Maior festival de cinema virtual chega a sua 3ª edição

Pela internet, My French Film Festival exibe 20 produções a internautas de 12 nacionalidades diferentes

por Agência Estado 31/01/2013 13:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Reprodução / myfrenchfilmfestival.com
(foto: Reprodução / myfrenchfilmfestival.com)
Vai até o dia 17 de fevereiro a terceira edição do maior evento de cinema virtual do mundo. Tudo acontece na internet, que abriga o My French Film Festival - mas você tem de digitar tudo junto, com letras maiúsculas e minúsculas e acrescentar, no final, .com. O festival oferece ao internauta de 12 diferentes línguas, em todos os países, a oportunidade de assistir a dez longas e dez curtas, escolhendo entre eles o melhor. Uma outra seção do programa privilegia o que a organização chama de 'Filmes do Patrimônio'. São três, exibidos fora de concurso, incluindo 'Les tontons flingueurs', de Georges Launter, de 1963, que passou no Brasil como 'O testamento de um gângster'.

Com o voto dos internautas, MyFrenchFilmFestival.com ainda possui outra votação - a de um júri de cineastas estrangeiros, presidido por Michel Hazanavicius, e que se reúne em Paris para suas deliberações. Um terceiro e um quarto prêmios serão atribuídos por 100 cinéfilos escolhidos no Facebook e no Twitter - a presidente será a blogueira norte-americana Nikki Finke - e por dez influentes jornalistas internacionais. O festival é pago exceto nos países da América Latina - graças a parcerias locais - e também na China, Polônia e Rússia.

Os longas da competição são assinados por novos talentos da França - e alguns deles dão interessantes testemunhos sobre graves questões contemporâneas. O público que se emociona com 'O filho do outro' - apesar do improvável final do longa de Lorraine Lévby, que obviamente não soube como concluir seu trabalho - encontrará interesse de sobra em 'Une bouteille a la mer', de Thierry Binisti, que também encara a situação do Oriente Médio.



'La pirogue', do senegalês Moussa Touré, integrou o Festival Varilux no ano passado (e o próprio diretor veio ao Brasil). Trata do tema de imigrantes africanos que buscam na Espanha, hoje em crise, o seu Eldorado. 'La désintegration', de Philippe Faucon, vai um passo adiante e retrata a revolta de jovens de ascendência muçulmana que não se sentem integrados à sociedade francesa, em Lille.

Pelo menos três filmes tratam da voz humana e do alcance de uma mídia que busca se renovar - o rádio. 'Parlez-moi de vous', de Pierrre Pinaud, tem como protagonista a apresentadora de um programa que busca resolver os problemas dos ouvintes, mas a vida dela está um caos. 'Radiostars', de Romain Lévy, é um road movie radiofônico sobre a volta por cima de 'perdedores'. E 'Louise wimmer', de Cyril Mennegun, que fez sensação em Veneza, no ano passado, traz Corinne Masiero como mulher que usa a voz de Nina Simone como farol na tentativa de reconquistar a própria vida.

MyFrenchFilmFestival é uma iniciativa da UniFrance. A empresa vale-se agora das novas tecnologias e redes sociais para expandir seu público. Numa espécie de manifesto do seu festival, Régine Hatchondo, diretora-geral da UniFrance, afirma - "A França é o produtor número um do cinema europeu e o segundo maior exportador de filmes do mundo (após os EUA). Apesar de o ano de 2012 ter sido excepcional graças aos números conquistados por O Artista, de Michel Hazanavicius, e Os Intocáveis, de Eric Toledano e Olivier Nakache - mais de 120 milhões de ingressos vendidos em todo o mundo, contra 74,3 milhões em 2011 -, a difusão nas salas continua difícil no exterior."

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA