"O Padre e a moça" encerra edição 2012 do Curta Circuito

Mostra de Cinema Permanente homenageia este mês o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC)

09/12/2012 07:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
CEC/Divulgação
Na última sessão do ano, amanhã, será exibido "O padre e a moça", com Paulo José e Helena Ignês (foto: CEC/Divulgação)

O Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente homenageia este mês o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC). Na última sessão do ano, a Panoramas 2, nesta segunda-feira, será exibido O padre e a moça, às 19h, no Cine Humberto Mauro, Palácio das Artes. A entrada é franca.

O padre e a moça foi o segundo longa do cineasta Joaquim Pedro de Andrade. Inspirado no poema “Negro amor de rendas brancas”, de Carlos Drummond, foi todo rodado em Minas. Filme de negação, como dizia o diretor, tem uma das suas melhores definições feitas por Glauber Rocha: “Joaquim Pedro revigorou o tema pelas alegorias que não disse; e sua arte do não se fez pela arte do sim; o seu silêncio é o grito”.

Essa arte do sim desencadeou processo de transformação do fazer cinematográfico em Minas, sendo um dos motivos, naquele momento, da criação do Centro Mineiro de Cinema Experimental (Cemice). Sua relação com essa sessão dedicada ao CEC deve-se, ainda, ao fato de que, na equipe do filme, estiveram Carlos Alberto Prates, além de Geraldo Veloso e Flávio Werneck, como assistentes de produção (deixaram por um momento a crítica e o cineclube do CEC para trabalhar no filme). Eles figuram como nomes importantes na cinematografia mineira, e consequentemente brasileira.

Longa de Joaquim Pedro de Andrade, filmado no Rio de Janeiro, em 1965, conta a história de Mariana (Helena Ignês), única mulher bonita e jovem do lugar. Ela não sabe exatamente o que quer, mas sabe que não quer morrer com a cidade sem ter conhecido o que a vida tem de bom. Mariana vê no padre (Paulo José) recém-chegado à cidade a sua salvação. Sente-se atraída por ele, quer conversar com ele, sentir alguma coisa além do que pode oferecer a mesquinha realidade de sua cidadezinha. Mas Honorato (Mário Lago) proíbe Mariana de ver o padre. Pior, resolve se casar com ela.

CURTA CIRCUITO 2012
Exibição de O padre a moça, de Joaquim Pedro de Andrade, segunda-feira, às 19h.
Cine Humberto Mauro, Palácio das Artes, Av. Afonso Pena, 1.537, Centro. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA