Global Bianca Muller apresenta novo trabalho cinematográfico em Tiradentes

Uma das estrelas da novela A lei do amor, atriz esteve na 20ª Mostra de Cinema na cidade histórica com o filme A repartição do tempo

por Ana Clara Brant 27/01/2017 09:00
Luciana Melo/Divulgação
Aos 26 anos, atris divide a carreira entre cinema e TV (foto: Luciana Melo/Divulgação)
Quando a Mostra de Cinema de Tiradentes surgiu, em 1998, a atriz paulista Bianca Müller tinha apenas 8 anos. Foi por volta dessa época que ela começou a estudar teatro. A carreira foi deslanchando, mas o primeiro filme só veio em 2012, com Boa sorte, meu amor, escrito e dirigido por Daniel Aragão.

Com alguns longas no currículo –  Amor em Sampa, de Carlos Alberto Riccelli, e O escaravelho do diabo, de Carlo Milani –, Bianca esteve no fim de semana na cidade histórica pela primeira vez, para apresentar seu mais recente trabalho na telona, a aventura A repartição do tempo, que tem traços de história em quadrinhos.

Ela aproveitou uma brecha nas gravações de A lei do amor, em que interpreta Analu, neta de Fausto (Tarcísio Meira) e Magnólia (Vera Holtz), e colocou o pé na estrada. “Foi um bate e volta, mas achei a cidade linda e parecida com alguns lugares que eu gosto muito como São Thomé das Letras (MG) e Paraty (RJ). Adoro esse tipo de arquitetura, esse jeito mais rústico, essas pedras, e o fato de estar perto da natureza”, destacou Bianca. Na visita ao evento que abre o calendário audiovisual do país, Bianca estava acompanhada do diretor Santiago Dellape, que também é seu namorado.

A produção – exibida no Festival de Brasília e na Mostra Internacional de São Paulo – foi aplaudida de pé em Tiradentes. A história se passa na capital federal, no começo da década de 1980. O Registro de Patentes e Invenções (Repi) acaba de ser capa de uma importante revista nacional, que o coloca como exemplo da burocracia existente no governo. Lisboa (Eucir de Souza), o chefe do departamento, não gosta nem um pouco da reportagem e decide cobrar atitude de seus funcionários, que fazem de tudo menos trabalhar. Paralelamente, o  doutor Brasil (Tonico Pereira) deseja patentear uma máquina do tempo. Ele deixa o aparelho no Repi e, ao ser colocado no estoque, Jonas (Edu Moraes) acidentalmente o aciona e, consequentemente, volta no tempo. Ao descobrir o ocorrido, Lisboa elabora um plano para obrigar os funcionários a trabalhar de fato, mesmo que seja preciso mantê-los cativeiro.

Bianca Muller faz a mocinha Carol por quem o protagonista Jonas é apaixonado. “O filme é quase uma tiração de sarro, uma crítica a um chefe bem babaca, que é o lado negro da força. As pessoas que estão assistindo têm gostado bastante. É um filme bem diferente de tudo que eu já vi no cinema nacional. Tem essa coisa da fantasia, o que não é muito comum no Brasil”, defende a atriz. Ela acrescenta que A repartição do tempo se aproxima um pouco da temática de O homem do futuro, estrelado por Wagner Moura e Alinne Moraes, porém, tem  mais clima de aventura. “É uma crítica leve, a gente precisa de um humor mais ácido no cinema porque já está tudo tão difícil”, opina. Durante o carnaval, o filme vai participar do 37° Fantasporto, em Portugal, um dos principais festivais de cinema fantástico do mundo e só deve chegar ao circuito comercial brasileiro no segundo semestre.

NOVELA

Após ter atuado nas séries Sessão de terapia (2012), no GNT, e O rebu (2014), Bianca estreou em novelas no ano passado, numa trama das 21h da TV Globo. Ana Luiza Leitão é a filha mais nova de Hércules (João Vitor Silva/Danilo Granghéia) e Carmen (Bianca Salgueiro). Inteligente, questionadora, sagaz, ela quer ser documentarista e fazer o curso de cinema. Filma diversos momentos constrangedores e comprometedores de sua família, e pretende fazer um longa-metragem. A personagem, tida como uma espécie de detetive, acabou se tornando grande amiga e aliada do tio, Pedro (Reynaldo Gianecchini), na busca pela verdade. “É a primeira vez que trabalho com obra aberta, não sabe o que vai acontecer. E, ao contrário de agora, n’O rebu e em Sessão de terapia, por exemplo, eu recebia e já sabia todo o gráfico da minha personagem. A gente trabalha com ansiedade, com a necessidade de controle, é um desafio. No começo, achei bem difícil, mas agora estou mais adaptada”, diz.

A artista revela que fazer parte do folhetim global – que termina em 31 de março – tem sido uma experiência enriquecedora, pela convivência e aprendizado. “Temos um elenco bem afinado e generoso, sem contar que há uma mistura de atores mais jovens e mais experientes. Para quem está começando, há um certo receio, mas a gente foi recebido com muito amor e está sendo ótimo”, festeja.

Casa da Mostra

Uma das novidades da 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes, que termina amanhã, é a Casa da Mostra. Funcionando na Rua Direita, foi idealizada para ser um centro de formação, capacitação, disseminação de informações, experiências do setor audiovisual e lugar de encontro, pesquisa e produção do conhecimento do fazer cinematográfico de Minas Gerais, disponibilizando para consulta catálogos, livros, objetos, áudios de debates, imagens em vídeo e fotografia em um espaço expositivo de pesquisa e formação. O público poderá ainda conhecer a história do cinema, em especial, do cinema brasileiro produzido nos últimos 20 anos e que passaram por Tiradentes. As atividades vão prosseguir mesmo após o fim do festival.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA