palcos.


Confira os horários das sessões

Claro que os adolescentes de hoje já não têm o mesmo comportamento dos da década de 1980. Como uma das personagens diz, atingamente ela pegava o diário (ou a “agenda”), escrevia o que queria, escondia e ficava por isso mesmo.

Isso é algo surreal para quem cresce hoje em meio às redes sociais. Os status de relacionamento são atualizados abertamente. No comando da empreitada cinematográfica, Daniel Filho atualiza essa dinâmica.

O que fica claro no longa é que, embora as práticas sejam diferentes, os conflitos permanecem os mesmos. Legal levantar essa bola. A expectativa pelo primeiro beijo, a descoberta sexual e até as decepções amorosas são temas que embalam o filme. O problema é que a diversidade de questões a serem tratadas é mais compatível com um seriado do que com um filme com duração de 90 minutos.

O roteiro assinado por Matheus Souza (diretor de Apenas o fim e Eu não faço a menor ideia do que eu tô fazendo com a minha vida) tem graça ao apresentar cada uma das personagens. No caso, as quatro filhas de Paulo (Cássio Gabus Mendes), as irmãs Tina (Sophia Abrahão), Bianca (Bella Camero), Alice (Malu Rodrigues) e Karina (Clara Tiezzi) -, por sinal todas atrizes com grande potencial. Matheus escolhe o caminho do humor para retratar os conflitos de cada uma. Por um lado é bom, dá ainda mais leveza à história, por outro, parece enrolação.

Confissões de adolescente, o filme, sofre de uma crise de identidade semelhante que remete aos conflitos da adolescência. Flerta explicitamente com a comédia, ao mesmo tempo em que levanta temas merecedores de discussão como iniciação sexual, homossexualidade e bullying, tópicos que não constavam nas versões prévias. O problema é que o lado “sério” aparece nos 15 minutos finais e morre na praia.

Fato é que o longa traz coisas demais para serem faladas em pouco tempo. No fim das contas, fica aquela sensação de que vêm aí cenas do próximo capítulo. Tipo novela que acaba segundos antes do beijo entre o mocinho e a mocinha ou da queda da máscara do vilão. Resta saber se a “franquia” tem fôlego para tanto.

Saiba mais

Eles voltaram


As atrizes da versão original do seriado Confissões de adolescente fazem participação afetiva no filme. A idealizadora Maria Mariana interpreta uma advogada, enquanto Georgiana Goés faz uma professora de educação física. Deborah Secco, que era a caçula, e Daniele Valente são mães dos meninos que ganham destaque na trama.

Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA