'Dezesseis luas' é apenas mais uma história de amor adolescente, mas é honesta com o que se propõe

O encantamento da primeira paixão e as inseguranças da juventude são alguns dos temas tratados no filme

por Carolina Braga 01/03/2013 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paris Filmes/Divulgação
Não tenha dúvidas, a saga de Ethan Wate (Alden Ehrenreich) e Lena Duchannes (Alice Englert) está apenas começando (foto: Paris Filmes/Divulgação)
Pode ser que seja uma necessidade da indústria do cinema. Ou até mesmo uma resposta dessa poderosa máquina ao simples desejo de entretenimento de um público específico: as adolescentes. Também pode ser uma despretensiosa diversão com pitada de magia e lirismo. Qual o problema? Sintoma ou não da superficialidade dos dias de hoje, 'Dezesseis luas' estreia no mundo inteiro com plena vocação para ocupar o vácuo deixado pela saga 'Crepúsculo'. Não é preciso muito para confirmar a tese que anda circulando pela internet. 

Se fosse possível criar um manual com o passo a passo de como fazer um sucesso romântico teen, poderíamos dizer que a empreitada do diretor Richard LaGravenese (que tem no currículo exemplares do gênero água com açúcar tipo 'P.S: Eu te amo') segue a fórmula de ouro à risca. Nesse sentido, falta originalidade. Mas, 'Dezesseis luas' não parece pretender ser mais que isso. É exatamente esse o seu trunfo. 

Num lugarejo sombrio nos Estados Unidos, o belo Ethan Wate (Alden Ehrenreich) é surpreendido pela chegada da jovem e misteriosa Lena Duchannes (Alice Englert). A paixão a primeira vista evolui para um quadro envolvendo mortais e imortais, amor impossível, luta, morte, enfim, aquelas coisas que costumam incrementar as tramas do gênero. 

No caso, é ela quem tem o destino marcado por fenômenos estranhos. Lena é uma conjugadora, uma espécie de bruxa cujos poderes sobrenaturais podem transformá-la em uma figura do bem ou do mal assim que completar 16 anos. A 104 dias do aniversário, porém, a menina é arrebatada por Ethan e precisa lutar contra uma maldição secular. 

Mesmo que a trama básica seja recheada de clichês, 'Dezesseis luas' é honesto com o que se propõe. É só uma história de amor adolescente. Ponto. A narrativa é construída de modo a atrair o espectador tacitamente para aquele universo. À medida que você aceita o acordo com a fantasia, fica bem mais fácil acreditar – e o mais importante, não julgar – o que vê na tela. 

'Dezesseis luas' é, de certa forma, até contido nas criações visuais. Os efeitos são usados sem exageros, já que, por incrível que pareça, eles não são a cereja do bolo. O encantamento do primeiro amor, as dificuldades de bancar uma relação praticamente impossível, as inseguranças da juventude estão em primeiro plano. Não espere discursos consistentes sobre amor, vida, etc. Lembre-se, a proposta é clara. 'Dezesseis luas' é um filme pipoca.

A isso, soma-se o fato de Richard LaGravenese ter tido a sabedoria de convocar tanto figuras tarimbadas como estreantes para o elenco. A experiência de uma Viola Davis ou uma Emma Thompson, por exemplo, ajudam a balancear a estrada curta de Alden Ehrenreich e Alice Englert. E, para quem gosta das franquias do gênero, um aviso: a saga de Ethan e Lena parece estar só começando.
 
Assista o trailer:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA