Álbum póstumo reúne canções inéditas Jeff Buckley

Columbia lança 'You and I com' 10 canções gravadas em 1993 pelo cantor americano, que morreu afogado aos 30 anos

por Estado de Minas 05/06/2016 10:18

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Columbia/Divulgação
Jeff Bucley gravou covers de Led Zeppelin, Sly & The Family Stone e Bob Dylan (foto: Columbia/Divulgação)
De tempos em tempos, algumas pérolas surgem de arquivos escondidos e trazem à vida uma passado que parecia estar esquecido. Foi o que ocorreu quando a gravadora Columbia preparava a edição de 20 anos de Grace, único álbum gravado e lançado oficialmente por Jeff Bucley. Ao vasculhar o arquivo, emergiu um material inédito do cantor e compositor, morto afogado em um acidente no Rio Wolf, no Memphis, aos 30 anos.

São fitas das primeiras sessões de Buckley como artista contratado que agora são lançadas no álbum You and I. As 10 faixas foram gravadas ao longo de três dias, em fevereiro de 1993. Há covers de  Led Zeppelin, Sly & The Family Stone e Bob Dylan (Just like a woman, que virou clipe interativo). Há também duas canções autorais, uma delas a inédita Dream of you and I.

Steve Addabbo, que comandou as gravações, relata que “a Columbia estava muito animada com um garoto que havia assinado, mas conheci o Jeff pessoalmente só no dia em que ele entrou no meu estúdio”. Segundo o produtor, a ideia era criar uma atmosfera tranquila para as sessões: “Tentamos fazer algo bastante minimalista para deixá-lo relaxado. Pedimos apenas que ele tocasse o que gostava de cantar. É um procedimento muito comum para novos artistas”.

Voz

Addabbo afirma ter ficado impressionado com a voz de Buckey. “Não é todo dia que você esbarra num timbre daqueles. Mas o que mais me impressionou foi sua técnica na guitarra. Percebi logo que ele não era um cantor folk que usava o violão só para acompanhá-lo. Ele era um grande guitarrista em diversos estilos. E isso pode ser percebido neste novo álbum. Ele toca Sly & The Family Stone (Everyday people) cheio de groove e Calling you (de Jevetta Steele) com enorme delicadeza”, recorda.

A vasta gama de influências de Buckley, que já podia ser vista em momentos de Grace, como a versão arrebatadora para Hallellujah, de Leonard Cohen, e o standard Lilac wine, de James Shelton, é reforçada em You and I a partir de interpretações que vão de I know it’s over e The boy with the thorn in his side, dos Smiths, ao blues tradicional Poor boy long way from home. Para Addabbo, a dificuldade de rotular sua música foi uma das razões que levaram ao fracasso do disco na época de seu lançamento.

“Havia a onda do grunge quando o Grace saiu, e ele estava tateando muitos gêneros distintos no CD. A boa e a má notícia sobre o Jeff Buckley é que ele era tão versátil que podia fazer muitas coisas diferentes. Apesar de não ter sido bem-sucedido quando saiu, com o tempo Grace se tornou um álbum histórico”, analisa.

Após duas décadas, Addabbo afirma que já tinha perdido as esperanças de ver aquelas gravações ganharem o mundo: “Durante 23 anos, eu me perguntei por qual motivo eles não haviam lançado nada daquelas sessões. Há muitas horas de música, pelo menos outras 10 faixas ficaram de fora deste disco. Dá para fazer um volume 2. Ele era um artista único, como a Joni Mitchell ou o Bob Dylan. Sempre imagino o que ele teria feito”. (Com agências)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA