Álbum 'Mar Azul...' reúne releituras contemporâneas do Clube da Esquina

Revelações da nova cena da MPB surpreendem ao revisitar o cancioneiro setentista de Milton Nascimento e sua turma

por Ailton Magioli 08/06/2015 09:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arte de Valf sobre CAPA DO CD CLUBE DA ESQUINA 2/FOTO DE FRANK M.STUCLIFFE/EMI-ODEON
(foto: Arte de Valf sobre CAPA DO CD CLUBE DA ESQUINA 2/FOTO DE FRANK M.STUCLIFFE/EMI-ODEON)
Quarenta e três anos depois do lançamento do álbum seminal do movimento que fez história na MPB, é fato: muita coisa ainda pulsa no cancioneiro do Clube da Esquina, além das tão propaladas melodia e harmonia. Prova disso é 'Mar Azul – Sons de Minas Gerais vol.1', que será disponibilizado nesta segunda na internet. Distante do desgastado formato coletânea, o projeto audiovisual traz interpretações contemporâneas para 10 clássicos de Milton Nascimento e cia., com direito a recriações dignas das canções originais.


Aos clássicos, foi acrescentada uma pérola recente da parceria dos irmãos Márcio e Lô Borges, 'Quem sabe isso quer dizer amor'. O tributo privilegia os álbuns 'Clube da Esquina' (1972) e 'Clube da Esquina 2' (1978), mas não se limita a eles. Originalmente pensado como um documentário, o projeto acabou resultando em 11 vídeos que poderão ser conferidos no site do projeto.

Os áudios estarão reunidos em um álbum disponibilizado com exclusividade na web pelo selo Slap, da gravadora Som Livre. Fiel ao conceito audiovisual, cada vídeofaixa de 'Mar Azul...' é antecedida por pequeno depoimento do intérprete, justificando a escolha daquela canção. O segundo volume do projeto não é descartado pelos produtores, conforme sugere o próprio subtítulo. A única faixa em versão instrumental é 'Nascente', de Flávio Venturini e Murilo Antunes.

Aos veteranos Pedro Luís e Moska, se juntaram os novatos César Lacerda, Júlia Vargas, Silva, Maíra Freitas, Michele Leal, Lucas Arruda, Dani Black e João Bittencourt, além do grupo vocal Ordinarius. A ideia partiu de Fernando Neumayer e Luís Martino, sócios da produtora carioca Tocavideos. A dupla dirigiu os vídeos, quase todos filmados no Bituca Estúdio – com exceção de 'Reis e rainhas do maracatu', com Pedro Luís, rodado no Godofredo Bar, em Botafogo, que pertence a Gabriel Guedes, filho do compositor Beto Guedes.

Aliás, a ideia inicial era dar ao projeto o título 'Tudo que move', a partir do verso de 'Amor de índio', de Beto Guedes e Ronaldo Bastos. Essa canção acabou não entrando no repertório.

“Lendo sobre o movimento, acabei chegando àquela casa em Mar Azul, praia de Niterói onde os integrantes do Clube da Esquina passaram uma temporada antes da gravar o primeiro disco”, diz Fernando Neumayer, ao justificar o batismo definitivo do projeto.

Muito ligado ao meio audiovisual e à tecnologia, foi assim que ele chegou ao formato inovador de 'Mar Azul...' – que, em boa hora, une música e vídeo. “Talvez o projeto não surgisse há alguns anos”, admite, atribuindo a opção, que remete ao documentário, aos tempos atuais, em que o disco físico está praticamente extinto.

A informalidade do movimento mineiro, que reunia músicos e profissionais de meios variados, como o fotógrafo Cafi, é um dos aspectos que mais chamaram a atenção do produtor de 'Mar Azul...'. “Aquela coisa de muita gente no estúdio, da macarronada na casa dos Borges”, diz Neumayer. Ele se refere à residência da família de Lô e Márcio, perto da esquina das ruas Paraisópolis e Divinópolis, no bairro belo-horizontino de Santa Tereza, de onde veio o nome do clube.

Na hora da escolha da faixa a ser gravada por cada artista, pesou a questão pessoal. “É um samba de maracatu, uma marca forte da nobreza da negritude”, afirma o cantor e compositor Pedro Luís a respeito de 'Reis e rainhas do maracatu', que ele interpreta ao violão. O carioca revela que o primeiro 'Clube da Esquina' chamou a sua atenção “pelo som gringo, no bom sentido”. “É bem gravado e bem mixado, o que faz você querer ouvir cada vez mais”, explica. Pedro conta que seus LPs 'Minas', de Milton, e 'Falso brilhante', de Elis Regina, chegaram a furar de tanto serem ouvidos.

A cantora e pianista Maíra Freitas, filha de Martinho da Vila, confessa: foi difícil escolher uma entre tantas canções do movimento musical mineiro que conquistou o mundo. Ela optou por 'Cravo e canela', que diz adorar por ser “muito percussiva e dançante”. Impressiona a releitura conferida pela carioca a esse clássico, já gravado por tantos artistas.

Por sua vez, Júlia Vargas, que optou por 'Canoa, canoa', confessa que sempre quis cantá-la. “De certa forma, a canção me transporta para a terra em que nasci, Cabo Frio”, diz a jovem intérprete, dona de timbre e presença cênica possantes. “É uma ‘responsa’ cantar uma música dessas”, admite Júlia, contando que escolheu o mesmo tom de Milton Nascimento. Não por acaso, Bituca apadrinhou a moça – tem feito shows com Júlia pelo país e a convidou para dividir o palco com ele e o rapper Criolo, em 2014.

César Lacerda optou por 'Pedras rolando', classificada por ele como “a fruição mais celestial de uma coisa muito maravilhosa”. Diamantinense radicado no Rio de Janeiro, o jovem músico se empolga: “Beto Guedes é uma pedra filosofal misteriosa. Aquela voz, aquelas letras, aquela harmonia”.

Se, por um lado, muitos optaram por gravar em companhia do próprio instrumento, outros convidaram músicos para acompanhá-los. Michele Leal, nascida em Itajubá, canta 'Paisagem da janela' ao lado do pianista Francisco Pellegrini. A intimidade com essa canção veio da época em que, criança, integrava corais da cidade do Sul de Minas. Júlia Vargas convidou o flautista Fábio Luna e o violonista Rodrigo Garcia para gravar 'Canoa, canoa' com ela.

 

Criadores do Clube aprovam Mar Azul

 

Surpreendidos com o lançamento de 'Mar Azul – Sons de Minas Gerais vol. 1', integrantes do Clube da Esquina chegaram a se emocionar com o projeto dedicado à obra de Milton Nascimento e seus parceiros.

“Estou maravilhado. Tudo cresceu no espaço e no tempo muito além de minhas expectativas. Sinceramente, não estava sabendo de mais essa iniciativa, que me emociona bastante. É um bom sinal pra gente saber que, em 43 anos de trabalho, deixou algo tanto para a nossa própria geração quanto para as novas gerações, que estão antenadas à nossa própria história”, afirma o compositor Márcio Borges, um dos principais letristas do Clube da Esquina, ao lado de Fernando Brant e Ronaldo Bastos.

De Cannes, na França, onde participa do Midem, o maior encontro mundial de empresas ligadas à música, Ronaldo Bastos desejou sucesso ao empreendimento, enquanto Borges acredita que 'Mar Azul...' tem tudo a ver com as novas propostas do mercado fonográfico.

“A indústria fonográfica deu muitos passos errados, ao contrário da TV, que investe em conteúdo”, repara Borges. “Primeiro, ela investiu no público jovem sem potencial de consumo. Depois, achou que o público era imbecil, simplificando ao máximo os conteúdos”, acrescenta.

WEB

Márcio diz que a febre atual do vinil é uma das provas do equívoco da indústria em substituí-lo pelo CD. “O vinil tem uma reprodução muito melhor”, afirma, saudando as novidades. “É bacana que projetos como 'Mar Azul...' consigam envolver a música com a tecnologia, a web. Vejo isso como solução para a crise que estamos vivendo no mercado”, conclui o parceiro de Milton Nascimento e Lô Borges nas canções 'Clube da Esquina' e 'Clube da Esquina 2'.



FAIXA A FAIXA

César Lacerda
'Pedras rolando'
1979
De Beto Guedes e Ronaldo Bastos

Júlia Vargas
'Canoa, canoa'
1977
De Nelson Ângelo e Fernando Brant

Silva
'Um girassol da cor de seu cabelo'
1972
De Lô e Márcio Borges

Pedro Luís
'Reis e rainhas do maracatu'
1977
De Milton Nascimento, Nelson Ângelo, Novelli e Fran

Maíra Freitas
'Cravo e canela'
1971
De Milton Nascimento e Ronaldo Bastos

Michele Leal
'Paisagem da janela'
1972
De Lô Borges e Fernando Brant

Ordinarius
'Nada será como antes'
1972
De Milton Nascimento e Ronaldo Bastos

Lucas Arruda
'Fazenda'
1976
De Nelson Ângelo

Dani Black
'Travessia'
1967
De Milton Nascimento e Fernando Brant

Moska
'Quem sabe isso quer dizer amor'
2002
De Lô e Márcio Borges

João Bittencourt
'Nascente'

1977
De Flávio Venturini e Murilo Antunes

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA