Naná Vasconcelos deixa UTI e vai para quarto em hospital do Recife

Quadro do percussionista ainda é grave, segundo os médicos, porém estável

por Diário de Pernambuco 08/03/2016 09:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Naná Vasconcelos foi transferido para um quarto na Unidade de Cuidados Semi-Intensivos do hospital Unimed III, no Recife, após deixar a UTI. O boletim médico foi divulgado na noite desta segunda (7), "o estado de saúde permanece grave, mas estável". A oncologista Penépole Araújo, que assina o documento, tinha confirmado antes, ao Viver, por telefone, que o artista tinha sido transferido, mas que ainda respirava com ajuda de aparelhos.

O percussionista foi hospitalizado na segunda-feira (29) com infecção respiratória, arritmia cardíaca e progressão de neoplasia - complicações do câncer no pulmão, descoberto no ano passado. O pernambucano passou mal após um show realizado em Salvador, com o violoncelista Lui Coimbra. Um boletim foi enviado pelo hospital à imprensa na tarde deste domingo (6). Os médicos afirmaram que o artista "encontra-se em observação" e que o "quadro inspira cuidados".

 

João Rogério Filho/Divulgação
Naná Vasconcelos está se tratando de um câncer de pulmão (foto: João Rogério Filho/Divulgação)


No segundo semestre de 2015, Naná passou mais de 20 dias internado fazendo um tratamento contra o câncer. A doença foi descoberta em agosto. Ele procurou a emergência do hospital, após voltar de uma viagem ao Rio de Janeiro, onde apresentou o show O bater do coração, no BNDES. Durante o concerto, Naná se sentiu mal, com muita tosse e sangramento.

Os exames detectaram o câncer no pulmão. Ele foi submetido a sessões de quimioterapia e radioterapia. "Eu tenho essa situação, e tenho que enfrentar com força, pensamento positivo. E vou enfrentar com o pensamento de que eu vou chegar lá", declarou o músico, em setembro, após ter alta do hospital.

Naná Vasconcelos foi um dos protagonistas da abertura do Carnaval 2016. Acompanhado por 400 percussionistas de várias nações de maracatu, ele marcou o início dos dias de Momo no Recife. Em dezembro passado, o músico recebeu título de doutor honoris causa pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA