Peça discute papeis sociais de homens e mulheres

Logo no início do espetáculo, público é convidado a se dividir em grupos por gênero

por Estado de Minas 07/05/2015 10:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Flávio Charchar/DIVULGAÇÃO
Cena de 'Rosa choque', dirigido por Cida Falabella, em cartaz no Galpão Cine Horto (foto: Flávio Charchar/DIVULGAÇÃO)
O primeiro convite feito ao público que chega para ver 'Rosa Choque', espetáculo em cartaz no Galpão Cine Horto, é que se organize em duas filas distintas. Do lado esquerdo as mulheres; do direito, os homens. Começar segregando não é ser gratuito nesse caso. É também uma forma de inserir o espectador na dramaturgia do espetáculo, protagonizado pelos atores Cris Moreira e Guilherme Théo.

O que pesa aqui são as diferenças entre homem-mulher, por mais que muitas vezes elas passem despercebidas na sociedade. Em tom “inocente”, as primeiras diferenças de gêneros são postas, seja no texto ou na encenação. Mesmo que seja óbvio, mostra-se de cara que os corpos são distintos. E ainda há o comportamento. Com a menina  atua-se de um jeito e com o rapazinho, de outro. Sempre foi assim. E assim ainda é.

Se Assis Benevenuto e Marcos Coletta exploram essa dicotomia no texto, Cida Falabella amarra o discurso criando uma cena a seu serviço. Há ficção, teatro-documentário e também biográfico. Os gêneros cênicos se embolam e desse emaranhado de histórias e experiências sobressai uma ideia: como somos padronizados em relação ao gênero. Há necessidade de ainda ser assim? Haveremos sempre de queimar sutiãs?

Cris Moreira e Guilherme Théo interpretam-se a si mesmos e a muitos outros. A troca de papéis demanda versatilidade para responder aos estímulos levados para a cena. Théo demonstra mais destreza no exercício das nuances. Vídeo, luz e figurino complementam o trabalho dos atores na composição da cena. Em tal exercício, o poder da imagem é superestimado e o teatro, em alguns momentos, se faz em função dela. É um detalhe na montagem que tem na lucidez da mensagem seu ponto alto.

Rosa choque
Sexta e sábado, 21h; domingo, 19h. Galpão Cine Horto. Rua Pitangui, 3.613, (31) 3481.5580. R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Até dia 17.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS