Larissa Luz homenageia outros artistas negros em seu segundo CD solo

Em 'Território conquistado', cantora baiana assina todas as faixas

por Shirley Pacelli 28/02/2016 10:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

SAFIRA MOREIRA/DIVULGAÇÃO
Larissa Luz divide os vocais com Elza Soares na faixa-título de seu novo disco (foto: SAFIRA MOREIRA/DIVULGAÇÃO)
“Existe um mundo onde cenas reais/ Viram histórias em telas coloridas/ Pessoas estampadas como são.” Representatividade, não só na letra de Nollywood, mas na concepção do álbum Território conquistado. Essa foi a palavra-símbolo do segundo disco da carreira solo da cantora baiana Larissa Luz, de 28 anos. O CD, realizado pelo projeto Natura Musical, foi lançado em janeiro deste ano.

Docinema da Nigéria à escritora Carolina de Jesus, Larissa descobriu um universo rico de referências e mergulhou em um processo de pesquisa com a antropóloga Goli Guerreiro. O mote da mulher negra acabou virando tema central do disco, que traz 10 faixas em homenagem a personalidades. “Quero contribuir para a divulgação do trabalho dessas mulheres de alguma forma”, diz a cantora.

Território conquistado traz Jr. Tostoi na produção, que assina trabalhos de Lenine e Jards Macalé, além da própria Larissa, Pedro Tiê e Pedro Itan. Larissa, que fez parte do grupo Ara Ketu durante quatro anos, é hoje uma das representantes da música negra contemporânea da Bahia.

Tostoi deu a “carga rock’n’ roll” que ela queria para aproximar sua música de uma proposta afropunk. Tiê criou a fusão do dubstep e trap com ritmos africanos como os sambas reggae e duro. “É completamente eletrônico, mas muito humano. Viajei nos sentimentos, cores e texturas. Ia falando ideias subjetivas, e ele criava”, descreve a cantora.

Larissa assina todas as faixas com diferentes parceiros. Cada música surgiu de uma vivência da baiana. Em Bonecas pretas, com Pedro Itan, ela fala da ausência de diversidade no comércio – que vende apenas brinquedos com padrão eurocêntrico. “Desde criança, percebo que quis ser o que não era por não me ver”, afirma.

O processo de assumir o cabelo crespo, de se enxergar como bela, as discussões da própria sexualidadee em torno da objetificação do corpo da mulher também estão no álbum. “É um despejo muito pessoal, todos os meus incômodos e desejos de tornar algo diferente. Ao mesmo tempo, se torna algo externo também”, pondera.

Elza Soares é homenageada na faixa título de Território conquistado e divide os vocais com Larissa. “Me olho no espelho e digo:/ Não é meu inimigo/Não te quero domado, não te quero contido/É território conquistado/É espaço garantido”, diz o refrão.

“Para mim, ela é uma das maiores representantes da música brasileira. É a personificação da própria resistência. Forte, batalhadora, nos representa muito bem”, afirma Larissa.

 

#OscarTãoBranco
Boicote ao Oscar 2016, que não teve indicação de artistas negros, apresentações impactantes do rapper Kendrick Lamar no Grammy e de Beyoncé no Super Bowl denunciando a opressão aos negros. Do outro lado, Meryl Streep justificandoque“ somos todos africanos” diante da falta de diversidade do júri branco do Festival de Berlim. Na avaliação de Larissa,que também é atriz e já atuou em musicais como Gonzagão e Ópera do malandro, o momento é de contestação. A baiana lembra do discurso da atriz Viola Davis no Emmy 2015, ressaltando queaúnica diferença entre a mulher negra e as outras é a oportunidade.“

A representatividade dos negros no audiovisual ainda é muito pequena em relação ao número de pessoas negras que existem no mundo”, pondera. Segundo a artista, é preciso que a população se veja na tela, tenha referências de outros padrões.  Para ela, o apoio a movimentos contestadores como o do boicote ao Oscar nesta noite deveria ser maior. “Não precisa apanhar para se sensibilizar com a dor do outro. Basta ser gente. E não é sensibilização de pena, é de luta”, diz.

Larissa afirma que a população negra não quer mais o lugar de “coitadinha”, quer punir os racistasequestionaraausência de representantes nas bancadas, nos júris, nos filmes e entre os vencedores das premiações. “A arte só existe dentro desse contexto: se eu puder falar algo de útil. Não me sinto à vontade se sentir que está sendo tudo em vão.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA