Artista mineiro Pablo Lobato é destaque no Brasil e no exterior

Obra do cineasta e artista plástico está espalhada por diversas galerias pelo mundo

por Gracie Santos 07/10/2012 09:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
(Pablo Lobato/Divulgação)
Bronze revirado, videoinstalação de Pablo Lobato em exposição no Brasil e no exterior (foto: (Pablo Lobato/Divulgação))
Tudo ao mesmo tempo agora. Não é exagero dizer que 2012 é o ano em que a obra do cineasta e artista plástico Pablo Lobato está pipocando pelo Brasil e o mundo. Diretor de pérolas como o curta Cerrar a porta (2002) e o longa Acidente (2006 – em parceria com Cao Guimarães), este ano, ele já fez mostras no Brasil, França, Bolívia e Uruguai e, no momento, contabiliza nada menos que seis exposições em cartaz no país e exterior. Apresenta videoinstalações, mostras fotográficas e site specific. Pablo Lobato atribui o bom momento ao fato de ter se dedicado, nos últimos anos, aos trabalhos que trafegam entre o cinema e as artes plásticas. “Foi tudo natural, chega uma hora em que a obra começa a reverberar. Este está sendo um ano importante, em que tenho podido mostrar minha obra dentro e fora do país. Nunca pude mostrar minhas pesquisas em artes visuais em tantos lugares ao mesmo tempo, e é bom poder partilhar tudo isso”, comemora. A videoinstalação Acidente integra a coletiva The storytellers: Narratives in international contemporary art, no Sternersen Museum, em Oslo, Noruega. Na mostra Via Brasil, no Wexner Center for The Arts, de Ohio, EUA, a videoinstalação Bronze revirado está no projeto específico de cinema e artes visuais e é apresentada, como conta Pablo, na sala Box, ao lado do filme O som ao redor, do pernambucano Cléber Mendonça. Na ShanghArt Gallery, em Xangai (China), o mineiro participa de coletiva com oito artistas brasileiros e chineses, também com Bronze revirado. Já na Colômbia, em El Paraqueadero, a mesma peça está sendo mostrada na exposição Poetas en tiempo de escasez. No Museu de Arte de Joinville, em Santa Catarina, Pablo Lobato participa da mostra À deriva, com instalação que mostrou em BH no Museu Inimá de Paula. Criou uma máquina que define o tempo de vida para trechos de arquivos seus. “Diante da obra Expiração, você vê imagens que vão deixar de existir. É um convite à memória”, afirma. Também no museu brasileiro está a videoinstalação Bronze revirado. Quem quiser conhecer a obra em viagem um pouco mais curta pode dar um pulo a São Paulo e conferir a mostra Do corte, individual de Pablo Lobato na Luciana Brito Galeria. Lá, até o dia 27, além de Bronze revirado ele apresenta a videoinstalação Castell; duas séries de fotografia (Um a zero e Front light), além do site specific Escada, que criou especialmente para o espaço. “São móbiles de madeira parafusados em direção a uma janela onde são exibidas imagens de torres e igrejas do interior, frutos de pesquisas”, conta. Atualmente, o cineasta se dedica à finalização do filme Ventos de Valls, que deriva de ação realizada na Espanha, em 2009, financiada pela Fundação John Simon Guggenheim (Nova York). Seu trabalho integra as coleções do Museu de Arte da Pampulha (BH), do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (Porto Alegre) e do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (Curitiba).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA