Mesmo em grave crise econômica, mercado editorial brasileiro se desenvolve

Autores brasileiros continuam participando em peso das principais feiras internacionais, que impulsionam a economia do livro

por Correio Braziliense 02/12/2015 09:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Emerson de Oliveira
Última Bienal do Livro de Belo Horizonte, em 2014, reuniu mais de 250 mil pessoas (foto: Emerson de Oliveira)
Poucos diriam que a crise financeira, que ainda preocupa vários setores da economia brasileira neste ano, contribuiria para o desenvolvimento do mercado editorial no país. Os dados divulgados pelo Sindicato Nacional dos Escritores apontou aumento no faturamento em 3,9%. A crise econômica fez com que algumas categorias de livros se destacassem mais que outras.


O desgaste que causou desempregos e instabilidade impulsionou a procura por publicações de autoajuda, especialmente os que orientam a como agir diante de um mercado de trabalho ainda mais inacessível. Títulos voltados para o entretenimento rápido e mais interativos — livros para colorir, recortar, anotar — também estão em alta e garantem as cifras nos caixas das livrarias.

 

De acordo com Ismael Borges, coordenador do setor editorial da Nielsen — empresa responsável por pesquisas de consumo —, o mercado de livros responde de uma maneira diferente às crises, quando comparado a outras indústrias tradicionais, como a automobilística. “Na crise, o livro se torna uma alternativa de entretenimento e lazer economicamente alcançável e altamente viável. Ao mesmo tempo, ele é instrumento de desenvolvimento pessoal”, acredita.

 

Para ele, é possível colocar na avaliação dois aspectos do desenvolvimento pessoal. “Um tem teor acadêmico e profissional; e a outro é voltada mais para autoajuda mesmo. São conteúdos que as pessoas vão atrás para lidar com sistemas de crise. Então, diferente das outras indústrias, o livro tem essa dinâmica”.

 

Mercado internacional

Os autores brasileiros continuam participando em peso das principais feiras internacionais, que impulsionam a economia do livro. Ismael Borges destaca que o mercado brasileiro é berço de oportunidades. “Sabe-se muito bem que a infiltração do livro no Brasil ainda é muito pequena, quando comparado aos países desenvolvidos. E por isso mesmo é um berço de oportunidades porque tem muito espaço para crescer. Para mim, esse é principal elemento relevante quando a gente para fazer essa comparação. Existe muito potencial de crescimento, mais que outros locais do mundo.”



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS