Plural e independente, Primeiro Campeonato Mineiro de Surf chega à 13ª edição

Ao longo de quatro noites, festival contará com a presença de bandas locais e de outros estados, além de uma lenda do estilo

por Fernanda Machado 29/04/2014 18:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

The Jordans /Divulgação
Há 60 anos tocando surf music, o guitarrista Aladdin, do The Jordans, uma das bandas mais antigas do Brasil, será uma das atrações do festival (foto: The Jordans /Divulgação)

 

Com Pedro Galvão

 

Se em Minas não tem mar, o mineiro vai à Obra. Afinal, se não há praias por aqui, o jeito é surfar nas ondas do rock´n´roll do “bar dançante”, que abrigará mais uma vez o Primeiro Campeonato Mineiro de Surf. O festival chega à sua 13ª edição neste ano, com 12 bandas se apresentando ao longo dos quatro dias do feriadão, começando nessa quarta-feira, 30.

Quando a maluquice começou, no ano 2000, a ideia era fazer um festival de surf music, gênero do rock surgido nos Estados Unidos durante a década de 50, que consagrou artistas como Dick Dale, The Beach Boys, The Ventures e ganhou ainda mais apelo na década de 90, com os filmes de Quentin Tarantino. No entanto, bandas de estilos adjacentes, como o rockabilly e o garage rock, são presença constante desde a primeira edição. Em 2014 não será diferente. Grupos de outros estados e atrações locais subirão ao palco, mantendo a missão de fortalecer a cena musical independente da cidade.

A surf music estará muito bem representada no Campeonato deste ano com a presença de uma lenda brasileira do estilo. Romeu Mantovani, mais conhecido como Aladdin, é o líder do The Jordans, uma das bandas de rock mais longevas e antigas do Brasil, formada ainda na década de 50. Ele, que já tocou com Roberto Carlos e outros grandes nomes da Jovem Guarda, subirá ao palco da Obra acompanhado pelos integrantes da banda Reverb All Stars. Os belo-horizontinos foram presença constante em edições anteriores do festival. Rogério Pixixo, responsável pelo contrabaixo, terá a oportunidade de realizar um sonho de seu falecido pai. “A expectativa é muito grande de tocar com uma lenda como essa, lamento apenas que meu pai não seja vivo para ouvir Sleepwalk e Tema de Lara tocados por mim e pelo Aladdin, que foi um ícone do rock para a geração dele”, explica.

Estilos misturados
O show de Aladdin & Gênios da Reverb será na sexta-feira. Na mesma noite, Os Vulcânicos, do Rio de Janeiro, e os gaúchos do Mary O. and the Pink Flamingos também se apresentam, tocando variações mais modernas da surf music. O Reverb All Star faz seu tradicional show na quinta-feira, ao lado do Dead Pixels, banda de garage rock formada em BH no ano passado. Outros representantes da cena local são os Marrones, banda cover de Ramones, que tocará versões surfistas e instrumentais das canções do quarteto nova-iorquino. Eles são uma das atrações da noite de sábado, assim como o Phanton Powers, do Rio Grande do Sul, e o Movie Star Trash, do Paraná, que também apostam em versões mais psicodélicas do surf rock.

Essa mescla de estilos é uma marca registrada do Primeiro Campeonato Mineiro de Surf. “Estar aberto a outras ondas musicais só enriquece o evento e é um dos motivos de sua longevidade, Belo Horizonte tem essa característica interessante: não existem grupos fechados que curtem apenas um determinado estilo, quem gosta de surf, também gosta de garage, quem gosta de garage gosta de rockabilly, e assim vai”, explica Marcelo Crasso, um dos organizadores do festival.

A noite de abertura, na quarta-feira, será marcada pelo som mais pesado. Os curitibanos do Sick Sinners chegam a BH trazendo seu psychobilly agressivo, assim como os Drunk Demons, de Contagem, outros fiéis representantes do estilo. A banda de hardcore 99Noizagain, de Piracicaba(SP), completa a noite.

À frente do evento desde seu surgimento, Claudão Pailha, um dos proprietários da Obra, está empolgado com mais uma bateria do Campeonato, mantendo o caráter independente mesmo depois de 14 anos. “É um momento muito feliz pra nós, pois é como era antes, um momento de independência total. Muita gente reclama que não dá pra fazer cultura sem dinheiro, mas o problema é também uma oportunidade, porque a única pressão que você tem vem de você mesmo, e isso é ótimo pra você ter a tranquilidade de fazer uma seleção de bandas legal e aproximá-las dos público da cidade”, afirma ele.


13º Primeiro Campeonato Mineiro de Surf

Quarta-feira, 30/4, 22h
Sick Sick Sinners (PR)
99Noizagain (PR)
Drunk Demons (MG)
R$25

Quinta-feira, 1º/5, 20h
Dead Pixels (MG),
Reverb All Stars (MG)
DJ Pete Slovenly (EUA)
R$20

Sexta-feira, 2/5, 22h
Mary O. and the Pink Flamingos (RS)
Os Vulcânicos (RJ)
Aladdin (The Jordans) & Os Gênios da Reverb (SP-MG)
DJ Pete Slovenly (EUA)
R$25

Sábado, 3/5
Marrones Vão à Praia (MG)
Phantom Powers (RS)
Movie Star Trash (PR)
R$25

Local: A Obra (Rua Rio Grande do Norte, 1168, Funcionários),
Censura 18 anos

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA