Zeca Baleiro homenagea Chiquinha Gonzaga nesta terça, no Sesc Palladium

Apresentação faz parte da série Compositores. BR. Cantor estará ao lado do pianista Adriano Magoo e Thiago Nunnes Quarteto.

por Ailton Magioli 03/12/2013 09:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gal Oppido/Divulgação
"Brinco dizendo que ela foi a nossa primeira tropicalista", Zeca Baleiro, cantor e compositor (foto: Gal Oppido/Divulgação)
Honrado. Resumidamente, é como diz se sentir Zeca Baleiro ao se tornar parceiro da pioneira Chiquinha Gonzaga (1847-1935), última homenageada do ano da série Compositores. BR, que reúne nesta terça-feira, no Grande Teatro do Sesc Palladium, o próprio Zeca, acompanhado do pianista Adriano Magoo, além do Thiago Nunnes Quarteto.

Baleiro diz que pesquisou o repertório da compositora carioca para montar o repertório do show. “E quando ouvi 'Suspiro' e 'Não insistas rapariga', achei que cabiam letras”, justifica o cantor, sem esconder o que classifica de “ousadia” da sua parte. O amor pelo tipo de música que Chiquinha fazia levou o compositor maranhense a aceitar o convite para participar da série.

“Adoro a música feita na virada do século 19 para o 20. É muito amorosa e brejeira, encantadora mesmo. Fala à alma”, acrescenta um inspirado compositor, para quem a maestrina, autora da primeira marchinha de carnaval, 'O abre alas', de 1839, teria deixado vários legados à música brasileira.

“Antes, o fato de ser a primeira mulher autora num tempo e num país machista, patriarcal”, faz questão de ressaltar Zeca. Para ele, a primeira compositora da música popular brasileira de que se tem notícia “era muito sofisticada na fusão de música de salão com a música das ruas”.

 “Brinco dizendo que ela foi a nossa primeira tropicalista”, relata Zeca, recordando que havia um requinte nas composições de Chiquinha. “Modulações ousadas para a época, soluções harmônicas muito originais”, pondera o cantor. Depois do pioneirismo da compositora, que teve seguidoras como dona Ivone Lara, Sueli Cosa, Rita Lee e Fátima Guedes, entre outras, Zeca Baleiro acredita que o Brasil vive a era mais feminina da música popular.

Para o compositor, projetos e séries como Compositores.BR são sempre desafiadores. “Aprendemos muito com iniciativas do gênero. Você é obrigado a pesquisar de fato, o que é ótimo”, justifica. O show de hoje será aberto pelo guitarrista Thiago Nunnes, acompanhado dos músicos Christiano Caldas (piano), Frederico Heliodoro (baixo acústico) e Felipe Continentino (bateria).

Versões instrumentais de 'Menina faceira', 'Morena e Gaúcho', entre outras canções da maestrina, estarão no programa, cuja segunda parte será dedicada à palavra cantada na voz de Zeca Baleiro, o maranhense que vem fazendo história na música brasileira, com uma inspirada criação que tem como ponto forte o regionalismo. Além das duas canções que letrou, Zeca promete cantar, entre outras, 'Lua branca' e, claro, 'O abre alas', em companhia de Adriano Magoo (piano). A conferir.

ZECA BALEIRO E THIAGO NUNES QUARTETO

Terça-feira, às 20h. Grande Teatro do Sesc Palladium, Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro. Ingressos: R$ 40 (inteira, plateia 1), R$ 30 (inteira, plateia 2) e R$ 20 (plateia 3) + 1kg de alimento; meia-entrada para estudantes. Informações: (31) 3214-5350.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA