Gastronomia conquista espaço na TV e no cinema

GNT reestreia dois programas hoje e o filme Chef está em cartaz em três salas de BH

por Mariana Peixoto 21/08/2014 08:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
IMAGEM FILMES/DIVULGAÇÃO
No filme 'Chef', Carl Casper (Jon Favreau) precisa recuperar o prestígio profissional e o amor do filho (foto: IMAGEM FILMES/DIVULGAÇÃO)
Contratado a peso de ouro pelo dono de um restaurante badalado de Los Angeles, o chef Carl Casper (Jon Favreau) já viveu dias melhores. Execrado por um prestigiado crítico gastronômico, Ramsey Michel (Oliver Platt), em seu blog após um jantar em que não fez mais do que repetir pratos consagrados, começa uma guerra virtual com ele. Sem saber como manejar as ferramentas, um tweet acaba precipitando uma briga pública que se torna um viral. Do virtual, a discussão chega ao mundo real e Casper se vê, de uma hora para outra, sem emprego, sem prestígio e sem saber o que fazer. Favreau, que faturou milhões com a franquia Homem de Ferro (dirigiu os dois primeiros filmes e encarnou Happy Hogan, fiel escudeiro do super-herói vivido por Robert Downey Jr.), fez em Chef, em cartaz em três cinemas de BH, um filme pessoal. A culinária é o ponto de partida para uma narrativa despretensiosa, com lances de road movie, que fala sobre relação pai e filho, a velocidade do mundo 2.0 e sobre como tornar a vida mais simples.

saiba mais

Não é muito diferente, nesse sentido, de outros filmes que tiveram a culinária como pano de fundo: a mocinha do romance Como água para chocolate (1992) faz dos próprios pratos um reflexo de seus sentimentos; a cozinha elaborada de A festa de Babette (1987) acaba se tornando contraponto da vida quase espartana vivida pela protagonista da produção dinamarquesa. No caso de Chef, Favreau, com leveza e alguma ingenuidade, alia os dotes gastronômicos de seu personagem à comédia (da qual é mestre), ajudado por coadjuvantes de peso: Downey Jr., Dustin Hoffman, Scarlett Johansson e Sofía Vergara. Ainda faz várias menções ao mundo real. Não à toa, o temido blogueiro vivido por Oliver Platt se chama Ramsey, óbvia referência a Gordon Ramsey, o chef escocês que sabe cozinhar tão bem quanto tratar mal os participantes dos reality shows da TV (Hell’s kitchen é o mais conhecido deles).

Espelho do interesse e valorização que a gastronomia ganhou neste século, a televisão vem explorando como nunca o filão. No Brasil, os tradicionais programas de variedades sempre apostam em um ou mais quadros: da campeã de audiência das manhãs, Ana Maria Braga, que criou até seu próprio reality, ao galã da meia-idade Ronnie Von (sem falar da figuraça Palmirinha), todos focam uma audiência ampla com receitas ao alcance de qualquer um. Mas foi na TV paga, com sua programação mais segmentada, que o programa de culinária se desdobrou em uma série de atrações que vão além da feitura de uma iguaria.

FRANÇOIS DUHAMEL/DISNEY/DIVULGAÇÃO
Carolina Ferraz vai comandar, a partir do mês que vem, um programa de receitas na TV paga (foto: FRANÇOIS DUHAMEL/DISNEY/DIVULGAÇÃO)
Reinvenção 
Com um misto de culinária, comportamento, cultura e turismo, o GNT fez da gastronomia um dos seus pontos altos. Somente de produções nacionais, o canal, campeão de atrações no gênero, exibe atualmente seis atrações, que vão totalizar sete a partir do próximo mês com a estreia de Receitas da Carolina, protagonizado pela atriz Carolina Ferraz. Hoje, entram no ar as novas temporadas dos programas dos dois chefs franceses que há mais tempo estão no canal: Olivier Anquier (com o reality show Cozinheiros em ação) e Claude Troisgros (que nos novos episódios do Que marravilha! vai se dedicar a risotos e sobremesas).

“Os programas nacionais têm a vantagem de falar diretamente da nossa herança gastronômica, da nossa cultura, com ingredientes disponíveis no mercado e pratos que muitos reconhecem, mas nem sempre sabem como preparar”, afirma Mariana Novaes, gerente de marketing do canal. Isso porque ele também exibe programas das estrelas mundiais do gênero Jamie Oliver, Nigella e o já citado Gordon Ramsey.

De acordo com dados do Ibope, entre janeiro e julho, 21 milhões de pessoas assistiram aos programas de culinária do GNT. E todos os nacionais figuram entre os 15 mais vistos do canal pago. A repercussão acaba gerando outros produtos com os mesmos chefs. Claude Troisgros já lançou dois livros com receitas apresentadas no Que marravilha!. Caçulas entre os apresentadores-chefs, Rodrigo Hilbert e Bela Gil também já editaram em livro seus programas, Tempero de família e Bela cozinha, respectivamente. “A palavra-chave é reinventar-se. Existem várias formas de tornar o tema atrativo para quem gosta de cozinhar e até para quem não gosta. O Claude Troisgros, por exemplo, está completando 10 anos no canal e essa longevidade está relacionada às mudanças em seus programas que renovaram o interesse do telespectador”, finaliza Mariana Novaes.

GNT/Divulgação
Claude Troisgros está de volta hoje no GNT com o 'Que marravilha!'. Com o ajudante Batista, vai preparar risotos e sobremesas (foto: GNT/Divulgação)
Na telinha


Estreiam hoje, no GNT, as novas temporadas de Cozinheiros em ação (às 20h30), reality show com Olivier Anquier com chefs não profissionais que se enfrentam em provas que têm comida caseira como base; e Que marravilha! Risotos e sobremesas (às 21h30), em que Claude Troisgros e o assistente Batista vão ensinar o fazer um tipo de risoto e uma sobremesa a cada episódio.

Cinco filmes de dar água na boca

»  A festa de Babette (1987)
Vencedor do Oscar de filme estrangeiro, a produção dinamarquesa aposta numa culinária sofisticada ao contar a história de uma mulher simples que vive num vilarejo no final do século 19. Depois de trabalhar 14 anos na casa de duas solteironas, ela se descobre milionária graças a um bilhete de loteria. Para comemorar, decide fazer um banquete pelo centenário do pastor, pai de suas patroas.

»  Como água para chocolate (1992)
A culinária mexicana e sua explosão de sabores serve como metáfora da história da caçula de uma família que é proibida de se casar com o homem que ama, prometido, seguindo as tradições, para sua irmã mais velha.

»  Ratatouille (2007)
Vencedor do Oscar de animação, conta a história de um simpático ratinho, Rémy, que vive em Paris e sonha em se tornar uma estrela da cozinha.

»  Julie & Julia (2009)
Autora de livros de culinária e apresentadora de TV que marcou época, Julia Child é revivida nesta comédia dramática que mostra a vida dela em contraste com a de Julie Powell, nova-iorquina que aspira a cozinhar, em um ano, as 524 receitas da bíblia gastronômica escrita por Child.

»  Soul Kitchen (2009)
Deliciosa comédia alemã sobre um dono de restaurante que enfrenta problemas: precisa de dinheiro e de clientes e ainda reconquistar a namorada. Resolve deixar o comando do restaurante nas mãos do irmão, que acaba de sair da cadeia. A trilha sonora é também de lamber os beiços.

FRANÇOIS DUHAMEL/DISNEY/DIVULGAÇÃO
(foto: FRANÇOIS DUHAMEL/DISNEY/DIVULGAÇÃO)
Vem aí


Outra produção sobre culinária que chega aos cinemas em breve é A 100 passos de um sonho, com estreia prevista para o dia 28. No Sul da França, uma família indiana que abre seu próprio restaurante (Maison Mumbai) se estranha com a mulher à frente de um estrelado restaurante de culinária francesa (Le Saule Pleureur). O elenco é encabeçado pela britânica Helen Mirren e a direção é do sueco Lasse Halttström, que em 2000 fez todo mundo sair do cinema direto para a primeira casa de doces com o açucarado Chocolate.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS