Projeto 'Adoção nunca é tardia' destaca importância do acolhimento de crianças com mais de 3 anos

Preferência por bebês de até 2 anos gera descompasso no processo

por Frederico Teixeira 23/11/2016 16:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

SES-MG
67,2% dos brasileiros não têm interesse em adotar crianças com alguma doença ou deficiência (foto: SES-MG)
Atualmente, no Brasil, aproximadamente 46 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos. Desses, 7 mil podem ser adotados. No entanto, há quase 37 mil pessoas aguardando na fila nacional de candidatos a pais adotivos. O que causa este descompasso é a “preferência” dos adotantes: o tipo de criança mais solicitado é menina, branca e com no máximo 2 anos de idade, perfil menos disponível nos abrigos. Foi pensando nesta realidade que uma turma de alunos de MBA em gestão de projetos decidiu criar o evento Adoção nunca é tardia em Belo Horizonte.

“Trata-se de um trabalho de conclusão de curso (TCC) com mote solidário que teve como objetivo aumentar o interesse e chamar a atenção das famílias e da sociedade para as adoções necessárias, que são as de crianças com mais de 3 anos e de grupos de irmãos, além de trazer muita informação em geral sobre o tema de adoção”, explica Maurício Pereira, um dos idealizadores do evento, coordenado pela professora e psicóloga Adalci Righi.

Viviane e Cláudio, por exemplo, foram conhecer Willams em Recife (PE), depois de assistir a um vídeo da campanha Adote um pequeno torcedor. O “detalhe” é que Willams já havia completado 18 anos. O amor entre pais e filho foi recíproco, tanto que afirmam sempre que “se adotaram”. Cristiano e Daniele, por sua vez, já tinham um filho biológico, mas pretendiam aumentar a família por meio da adoção, e encontraram em Daniele, de 11, a filha tão esperada e desejada.

Já Paulo Flávio e Liliam Marques, após 16 anos de casamento, já tinham abortado o projeto de ter filhos, mas mudaram de ideia quando souberam de um grupo de três irmãos que viviam em um abrigo e estavam para ser separados, pois as duas irmãs mais velhas (de 8 e 12 anos) estariam ‘dificultando’ a adoção do mais novo, de 5. “Quando soubemos da situação, ficamos chocados, porque até então era algo completamente desconhecido para nós. Fomos convidados a conhecer as crianças e o primeiro encontro foi marcante. Eram crianças carinhosas e carentes de cuidado e amor”, lembra Paulo.

Arquivo Pessoal
Paulo Flávio e Liliam Marques (D) tinham desistido de ter filhos, até conhecer a história de três irmãos (foto: Arquivo Pessoal)
A partir daí, o casal começou a ficar com as crianças nos fins de semana e foi sendo construído um vínculo recíproco de carinho e amor. “Depois de um ano, entramos com o pedido da guarda para fins de adoção e as crianças já vieram morar conosco. Em seguida, entramos com a ação de adoção. O processo levou mais de quatro anos, mas hoje somos uma família feliz, que enfrenta os mesmos desafios de qualquer família. Nossa história só vem provar que os vínculos são tão ou mais fortes que os vínculos biológicos”, acrescenta Paulo.

Mas não basta apenas atender às exigências legais. O casal adotante tem que estar preparado para esta nova fase que se inicia em suas vidas. Por isso, a psicóloga Lídia Weber, mestra e doutora em psicologia experimental e pós-doutora em saúde e desenvolvimento humano, geralmente em eventos, aborda sobre os aspectos psicológicos da adoção. “Busco falar dos aspectos históricos e sociais da adoção, enfatizando características, expectativas e sentimentos de pais adotivos e filhos adotivos”, diz.
 

PERFIL DOS ADOTANTES NO BRASIL

82,2% só querem crianças de até 5 anos
20,8% só aceitam adotar crianças brancas
67,2% não têm interesse em adotar crianças com alguma doença ou deficiência
68,6% não aceitam adotar irmãos

PERFIL DAS CRIANÇAS HABILITADAS PARA ADOÇÃO

87,55% têm mais de 2 anos
77,4% têm mais de 5 anos
61,1% têm 10 anos ou mais
55,86% são meninos
66,22% são pretas, pardas, amarelas ou indígenas
25,9% têm alguma deficiência ou doença
63,2% têm irmãos

QUEM PODE ADOTAR

Pessoas com mais de 18 anos e que sejam pelo menos 16 anos
mais velhas do que a criança que vão adotar.

Requisitos:

• Cadastro na Vara da Infância e da Juventude;
• Apresentação de atestados de sanidade física e mental, certidões cíveis e criminais;
• Passar por avaliações com psicólogos e assistentes sociais;
• Realizar curso preparatório obrigatório.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE SAÚDE PLENA