Em Cannes, Pelé critica privatização do Maracanã

Ex-jogador apresenta projeto de cinebiografia durante a 66ª edição do Festival

por AFP - Agence France-Presse 15/05/2013 15:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
REUTERS/Nacho Doce
(foto: REUTERS/Nacho Doce)

Em Cannes para apresentar um projeto de filme sobre sua vida durante o festival de cinema que agita a Riviera Francesa, Pelé não se desligou totalmente dos assuntos do futebol e declarou à AFP que é "contra a privatização do Maracanã", que, segundo ele, deve ser "do povo, para o povo brasileiro".

"Não estou de acordo com o projeto", declarou o Rei, de 72 anos, que foi muito assediado pelos fãs na Croisette, a famosa orla onde se turistas 'tietam' estrelas de cinema durante o festival.

O estádio, que será palco da final da Copa do Mundo de 2014, será administrado por 35 anos por um consórcio privado formado pela construtora Odebrecht, a empresa de marketing esportivo IMX, de Eike Batista, e a americana AEG, que atua no setor de entretenimento.

A assinatura do contrato chegou a ser suspensa um dia depois do anúncio do vencedor da licitação por conta de "ilegalidades" constatadas pelo Ministério Público, mas o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro acabou derrubando a liminar na última segunda-feira.

O Maracanã foi palco de um dos momentos mais emocionantes da carreira jogador, seu milésimo gol, marcado com o Santos contra o Vasco no dia 19 novembro de 1969.

Pelé também reconheceu que "houve alguns problemas" na organização, mas disse "acreditar que o país estará pronto" para receber a competição.

O filme sobre o ex-craque começará a ser gravado em agosto no Rio e a estreia está prevista para junho de 2014, pouco antes da abertura da Copa, informaram os diretores, os irmãos americanos Michael e Jeff Zimbalist.

"A ideia é que chegue às telas algumas semanas antes do Mundial", explicaram os cineastas. Produzido por Brian Grazer, que premiado no Oscar com filmes como "Uma Mente brilhante", o longa terá como foco a "construção da lenda de Pelé", desde a infância, quando jogava usando laranjas como bolas, até os 17 anos, quando disputou a Copa da Suécia, em 1958, quando o Brasil conquistou seu primeiro título mundial.

Pelé preferiu não arriscar um palpite sobre o vencedor da Copa. "Ninguém pode saber. O Brasil tem os melhores jogadores, mas não sabe trabalhar como equipe, não joga como equipe. Eles precisam aprender a jogar juntos", lamentou.

Sem criticar explicitamente a convocação de Luiz Felipe Scolari, que deixou Ronaldinho de fora da lista dos jogadores que vão disputar a Copa das Confederações, o Rei declarou que ao lado Neymar, o meia do Atlético Mineiro era o melhor jogador do Brasil na atualidade.

"Ronaldinho é um grande jogador e Neymar é um astro. Mas Neymar precisa ganhar mais experiência jogando fora do país", opinou. "Fora do Brasil, o melhor é o Messi", disse, sem surpresas, o eterno camisa 10 da seleção.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA