Inhaúma prepara o processo que tomba arte em cerâmica produzida na cidade

Herança cultural do município foi deixada por índios

por Walter Sebastião 13/03/2015 09:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Acervo pessoal
Peças criadas por Cleusa de Jesus, artesã de Inhaúma, cidade da Região Central de Minas Gerais (foto: Acervo pessoal )
A cerâmica produzida em Inhaúma, na Região Central do estado, vai ser tombada. Está prestes a ser concluído o dossiê que dá fundamento ao registro em livro de tombamento da arte em barro feita na cidade, a 90 quilômetros de BH. “A importância desse documento é sacramentar a proteção e o resgate de uma prática que faz parte da história do município. Isso nos permitirá conseguir mais verbas para o setor vindas do ICMS Cultural”, explica José Geraldo Dutra, assessor de Patrimônio Cultural e Turismo de Inhaúma. Por meio desse mecanismo, o governo do estado repassa recursos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a projetos ligados ao patrimônio.

O levantamento de dados sobre o artesanato de Inhaúma, a cargo dos historiadores Cláudio Diniz, Arnon Romano e Wanderson Martins, deve ser concluído até julho. Cláudio Diniz explica que a cerâmica está na origem do nome da cidade: a palavra indígena nha-u significa barro. Ainda hoje, a tinta vermelha usada na pintura de algumas panelas é feita a partir da terra de formigueiro, herança dos povos autóctones que habitaram a região. “Isso demonstra a longevidade desse artesanato e sua importância na constituição da identidade e da memória locais”, observa o historiador.

Atividade familiar praticada há quatro gerações, a cerâmica teve importância econômica para a cidade até o início da década de 1980. Porém, a partir dos anos 1990 ela vem desaparecendo. A redução do número de artesãos se deve ao aumento do consumo de produtos de plástico, “processo intensificado com o surgimento das lojas de R$ 1,99”, conta Diniz. As peças deixaram de ser utilitárias para se tornar decorativas. “O desafio é encontrar uma forma de valorizar comercialmente a arte em barro, de forma que ela gere renda e trabalho, atraia aprendizes e preserve a tradição”, argumenta o pesquisador.

Clauzilene de Paula, de 43 anos, faz cerâmica desde os 18. Aprendeu a técnica com a mãe. “O artesanato está no meu sangue. Ele vem da raiz, da alma. Isso é muito lindo”, diz, preocupada com o futuro da atividade. “Os filhos não se interessam em continuar o ofício dos pais por falta de apoio. Estou feliz com a iniciativa do tombamento, porque vejo alguém querendo fazer algo por nós e pela continuidade de uma tradição”, afirma.

Segundo ela, faz falta uma casa do artesão na cidade, espaço destinado a divulgar o ofício. “O pessoal de Inhaúma deve valorizar mais o nosso artesanato. As pessoas não percebem o carinho com que realizamos nosso trabalho”, protesta. Clauzilene conta que chegaram a chamar suas peças de pelotas de barro. “Foi doloroso, mas em outros lugares me abraçaram pelo que eu criava”, conclui.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS