Disco solo de Xê Casanova soa simples como as caixas de música

Álbum foi produzido por Marcelo Yuka

por Kiko Ferreira 16/02/2016 09:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Estevam Avellar/divulgacao
'Caixa de música' é o primeiro álbum solo de Xê (foto: Estevam Avellar/divulgacao )
Um disco de canções de amor gravadas com pegada eletrônica, produzido por Marcelo Yuka e bom para quem gosta de Silva, Metrô (segunda fase), Lucas Santtana e artistas que conseguem produzir peças pop que destilam intimidade com intimismo. Caixa de música é o primeiro álbum solo de Xê, ou Xê Casanova, nome artístico do cantor, compositor e violonista Alessandro Fontanari Casanova, que na década de 1990 tocava na noite com a banda Tribo Brasil, fundou o grupo Colomi na década de 2000 e vem, há cinco anos, investindo na carreira individual.

A sonoridade é atual, sem soar modernosa, e leva o ouvinte que quiser captar os detalhes a seguir o mandamento que está no meio do encarte: experimente com fone de ouvido. Maturado entre 2010 e 2015 e gravado no estúdio Observatório dos Ecos, que Yuka tem na Tijuca, no Rio de Janeiro, o álbum traz apenas oito faixas e foi totalmente composto ao violão para depois receber tratamento, como informa o texto de divulgação, com “ferramentas típicas do hip-hop”, em que sintetizadores e baterias eletrônicas dialogam com guitarras, cítara, violoncelo, escaleta e baixo, quase sempre no limite da economia.

O resultado final soa como se quem ouve (principalmente com fone de boa qualidade) testemunhasse uma exposição de motivos em ambiente pequeno, quase gravação daquelas velhas fitas demo.

A chave para a compreensão pode estar na terceira faixa, Todas as cores, aberta com um refrão que funciona como mantra – loka samastha sukino bhavantu –, ou seja: que todos os seres, em toda parte, encontrem a felicidade.

Na abertura, o samba cool Ensina-me a viver fala de recuperar um amor antigo. Ligeiramente mais animado, O batuque pede licença para a batucada descer a ladeira todos os dias, vibrando e quebrando a barreira do som.

Não abala é mais política, trata da insensibilidade do homem atual, mas termina falando da possibilidade de encontros. Com o cello de Katunga criando clima diferenciado, o samba Ano bom abre a série final falando de seguir nova viagem. Fechando o disco, o contraste de violão meio bossa com guitarra rascante e efeitos faz de Esperando o amanhã o encerramento ideal para a empreitada coesa e coerente, diferenciando estar só de estar solitário.  

Simples, mas não fácil, Caixa de música tem concepção e execução que lembram as caixas de música tradicionais, que podem soar ingênuas para uns, inspiradoras para outros.  Mas quem embarcar na viagem do artista terá motivos para descobrir suas delicadezas.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA