"Nossos políticos são humoristas prontos", diz "casseta" Marcelo Madureira

Humorista afirma que Marcelo Adnet copia seu trabalho, o que o faz sentir "meio roubado"

por Eduardo Tristão Girão 27/03/2016 09:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Vinicius Tamer/Divulgação
(foto: Vinicius Tamer/Divulgação)


Lula ou Sérgio Moro? Qual deles rende a melhor piada? “O Lula, pela bazófia dele. É um cara caricatural, grosseiro, rústico, mal -educado, quase o João Bafo de Onça. O Moro, ao contrário, é aquele cara certinho, catolicão, sempre duro e empertigado. Só que, hoje, o Moro é o ídolo nacional e, para fazer piada com ele, precisa ser muito boa, senão a galera reclama. Mas humorista não pode dispensar ninguém, todo mundo tem de entrar na roda”, afirma o humorista Marcelo Madureira.

Um dos integrantes do coletivo Casseta & Planeta – "o programa ainda não morreu", avisa ele –, o curitibano de 57 anos esteve recentemente em Belo Horizonte para apresentar seu espetáculo solo de stand up comedy, Senhor Casseta, no qual a política permanece na mira. Nesse sentido, mesmo com o noticiário tão carregado, tanta tensão no ar e exaltação geral de ânimos nas redes sociais, fazer humor continua sendo fácil para ele.

"O humorista faz humor em qualquer situação. Quando tem pasmaceira, você faz humor porque tem pasmaceira, por exemplo. Mas é evidente que não há novela da Globo que consiga acompanhar esse ritmo frenético, principalmente nas últimas semanas, com operação Lava-Jato, Zelotes, essa coisa toda. Impressionante. Fica até difícil acompanhar, e as piadas ficam velhas rápido, pois os assuntos vão se sobrepondo. Ninguém fala mais do Aloízio Mercadante, por exemplo, que foi pego com a boca na botija", afirma.

Não é só pelo volume de notícias. É que a internet, na opinião dele, mudou a forma como o público consome humor. “É muito fácil colocar suas ideias no ar, mesmo que elas não tenham acabamento. Aliás, o público nem exige tanto acabamento, pois gosta de boas ideias, boas sacadas. A internet é perfeita para isso. A gente tem de ser rápido, original, criativo. É o grande barato hoje”, analisa. Ele está de olho nos adolescentes e jovens, fatia do público que está amplamente conectada.

Ao ouvir as gravações de conversas entre Lula e a presidente Dilma Rousseff, por exemplo, teve ideias instantaneamente: “Com a divulgação dessas gravações todas, dá para ver que nossos políticos são humoristas prontos. Deu vontade de fazer umas paródias, uns telefonemas falsos imitando a voz do Lula, uns diálogos tipo o Lula pedindo pizza. Seria engraçado, pois ele está louco por uma pizza. Com a internet, você tem muitos graus de liberdade, muita agilidade. É uma vantagem”.

CÓPIA

Mesmo com tanta “matéria-prima”, ele acha que o humorismo político anda escasso no Brasil. “Apesar de vivermos numa democracia, com liberdade de expressão, o governo é o maior anunciante e usa isso para cercear. E os artistas tiveram papel vergonhoso nisso, pois não se posicionaram. E não só os do humor. Os artistas brasileiros, historicamente, sempre foram combativos. Talvez por medo de perder verbas públicas para fazer suas peças, filmes e projetos, não manifestaram opinião política como deveriam e como se fazia antigamente”, diz.

Se há exceções no humor político brasileiro? “Tem o Danilo Gentili, tem eu (risos)”, afirma. Crítico feroz do atual governo, ele garante não querer convencer ninguém por meio de suas piadas e acredita na importância do “confronto de ideias civilizado”. Cita, pelo lado dos que apoiam o PT, o escritor Luís Fernando Veríssimo, o cantor e compositor Chico Buarque e o cineasta Jorge Furtado, que considera donos de “obras espetaculares”. “Politicamente, temos divergências profundas, mas tudo bem. Entretanto, tudo isso tem de vir à luz”, opina.

Curiosamente, Madureira diz acompanhar pouco o humor brasileiro. “Fico vendo outras coisas, de fora do país”, revela. Agamenon, o personagem que mantém com outro casseta, Hubert, é um dos que o fazem rir. Sobre Marcelo Adnet, que recentemente encarnou um Chico Buarque de direita (“Chico Buarque de Orlando”) no programa de TV Tá no ar, alfineta: “Gosto muito do meu trabalho. Sempre o apreciei e é legal vê-lo sendo copiado. Não é culpa do Marcelo. É mais decisão da TV Globo, mas eu me sinto meio roubado”.

Certo de que o Casseta & planeta continuaria se dando bem na TV, emenda: “Éramos campeões de audiência. A competição era muito maior e fazíamos o programa o ano inteiro. Esses caras de hoje fazem temporadas de três, quatro meses”.

TIRO PARA TODO LADO

Stand up comedy é apenas uma das atividades às quais ele se dedica atualmente: viaja para dar palestra (algumas em parceria com o jornalista Guilherme Fiúza), é colunista da revista Veja, criou canal de conteúdo no YouTube, está gravando para o Multishow (série sobre o Casseta & planeta) e quer emplacar programa de viagens no GNT (com Luís Nachbin). É a crise? “Também (risos). O brasileiro, hoje, tem de se virar, né? Não é ‘privilégio’ meu”, responde.

Atualmente, o Casseta & planeta está apenas na internet (atualizado diariamente), após o programa Casseta & planeta, urgente ter sido retirado da grade da TV Globo, em 2010. “É uma pena não estar mais no ar, pois estaríamos nadando de braçada. Justamente porque nossa especialidade é o humorismo político, que praticamente não se faz mais no Brasil, o que é curioso”, diz.

Mês que vem, ele e os demais colegas do coletivo iniciarão as gravações de série para o Multishow. “Vamos contar por que acabou o Casseta & planeta, urgente”, adianta. Paralelamente, acabaram de construir estúdio para melhorar a produção de conteúdo próprio. “Estamos fazendo tudo com nosso dinheiro e, evidentemente, monetizaremos isso. Já ganhamos dinheiro com internet e telefonia e pretendemos ganhar mais.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS