'O roubo da taça' faz rir com história sobre o destino da Jules Rimet

Comédia de Caíto Ortiz, que levou quatro troféus no Festival de Gramado, é estrelada por Paulo Tiefenthaler e Taís Araújo

por Pedro Galvão 08/09/2016 08:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Catarina de Sousa/divulgação
(foto: Catarina de Sousa/divulgação)
Depois de julho de 2014, há quem diga que “7 a 1 foi pouco” diante das mazelas do futebol e da sociedade brasileira, tantas vezes indissociáveis. De fato, nosso arcabouço de trapalhadas é vasto. Se ficou difícil lembrar vexame maior do que a goleada aplicada pela Alemanha no Mineirão, o cinema nacional acaba de resgatar uma das mais icônicas delas em O roubo da taça, que estreia hoje na Grande BH.

A história que serviu de roteiro para o diretor Caíto Ortiz começou a ser escrita em dezembro de 1983, quando a Taça Jules Rimet, cuja posse definitiva fora conquistada com o tricampeonato mundial no México, em 1970, foi roubada da sede da atual Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro. Inacreditavelmente, a réplica ficava no cofre, enquanto a original, de ouro, era exposta atrás de um vidro facilmente violável.

Depois da intensa mobilização das autoridades responsáveis, envolvidos e suspeitos foram presos e a versão oficial dá conta de que o troféu acabou derretido por um ourives argentino. No entanto, pouco se provou a respeito e nenhuma evidência foi encontrada até hoje. Restou aos brasileiros o registro tragicômico de que fomos a única nação capaz de conquistar a taça no campo, mas não conseguimos evitar que a surrupiassem dentro da CBF.

O roubo da taça conta essa história, aproveitando-se do mistério e das contradições do caso para criar a sua própria versão. A personagem principal, supostamente, é Dolores, interpretada por Taís Araújo. Ela narra os acontecimentos do ponto de vista da mulher de um dos ladrões, o Peralta, papel de Paulo Tiefenthaler – de fato, é ele o centro das atenções, dando ritmo ao filme.

Tiefenthaler, cujo potencial cômico já era conhecido no programa Larica total, do Canal Brasil, faz o tipo do malandro mequetrefe. Acha-se muito esperto, mas sempre acaba se enrolando. Cheio de dívidas de jogo e com cobradores em seu encalço, topa a proposta do amigo Borracha (Danilo Grangheia) de roubar a Taça Jules Rimet.

CARTOLA

Peralta – sobrenome de um dos acusados do crime na vida real – era aspirante a cartola e vivia circulando pela sede da CBF, o que facilitou o plano do furto. A comédia se inspira nos episódios posteriores ao roubo. A maioria deles veio da versão oficial sobre o crime.

As tentativas atrapalhadas de vender a taça, inclusive para gente que lamentava profundamente o roubo do objeto de orgulho nacional, como o ourives interpretado pelo funkeiro Mr Catra, a investigação travada pelo detetive Cortez (Milhem Cortaz), a imbecilidade do presidente da CBF (Stepan Nercessian) e o despreparo dos ladrões para lidar com a situação são as grandes piadas.

O filme funciona como crítica bem-humorada à ingenuidade nacional, tanto por ter a Taça Jules Rimet como objeto de tamanho orgulho, a ponto de mobilizar as Forças Armadas para encontrá-la, quanto por não conseguir protegê-la nem sequer de ladrões amadores.

Em seu segundo filme de ficção – também dirigiu o documentário Motoboys vida louca, premiado na Mostra de São Paulo, em 2003 –, Caíto Ortiz consegue contar uma história engraçada e já conhecida, evitando alguns lugares-comuns da comédia brasileira contemporânea, mas sem escapar totalmente de alguns deles, como closes desnecessários na personagem feminina e algumas piadas repetitivas. Nada que o impedisse de conquistar, em março, o público no festival South by Southwest, no Texas (EUA), onde conquistou o prêmio de melhor filme pelo júri popular.

GRAMADO


Sem exagerar na produção, que contou com a parceria da Netflix, o filme é simples, discreto, objetivo e apresenta uma caracterização benfeita dos anos 1980. No Festival de Gramado, encerrado no último fim de semana, o longa levou os prêmios de melhor fotografia e direção de arte. A atuação de Paulo Tiefenthaler lhe rendeu o Kikito de melhor ator.

No festival gaúcho, o filme também teve o roteiro premiado, assinado por Lusa Silvestre (Estômago). Garantiu quatro troféus para a história da taça roubada, que tentará conquistar o público partir de hoje.

Na segunda-feira, a comédia de Caíto Ortiz foi incluída na lista das 16 produções que disputarão a chance de representar o Brasil na briga por uma vaga no Oscar de filme estrangeiro em 2017.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA