UAI

A chocante história por trás de Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo

Série da Netflix gira em torno do site de traição Ashley Madison e o hack, que expôs seus usuários

A Netflix conta com uma nova série documental, que tem feito o maior sucesso na plataforma. Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo conta a história real por trás do escandaloso hack do site de traição - vamos ver a fundo o que aconteceu de verdade.

Leia Mais

Desde sua fundação em 2002 até o verão de 2015, o Ashley Madison se apresentava como o destino principal para adúlteros - sem julgamentos, sem riscos, sem amarras além dos pagamentos necessários para garantir créditos suficientes para conversar com outros usuários.

A empresa com sede em Toronto, fundada por Darren Morgenstern com base em uma estatística de que 30% das pessoas em sites de namoro já eram casadas, prometia uma certa fantasia, particularmente voltada para homens: uma lista de mulheres prontas e dispostas a ter um caso.

O CEO da empresa, um empresário canadense chamado Noel Biderman, aparecia em programas de notícias e talk shows diurnos com sua esposa, promovendo o site como uma maneira de ressuscitar relacionamentos, encontrando discretamente as necessidades extraconjugais, enquanto se gabava de seu próprio casamento monogâmico.

O slogan do site era simples e atrevido: 'A vida é curta. Tenha um caso.' E era popular - em 2015, a empresa já havia lançado em 40 países e contava com mais de 37 milhões de usuários.

Como contado em Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo, nada no Ashley Madison era tão simples assim.

'Toda a história é realmente sobre fantasia e realidade', disse Toby Paton, o diretor da série (via The Guardian). 'Há o tipo de fantasia que as pessoas estão vivendo dentro de seus casamentos, se não estão sendo honestas com seus parceiros. E então você tem essa fantasia que os caras do Ashley Madison estão criando conscientemente no site, onde você pode entrar, conhecer alguém, ser completamente discreto, e ter um caso que vai salvar seu casamento.'

Essa fantasia implodiu em julho de 2015, quando um hacker ainda anônimo chamado 'the Impact Team' ameaçou expor os usuários infiéis do site e a 'empresa fraudulenta' que os habilitava.

Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo foto:
Redação - Observatório do Cinema clock 16/05/2024 12:31
compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp SIGA NO google-news

Ashley Madison foi hackeado

Após semanas mantendo a empresa como refém, o hacker de fato liberou detalhes pessoais de mais de 30 milhões de usuários - nomes, endereços, preferências sexuais e fantasias, informações de cartão de crédito e mensagens, além dos e-mails pessoais de Biderman, revelando que ele procurava repetidamente jovens acompanhantes.

A empresa, ao que parece, não era particularmente cibersegura e nunca deletava qualquer informação de usuário, apesar de cobrar das pessoas um dinheiro extra para um 'delete completo' de seus perfis.

A aposta se mostrou devastadora para milhões de pessoas, além de figuras públicas envolvidas no vazamento e subsequente frenesi da mídia, incluindo a estrela de reality show Josh Duggar, o marido da estrela de Real Housewives Of New York Kristen Taekman e, em um escândalo anterior, o político Eliot Spitzer.

A série apresenta uma série de ex-usuários e seus entes queridos que ficaram chocados com as revelações e dispostos a falar publicamente.

Todos que apareceram na série tiveram que fazê-lo 'abertamente e honestamente, sem disfarce, sem filmar pessoas em silhueta, sem IA para disfarçar suas identidades', disse Paton. 'Todos que iriam estar nela tinham que estar dispostos a se apresentar abertamente como são agora e contar sua história. Foi muito difícil encontrar pessoas dispostas a fazer isso, e acho que isso fala do estigma que há em torno da infidelidade e do adultério.'

A equipe de Paton falou com dezenas de pessoas ao longo de vários meses, a maioria das quais não estava pronta para sair do anonimato. 'Havia muitas pessoas em suas vidas que talvez não soubessem a verdade completa do que estava acontecendo', disse Paton. 'Elas não se sentiam confortáveis revelando isso.'

Apesar das ações do Impact Team, o hack certamente não parou o adultério, nem acabou com o Ashley Madison para sempre, embora tenha forçado Biderman a renunciar como CEO.

A empresa se reestruturou e reconstruiu; em 2017, resolveu uma ação coletiva de US$ 576 milhões de ex-clientes por $11,2 milhões, embora seus dados permaneçam online.

O sucessor de Biderman, Rob Segal, prometeu medidas de segurança renovadas e proteções, entre outras mudanças. De acordo com a série, o site agora afirma ter mais de 70 milhões de usuários. Seu marketing é significativamente mais discreto do que sob o comando de Biderman, mas 'não me surpreende que ainda esteja por aí hoje', diz Back na série. 'Eu sempre digo que enquanto os homens tiverem pênis, o Ashley Madison sempre estará no negócio.'

Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo está disponível na Netflix.

O post A chocante história por trás de Ashley Madison: Sexo, Mentiras e Escândalo apareceu primeiro em Observatório do Cinema.

compartilhe icone facebook icone twitter icone whatsapp