Publicação digital 'Currey del hall' lança novo olhar sobre história de BH

Projeto criado por escritor João Perdigão utiliza acervo do Arquivo Público Mineiro para dar novo significado a fatos que marcaram a trajetória da capital

por Walter Sebastião 30/03/2016 08:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Reprodução/Currel del hall
(foto: Reprodução/Currel del hall)
Há quatro anos, o escritor, editor e pesquisador João Perdigão, de 38 anos, em parceria com Euler Corradi, lançou o livro O rei da roleta, a incrível vida de Joaquim Rolla (Casa da Palavra), sobre um empreiteiro que era também dono de cassinos, como o que funcionava onde é hoje o Museu da Pampulha. Em paralelo, criou o álbum Tropecassino, com material que havia ficado de fora do livro, trabalhando com colagens, intervenções sobre textos e imagens, numa trama entre o histórico, o ficcional e o artístico. Tropecassino teve tiragem impressa de apenas sete exemplares, mas está disponível na internet.

Enquanto prepara seu novo livro – Viaduto de Santa Tereza (Editora Conceito), previsto para junho – João Perdigão volta às experiências plástico-históricas-literárias com a revista Currey del hall, que, assim como Tropecassino, foi concebida para a internet. Trata-se de uma publicação colaborativa que nasceu de uma oficina conduzida pelo escritor e pelo coletivo 27frames no Arquivo Público Mineiro, no ano passado.

A proposta da oficina era ressignificar fotos e textos que estão no acervo da instituição. O resultado são 36 preciosas páginas construídas com colagens, pintura, gravuras etc., que vão muito além dos tons de cinza dos documentos em arquivo.

“É uma fantasia histórica”, brinca João Perdigão. O fio condutor da revista é a história de Belo Horizonte, segundo ele diz. Tratada em registro cômico, dramático, lisérgico, arquitetônico, ficcional. “A cada dia, podemos ressignificar o livro de história. Cada um tem a sua visão dos fatos. O documento do arquivo não é só do pesquisador”, afirma, avisando que experimentar mexer nesse tipo de informação é um processo muito rico. “Podemos usar as imagens para ressignificar a história do mundo, do Brasil, do bairro, da rua, da família”, diz ele, que considera esse tipo de material “muito refém” de usos acadêmicos, históricos ou midiáticos.

Reprodução/Currel del hall
(foto: Reprodução/Currel del hall)
O projeto original da oficina era fazer a revista em um dia, durante o Noturno dos Museus. Mas, uma semana antes, aproximadamente 20 pessoas já davam trato à proposta, sonhando com um trabalho caprichado. Um encontro entre todos, em 18 de julho, finalizou a publicação. Um acidente (a impressora não funcionou), ocorrido no dia de fechar a revista acabou contribuindo para mais cuidados com os textos e reflexão sobre o projeto. O lançamento de Currey del hall está previsto para o próximo dia 11, às 19h, na sala multiuso do Museu Mineiro, com bate-papo sobre a publicação com o superintendente do Arquivo Público Mineiro, Thiago Veloso, que tem avaliação positiva sobre a revista.

“O trabalho de João Perdigão é fantástico, muito interessante. Coloca em evidência o acervo do Arquivo Público Mineiro, a mais antiga instituição cultural do estado de Minas Gerais”, afirma Veloso. Na opinião do superintendente, Perdigão “dá roupagem nova a fontes primárias que guardamos”. Ele observa que “o Arquivo muitas vezes é lembrado como lugar de referência em pesquisas acadêmicas e probatórias, e João nos mostra que o acervo pode ter outras possibilidades, inclusive como elemento artístico, sem perder o caráter de fonte primária, de documento”.

Sobre as edições física e digital da revista, João Perdigão diz não ver antagonismos entre elas. “São dois mundos”, afirma, observando que as escolhas relacionadas a cada suporte dependem do que se pretende realizar. “A edição física dá alma a uma publicação. Funciona sem energia elétrica, é prática, você pode ler onde quiser, na cama, na cadeira, levar para o mato. É insubstituível”, afirma. “A edição virtual dá onipresença a um produto, faz com que ele chegue a todo mundo e mantém preservado o que se fez, mesmo depois de esgotada a edição física”, acrescenta. Contudo, a edição digital enfrenta um problema, como ele observa: tem gente que não gosta de ler em telas de computador.

O trabalho de João Perdigão tem sido marcado pelo interesse entre pesquisa, edição de arte e animação cultural. Aspectos, para ele, vindos do fato de “ter visto a internet nascer e as redes sociais reorganizando os conteúdos”, além de pertencer a uma “geração com mais relações com a imagem”. Ele edita, com Luiz Navarro e Marcos Batista, a revista A zica, que tem cinco edições feitas entre 2010 e 2014. “Não desenho nada, sou um designer tosco”, afirma, exercitando cultivado gosto pela provocação. “Lapido fragmentos de mineral histórico.”

LIVRE NAVEGAÇÃO


Os trabalhos de João Perdigão estão acessíveis na internet.
Currey del hall (https://issuu.com/urubois/docs/currey_del_hall)

Tropecassino (http://tropecassino.blogspot.com.br/)

Cabaré vil (https://issuu.com/urubois/docs/cabaret_vil)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS