Ex-VJ Marina Person protagoniza filme 'Canção de volta'

Longa dirigido por Gabriel Rosa de Moura, marido da atriz e cineasta, discute obsessões e impasses no casamento. Trama foi rodada no apartamento do casal

por Pedro Galvão 03/11/2016 08:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Mira Filmes/divulgação
João Miguel e Marina Person em 'Canção de volta' (foto: Mira Filmes/divulgação)
Em um tempo não muito distante, quando pouco se conhecia o YouTube no país, algumas das figuras mais populares entre os jovens brasileiros eram os VJs do canal MTV Brasil. Apresentadores de linguagem e vestuário superdescolados, rapazes e moças se tornaram gurus do comportamento e das tendências pop.


Uma das preferidas do público era Marina Person. Com muita simpatia e jovialidade, ela esteve à frente de diversas atrações da emissora entre 1999 e 2011, quando deixou a MTV para comandar programas na TV Cultura e no Canal Brasil, além de se dedicar a outros projetos. O resultado de um deles é o longa Canção da volta, que estreia nesta quinta (3) nos cinemas de BH, trazendo a ex-VJ pela primeira vez em um papel principal na telona.

Apesar da novidade, a sétima arte sempre fez parte da vida dessa paulistana de 47 anos. Formada em cinema pela Universidade de São Paulo (USP) e filha do diretor Luís Sérgio Person, ela participou de outras produções e dirigiu o longa Califórnia, lançado no fim de 2015. Os laços de Marina com as câmeras se fortaleceram depois do casamento com o documentarista Gabriel Rosa de Moura, que, pela primeira vez, dirige um longa ficcional.

Canção da volta, parceria cinematográfica de Marina e Gabriel, conta o drama dos personagens Julia (vivida por ela) e Eduardo (João Miguel). O casal atravessa uma crise marcada pelos transtornos psicológicos dela, que resultam em uma tentativa de suicídio, e o comportamento controlador dele, que vira obsessão doentia. No meio do furacão estão o filho adolescente Lucas e a caçula Maria.

A construção do personagem Eduardo contou com a experiência e o reconhecido talento de João Miguel, premiado dentro e fora do Brasil pelas atuações em Cinema, aspirinas e urubus (2005), Estômago (2007) e Se nada mais der certo (2008). Por sua vez, Julia precisou da desconstrução, por parte de Marina Person, da apresentadora alegre e divertida dos programas Supernova, Menina veneno e Piores clipes do mundo.

“A personagem é muito diferente de mim. Foi um grande desafio fazer as pessoas esquecerem aquela imagem de VJ da MTV para dar vida a alguém que sofre tanto na batalha contra os próprios demônios”, explica Marina, que buscou ampliar o conhecimento sobre o suicídio para interpretar Julia: “É muito difícil entender o que leva uma pessoa a cometer um ato tão extremo, é uma coisa muito pesada. Li Deus selvagem (livro de A. Alvarez), que fala sobre vários casos de suicídio, e também sobre essa atração que ele tem sobre a imaginação das pessoas”.

Se a ficção mostra a história de um casal que não se entende, para contá-la a parceria entre diretor e atriz foi fundamental para enfrentar os ineditismos de Canção da volta. “Precisávamos muito da confiança um do outro. Nossa intimidade como casal e a parceria que já trazíamos de outras produções ajudaram a criar aquela proteção de sempre poder ser sincero e trabalhar com calma, confiando no outro, sabendo que o outro estaria lá, verdadeiramente, de corpo e alma, para o que precisasse”, explica Gabriel. Foi ele o produtor de Califórnia, dirigido por Marina. Os dois são sócios na produtora Mira Filmes.

ONDA HIPPIE O desafio talvez tenha sido maior para Marina. Além da complexidade da personagem – mãe, esposa, depressiva e suicida –, o roteiro reservou à atriz estreante cenas de nudez e de sexo, geralmente complicadas até para os mais experientes.

“No começo, é meio tenso ficar nua no set, não tenho facilidade em fazer isso, mas depois foi libertador. Entendi que era natural e aí bateu uma onda hippie. A pessoa que poderia ficar mais preocupada, o Gabriel, era justamente quem mais incentivava e dava força para eu me soltar. Então, foi tranquilo”, brinca a atriz. Ela teve a difícil missão de atuar mais com o corpo do que com as palavras.

A história é marcada pela mistura de sentimentos. A maioria das cenas se passa no apartamento do casal, em São Paulo, o mesmo onde vivem Marina e Gabriel. Julia e Eduardo acreditam ser apaixonados um pelo outro e procuram demonstrar isso de várias formas. Por outro lado, incertezas e inseguranças do casal se manifestam em diferentes momentos, geralmente de forma oposta por parte de cada um.

O resultado final é uma trama com certo tom de mistério, consequência da angústia dos dois personagens – especialmente do marido, em sua busca desesperada e quase abusiva por compreender e, ao mesmo tempo, controlar a mulher.

 

Com produção simples, poucas locações, algumas alongadas cenas silenciosas e sem ação, o longa aposta nos diálogos e nas expressões dos atores para conquistar e, de alguma forma, mexer com o público.

“É um filme muito sensorial, que não pretende dar conselhos ou passar mensagem muito direta. O objetivo é pôr as pessoas para pensar, sentindo um pouco daquela angústia e daquele mal-estar do personagem, que não consegue aceitar a diferença do outro”, explica Gabriel Rosa de Moura. Ele conta ter se inspirado em filmes como Uma mulher sob influência (1974), de John Cassavetes, para criar a história, batizada com o título de uma canção de Dolores Duran.

CANÇÃO DA VOLTA

(Brasil, 2016, 90min)  
Direção: Gustavo Rosa de Moura. Com João Miguel e Marina Person. 14 anos.
. Belas Artes 3, 14h, 15h40, 20h
. Cine 104, 19h

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA