Dear White People: 5 motivos para ver a série da Netflix sobre racismo

Trama acompanha vivências de um grupo de negros que estuda em faculdade com maioria branco

por Diário de Pernambuco 09/05/2017 17:44

Netflix/Divulgação
Programa de rádio apresentado pela protagonista Sam White (Logan Browning) denuncia casos de racismo no campus (foto: Netflix/Divulgação)
Dear white people é uma série original da Netflix que acompanha a história de um grupo de negros que estuda na faculdade de Winchester, um ambiente majoritariamente branco. O nome do seriado vem de um programa de rádio apresentado pela protagonista, que visa abrir os olhos dos estudantes e denunciar casos de racismo no campus.


Protagonismo
A série já começa acertando ao se propor a discutir o racismo, dá voz a quem deve ter voz: os negros. Da criação, a direção e a atuação, a mensagem é pensada e produzida por quem vive na pele o preconceito. De fato, uma aula para as "queridas pessoas brancas".

Subjetividade
Outro ponto positivo, está na pluralidade de visões e discursos. Cada episódio gira em torno de um personagem diferente. Desta forma, vemos diferentes vivências. Como cada um se enxerga, foi marcado pela experiências de vida (e não apenas de preconceito) e a forma particular de cada um se envolver com a causa negra, combater o racismo e lutar pelo seu espaço e seus direitos.

Elenco de primeira
A série tem seu ponto alto no quinto episódio, e não poderia ser diferente. Além de um roteiro que concentra um mix altíssimo de emoções em trinta minutos, há também a direção de Barry Jenkins, o mesmo que comandou Moonlight, vencedor do Oscar de melhor filme deste ano. Neste quesito, o elenco, principalmente Logan Browning e Marque Richardson, roubam as cenas.

Ritmo amigável
A temática é séria, é importante, mas o seriado entrega a mensagem de uma forma leve (pelo menos no início), em pílulas de trinta minutos: a cara de uma série que foi feita para "maratonar". A partir do quarto episódio, a trama começa a ficar mais densa e a tensão cresce, sem espantar o telespectador. Há humor, mas não um humor besteirol. Um humor afiado, cheio de sarcasmo, para deixar rindo e sentindo-se incomodado, quase sem graça.

O tema precisa ser discutido
Não adianta dizer que está cansado de ouvir sobre racismo, porque não está. É possível contar em uma mão o número de produções sobre esse assunto este ano. E porque se, realmente, a gente ouvisse o suficiente, as coisas seriam muito diferentes. Se você está perguntando: "que coisas?", então realmente precisa assistir ao seriado.

Bônus
Outros dois seriados que estrearam este ano e tratam, de alguma forma, sobre questões raciais são The good fight, um drama de tribunal e Superior Donuts, uma comédia leve e superficial, mas que pontualmente trata sobre racismo, já que o personagem principal é um jovem negro universitário pobre, que mora em Chicago e convive com imigrantes.

 

Assista ao trailer:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SÉRIES E TV