Eleonora Fabião lança o livro Ações com distribuição de exemplares

Autora trafega por suas pesquisas teatrais, misturando vozes das ruas à sua, num chamado ao leitor para que se integre às experiências narradas na obra gratuita

por Luiz Fernando Motta 23/04/2016 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FELIPE RIBEIRO/DIVULGAÇÃO
No lançamento, Eleonora promete realizar uma de suas performances com os participantes (foto: FELIPE RIBEIRO/DIVULGAÇÃO)

A mensagem é dada logo de cara: “Ações foi feito para ser dado, recebido, trocado, perdido, achado, perdido de propósito, doado, presenteado, emprestado, passado adiante. Nem vendido nem comprado”, escreve a autora Eleonora Fabião no texto que estampa a capa do livro. O design é simples, mas a cor, um amarelo forte, faz o exemplar chamar a atenção em qualquer lugar em que ele estiver. Com venda proibida, o livro poderá estar em cadeiras, mesas, prateleiras ou até no chão de locais como ônibus, metrô, praças, igrejas e supermercados. Um local garantido para encontrá-lo é na sede do grupo de teatro Espanca!, hoje, às 14 horas.


Diferentemente da capa, o conteúdo do livro não é tão direto e pode ser descrito como um convite, uma proposta de união entre leitor e autor por meio da estranheza. Por si só, o livro é uma performance, resultado de experiências teatrais que a pesquisadora realizou nas ruas. A obra descreve situações como uma de 2008, na qual, Eleonora resolveu levar duas cadeiras da cozinha de casa para o Largo da Carioca, um dos locais mais expostos e movimentados no Centro do Rio de Janeiro. Com os móveis dispostos um de frente para o outro, ela ocupava um dos assentos e deixava o outro livre. Por meio de um cartaz, escrevia um chamado, até que algum pedestre resolvesse ocupar a outra cadeira. “Um monte de gente começou a se sentar. E você pode pensar que só os ‘doidões’ se sentaram, mas não. Havia gente de todo tipo e alguns ficavam ali por mais de uma hora”, conta. Eleonora conta que nem sempre o papo fluía bem e houve silêncios, discussões e questionamentos.

“Chega uma hora que você se torna desconhecido de si mesmo”, avalia.Em outra experiência, a pesquisadora usou apenas dois jarros de prata, um cheio d’água e outro vazio. A performance consistia em ficar passando o líquido de um recipiente para o outro até que toda a água evaporasse. “As pessoas chegavam para ajudar. Às vezes demorava horas e horas pra ação ser concluída”, conta.Eleonora Fabião busca a transdisciplinaridade – não por acaso é formada em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e em Comunicação Social pela PUC Rio. Atualmente, escreve, performa, leciona e vê sempre conexão entre as coisas. “O músculo é que permite escrever, a escrita me leva pra sala de aula, a necessidade de respirar me põe na rua e a rua me leva para a escrita. É um ciclo”, diz a pesquisadora. Em meio a vários artigos, tese de doutorado, esse é o segundo livro da autora, precedido apenas por uma pequena publicação de poemas gráficos.

As histórias não chegam de bandeja para o leitor. A autora usa várias vozes, entre as que escuta durante as performances e a própria. Por vezes, as impressões ficam sobrepostas e é impossível distingui-las. “São fragmentos de cadernos de trabalho onde a palavra não acontece depois da ação realizada, ela é parte da prática”, define a pesquisadora.

A segunda parte do livro é composta por textos inéditos de outros autores de diferentes gerações e nacionalidades. São eles: Bárbara Browning, Pablo Assumpção B. Costa, Adrian Heathfield, André Lepecki, Felipe Ribeiro, Tania Rivera e Diana Taylor. Os escritores foram convidados pela autora para discutir o trabalho. Ela diz que pediu para que eles escrevessem “com o trabalho” e não “sobre o trabalho”. “Não era uma mera intimação para que eles escrevessem sobre o meu trabalho. Eu queria que eles se levassem pelas linhas de força que ele abre e pegassem questões para fazer seu próprio desenvolvimento”, esclarece. Ela usa o exemplo do britânico Adrian Heathfield para ilustrar o que aconteceu. “Ele disse que não conseguiria escrever sem que participasse de uma dessas experiências ao meu lado. Depois de ir para as ruas do Rio de Janeiro comigo, ele escreveu sobre as performances misturando terceira e primeira pessoa, falando como se fosse eu, Eleonora”, conta.

Belo Horizonte é a sexta cidade no mundo a receber o evento de lançamento do livro. A experiência já foi testada em Oslo, na Noruega, em Estocolmo, na Suécia, em Nova York, nos Estados Unidos, além do Rio de Janeiro e São Paulo. Em cada local, ela preparou um evento diferente. “Em BH, vamos fazer uma roda de conversa, mas haverá um convite. Não quero dar mais detalhes”, brinca a autora, enquanto mantém o suspense.

Ações

Lançamento do livro de Eleonora Fabião. Hoje, às 14h. No Espanca! (Rua Aarão Reis, 542 – Centro). Entrada gratuita. Haverá distribuição de exemplares da obra

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS