Os penetras estreia nesta sexta, 30, em todo o país com um elenco estelar

Comédia conta com atores como Marcelo Adnet, Eduardo Sterblitch e Mariana Ximenes

por Estado de Minas 30/11/2012 15:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação / Warner Bros.
(foto: Divulgação / Warner Bros.)
Primeira comédia do diretor Andrucha Waddington, Os penetras estreia hoje em todo o país com um elenco estelar e a promessa de ser mais um sucesso de bilheteria e arrecadação nos cinemas, assim como boa parte das produções do gênero, que vem conquistando o espectador brasileiro. Veja as salas e horários de exibição de Os Penetras em Belo Horizonte Leia também: Holy Motors, de Leos Carax, estreia nos cinemas “Literalmente, é um filão que caiu nas graças do público. Comédia sempre funcionou, não só aqui, mas no mundo inteiro. O Brasil tem se saído bem com filmes biográficos, policiais, espíritas, comédias, e acho que deveríamos explorar outros segmentos”, acredita Andrucha, que começou a trabalhar com o projeto de Os penetras em 2005, mas só agora conseguiu finalizar. Veja imagens do filme! O longa mostra que tudo pode dar certo e errado ao mesmo tempo, durante o réveillon carioca, a partir do momento em que Marco (Marcelo Adnet) e Beto (Eduardo Sterblitch), dois caras totalmente opostos, acabam se juntando quase por acaso. Marco é bem-humorado, farrista, sedutor e aproveitador, enquanto Beto é tímido, inseguro e levemente chato. A dupla passa por uma maratona de festas e aventuras em busca do amor da vida de Beto, a garota interpretada por Mariana Ximenes. Andrucha conta que pretendia fazer um filme focado nesse personagem mitológico que é o malandro carioca, que, segundo ele, andava meio desaparecido da telona. A partir de histórias curiosas ouvidas nas mesas de bares e botecos do Rio de Janeiro, o enredo foi sendo desenvolvido. “Quando os dois protagonistas se encontram –, e um é o oposto do outro –, começa uma sucessão de erros e trapalhadas. É um road movie de 48 horas. Brinco que é um ‘bromance’ ou romance de brothers, fala de amizade. Se o filme tiver uma moral, digo que é a capacidade de a amizade transformar o outro. As pessoas vão perceber como o Beto modifica o Marco e vice-versa”, adianta o diretor, que tem no currículo produções como Eu, tu, eles; Casa de areia e Lope e, no momento, está trabalhando em dois projetos: Nação crioula, baseado no livro homônimo do escritor angolano José Eduardo Agualusa, e em um roteiro original de terror. E ele resume: “Queria levar ao público uma história que tivesse um arco dramático com humor, já que, sem drama, o filme não tem sentido algum.” Com roteiro de Marcelo Vindicatto, além de Adnet, Sterblitch e Mariana Ximenes, a produção traz Andrea Beltrão, Stepan Nercessian, Luis Gustavo, Luiz Carlos Miele e Susana Vieira. Andrucha Waddington diz que ficou bastante satisfeito com o resultado do longa e assistiu a várias comédias nacionais e estrangeiras que lhe serviram como inspiração, caso de Os cafajestes, Se meu apartamento falasse, Os safados, Quanto mais quente melhor e Se beber não case. “O cinema brasileiro, o norte-americano e o italiano serviram de referências até encontrarmos o tom certo de Os penetras. Apesar de ele ser politicamente incorreto, a gente teve o cuidado de não ser grosseiro ao extremo. E acho que o público vai sentir e gostar disso”, opina. Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA