Banda O Terço faz show 3D nesta quarta, em BH

Com som e imagens sincronizadas em um telão, apresentação que acontece no Sesc Palladium já tem agenda internacional

por Mariana Peixoto 04/12/2013 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O Terco/Divulgação
Sérgio Hinds, Flávio Venturini e Sérgio Magrão (foto: O Terco/Divulgação )
Os versos “quer virar pássaro/ e voar no ar, no ar/ quer virar pássaro/ e sumir” vão ganhar nova vida esta noite. Trecho do refrão de 'Pássaro', uma das canções mais conhecidas da banda O Terço, terá como companheiro um beija-flor que vai voar sobre a plateia. Com Sérgio Hinds (voz e guitarra), Flávio Venturini (voz e teclado) e Sérgio Magrão (voz e baixo), de sua formação clássica, e o baterista Fred Barley, o grupo fará nesta quarta-feira um show em 3D no Sesc Palladium. É a primeira banda da América Latina a produzir algo do gênero.

Banda histórica que já teve várias formações – a primeira foi em 1968 –, está reunido novamente desde 2005. Ao longo deste ano, O Terço trabalhou na produção de um blu-ray em 3D, que está em fase de finalização. Em meio ao projeto veio a ideia de fazer o show, que chega a Belo Horizonte depois de sete apresentações. É apenas a primeira fase da turnê, com a qual Hinds espera seguir pelo Brasil e também para fora, com shows confirmados no Japão e outros sendo agendados na Europa para 2014.

Magia e tecnologia

O público que for hoje ao Sesc Palladium vai receber óculos 3D e, ao contrário do que ocorre nos cinemas, poderá levá-lo para casa. Um telão de LED de 10 metros ficará atrás da banda, exibindo imagens que “conversam” com as músicas do repertório (veja abaixo). “Há um momento em que jogo a palheta e ela gira na cara das pessoas. Nas instrumentais há muitas viagens. Em '1974', por exemplo, aparece um aéreo do Rio em que um helicóptero fica dando voltas no Cristo”, continua o guitarrista.

Por causa dos efeitos em 3D, o show foi muito ensaiado. O repertório é o mesmo desde o início da turnê. “Tocamos com um click no ouvido, já que todas as imagens têm que ser sincronizadas com as músicas”, explica Hinds. A tecnologia fez com que os ensaios fossem mais extensos se comparado ao processo de uma turnê convencional. “Na sala de ensaio tocamos com um telão para combinar as projeções. Foi um trabalho árduo, e um monte de acertos foram feitos.”

Desde que retornou aos palcos, O Terço vinha contando com Sérgio Melo na bateria. “Quando houve a decisão de fazer o blu-ray, o Sérgio estava tocando nos Estados Unidos com o Alan Parsons (hoje integra a banda de Lulu Santos). Como não podia fazer, chamei o Fred, que já estava comigo em carreira solo. E ele também canta, então O Terço voltou a ser um grupo de quatro vozes, como era com o (Luiz) Moreno (baterista da fase clássica do grupo, que morreu em 2002, pouco após a decisão de a banda retornar aos palcos). Agora a gente não para mais”, conclui Hinds.

TRAJETÓRIA
O blu-ray d’O Terço não vai ser apenas um show com registro em 3D. O projeto, com lançamento previsto para abril, contará também com um documentário sobre a banda, dirigido por Paulo Fontenelle, o mesmo do premiado Loki – Arnaldo Baptista e do recente Dossiê Jango. E há muita história para contar: desde 1968, passaram pela banda duas dúzias de instrumentistas. Entre seus ex-integrantes estão nomes como Vinicius Cantuária (bateria), Cézar de Mercês (baixo, flauta) e Ruriá Duprat (teclados). Aos longo de 45 anos, somente Sérgio Hinds esteve presente em todas as formações.

O repertório
1974
Criaturas da noite
Hey amigo
Pássaro
Casa encantada
Foi quando eu vi a lua passar
Queimada
Flor de la noche
Suíte
Tributo ao sorriso
Antes do sol chegar
Cabala
PS: apareça
Jogo das pedras
Ponto final

O TERÇO
Hoje, às 21h, no Sesc Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro). Ingressos entre R$ 25 e R$ 80. Informações: (31) 3214-5350.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA