UBE contestará na Justiça proibição da venda de 'Minha luta', de Adolf Hitler

Segundo Durval de Noronha Goyos Jr., presidente da União Brasileira de Escritores, decisão viola o direito constitucional à informação

por Shirley Pacelli 05/02/2016 14:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

O Cruzeiro/EM/D.A Press
'Minha luta' é autobiografia do líder nazista Adolf Hitler (foto: O Cruzeiro/EM/D.A Press )
Completados os 70 anos da morte de Adolf Hitler, a obra Minha luta do líder nazista entrou em domínio público e já é alvo de debates acalorados na sociedade. Nessa quarta-feira, 3, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro proibiu a comercialização, exposição e divulgação do livro. Em resposta, a União Brasileira de Escritores divulgou nota oficial afirmando que contestará na Justiça a proibição. “Vamos entrar com um processo como amicus curiae para reverter isso”, diz Durval de Noronha Goyos Jr., presidente da UBE.

Fundada em 1942, a UBE é uma das entidades de escritores mais antiga no Brasil. “Estamos estupefados com essa decisão da 23ª Vara Criminal do Rio a respeito da obra Minha luta. Isso porque a decisão viola o direito constitucional à informação”, afirma Goyos.

Goyos ressalva que a UBE repudia as ideias presentes no livro, mas defende a liberdade de acesso a todas essas informações. “A publicação pode tanto evitar a repetição dos dramáticos acontecimentos, como assegurar o registro histórico”, explica.

Para o presidente, é um “grande exagero” o argumento de que a comercialização da obra poderia dar força ao movimento neonazista no país. “Não se pode aceitar a tutela do estado na consciência do leitor”, defende.

 

Ele destaca que a UBE é contra a tentativa de censura. “Nós temos a honra de ter combatido o nazismo. Mandamos homens. Temos isso na consciência nacional. O povo que exigiu nas ruas”, diz.

Segundo Goyos, em breve a entidade deve buscar apoio de outros órgãos, como a Ordem dos Advogados do Brasil. Ele diz que o movimento contra a comercialização do livro está buscando alcance nacional. “Isso é uma aberração”, resume.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS