Belo Horizonte vai sambar ao som de Alcione e Raça Negra

Expominas recebe show em conjunto neste sábado

por Ana Clara Brant 19/02/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Acervo
(foto: Acervo)
Quem for amanhã ao Expominas ver Alcione vai ganhar de brinde o show do Raça Negra. E quem quiser conferir o Raça Negra será contemplado com a performance de Alcione. “É dois em um: duas apresentações pelo preço de uma (risos). É samba pra ninguém botar defeito”, avisa o bem-humorado Luiz Carlos, vocalista do Raça.


Os artistas não se apresentam juntos, explica Luiz Carlos. Segundo ele, trata-se de uma oportunidade para reunir representantes do mais brasileiro dos gêneros musicais. “Já tenho um projeto, o Gigantes do Samba, com o Belo e o Alexandre Pires. Estar perto da Marrom é sempre bom. Quando ela abre a boca, é brincadeira: uma voz e um talento sem explicação. Alcione é a nossa rainha”, destaca.

Todo elogios às veteranas Beth Carvalho, Elza Soares e Leci Brandão, Luiz afirma que não têm surgido jovens cantoras “com borogodó” para cantar samba. “Ou elas morreram, como a Clara Nunes e a Jovelina Pérola Negra, ou já estão há tempos por aí. Ninguém da safra atual tem me chamado a atenção. Artistas que apareceram recentemente não têm voz para samba, elas cantam porque é moda. Samba está na alma, na pele. Não é simplesmente abrir a boca”, desabafa.



Essência Diferentemente de ritmos como sertanejo e axé, há pouca renovação, acredita o vocalista do Raça. “Samba e pagode surgem na favela, mas, infelizmente, os caras de lá não têm abertura. Grupos que vêm pintando por aí não são de artistas. Fazem show em casas noturnas e tal, mas não é a mesma coisa. Está faltando gente para modernizar, porém sem perder a tradição e a essência”, opina.

Amanhã, o Raça Negra promete sucessos de suas três décadas de carreira, além de canções de DVDs mais recentes, em que o grupo gravou hits do pop rock como Tão seu (Skank), Pescador de ilusões (O Rappa) e Primeiros erros (canção de Kiko Zambianchi que se tornou hit do Capital Inicial), além da romântica Fogo e paixão, de Wando. “Ficou bem bacana. Agora, vamos gravar DVD com a participação de alguns desses artistas”, revela.

Por sua vez, Alcione promete mostrar repertório baseado no DVD Eterna alegria, temperado por hits e inéditas.

 

ALCIONE E RAÇA NEGRA
Amanhã, às 22h. Expominas,
Avenida Amazonas, 6.200, Gameleira.
Ingressos: de R$ 49 a R$ 480.
Informações e vendas: www.nenety.com.br, www.centraldoseventos.com.br
e (31) 3281-2737. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA