Conheça mais sobre a obra de Nagisa Oshima, diretor de 'O império dos sentidos', falecido nesta terça-feira

Com cerca de 50 trabalhos em 40 anos, japonês explorou força do sexo e da guerra em suas narrativas

16/01/2013 10:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

AFP PHOTO/JACK GUEZ
Nagisa no Festival de Cannes, em 2000, durante promoção de Tabu, último longa de sua carreira (foto: AFP PHOTO/JACK GUEZ)
O cineasta japonês Nagisa Oshima, de 80 anos, morreu nesta terça-feira, 15, vítima de pneumonia, em um hospital de Kanagawa, ao sul de Tóquio. Conhecido como diretor do clássico erótico O império dos sentidos (1976), ele assinou cerca de 50 trabalhos ao longo de quatro décadas.

 

Seu primeiro filme, o curta Asu no taiyô, é de 1959; o último, o longa Tabu, de 1999. Em 1996, o diretor japonês sofreu derrame, que o obrigou a enfrentar longo período de reabilitação.


Censurado no Japão e rejeitado no Festival de Cinema de Nova York, O império dos sentidos conquistou amplo reconhecimento internacional.

 

O filme conta a história de amor obsessivo entre uma ex-prostituta e o senhorio da propriedade onde ela trabalha como criada. O que começa como diversão se transforma em paixão sem limites.


Inspirado em um caso real, o longa-metragem traz cenas antológicas. Uma delas foi alvo de muita polêmica: um ovo cozido é introduzido no corpo da protagonista, que depois o coloca na boca de seu amante.


Dois anos depois de O império dos sentidos, Oshima lançou O império da paixão, que lhe garantiu o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes. Essa produção traz o sexo como elemento dominante, embora com cenas menos ousadas. Em 1983, Oshima dirigiu seu único longa em inglês, Furyo – Em nome da honra, que traz no elenco os músicos David Bowie e Ryuichi Sakamoto. O filme conta a saga de prisioneiros num campo de concentração japonês.

Oshima Productions/Reprodução
História de amor entre prostituta e senhorio em O império dos sentidos (1976) foi censurada no Japão e atraiu atenção dos cinéfilos em todo o mundo (foto: Oshima Productions/Reprodução)
Onda

Um dos diretores mais controversos de seu país, Oshima foi importante realizador ligado à nova onda japonesa, na década de 1960. Nascido em Kyoto, em 1932, o rapaz de família aristocrática logo se interessou pelas causas políticas. Formou-se em direito em 1954, especializando-se na Revolução Soviética.


Em reação ao estilo humanista de colegas como Yasujiro Ozu e Akira Kurosawa, Oshima buscou, no primeiro momento, retratar contradições e tensões da sociedade japonesa do pós-guerra. Sua filmografia busca expor o materialismo contemporâneo, além de investigar o que significa ser japonês em face à rápida industrialização e ocidentalização do Oriente.


Oshima foi diretor prolífico na telinha e produziu uma série de documentários para a TV japonesa. No segundo semestre, o cineasta deve ganhar retrospectiva no Festival de Internacional de Cinema de San Sebastián, na Espanha.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA