UFMG faz seminário sobre exílio com presença de Girma Fataye na próxima segunda

Belo Horizonte se prepara para ser cidade abrigo de escritores perseguidos

por Walter Sebastião 03/11/2015 12:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Matej Pusnik/Divulgação
O poeta e jornalista Girma Fataye (foto: Matej Pusnik/Divulgação)
Chama-se A escrita, o exílio e a casa, o seminário que vai ser realizado na próxima segunda-feira, dia 09, no auditório Cad 2, no campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Trata-se de atividade preparatória para que a insitituição se torne, no segundo semestre de 2016, mais um apoio a International Cities of Refuge Network (ICORN), programa internacional de abrigo a escritores que vivem sob ameaça de morte ou tortura. A programação começa às 9h, com a presençaa da norueguesa Elizabeth Syvik, coordenado do ICORN, e Sylvie Debs, a representante da rede no Brasil, além de diretores da UFMG. A programação, que termina as 18h30, prevê debates depoimentos, mesas redondas, projeção de filmes, leituras de poemas.

Entre os convidados internacionais estão o poeta e jornalista Girma Fataye, que vai ser abrigado por quatro meses, na residência para professores convidados da UFOP; a cineasta Marion Stalens e a escritora Saada Fathy. “Precisamos ampliar a rede de casas abrigos no mundo”, conta Sylvie Debs observando que a perseguição a artistas e intelectuais tem crescido no mundo. A previsão, conta, é que até 2016, a UFMG receba um escritor, que ganhara bolsa e ficara dois anos na cidade atuando no setor cultural.

“O abrigo a escritores não é caridade”, frisa Sylvie Debs. “São pessoas com bagem cultural grande e que oferecem muito as cidades que os acolhem”, acrescenta lembrando que a inserção na vida cultural é item considerado pelo ICORN. Já houve cidades, recorda, que abrigaram dramaturgos inserindo-os em grupos de teatro locais e, outras, em que o escritor trabalhou em organização de seminários de ciências socias. Houve ainda, lembra, exilados que escolheram trabalhar com imigrantes ou  midiatecas das instituições. O ICORN foi estruturado a partir de 2006, começou com 15 cidades, grande s e pequenas, e hoje conta com 53 localidades.


A escrita, o exílio e a casa

Na próxima segunda-feira, 9 de novembro, a partir de 9h. Debates, projeção de filmes, leitura de poemas. Auditório Cad 2, Campus da UFMG, Pampulha. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS