Filmes de Neville d'Almeida e Vera Egito abordam impasses e contradições da juventude

Liberdade sexual, amor, drogas, solidão e cinismo desafiam a nova geração da classe média brasileira

por Ana Clara Brant 24/05/2016 08:18

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gianfranco Briceno/divulgação
(foto: Gianfranco Briceno/divulgação)

De um lado, o cinema marginal de Neville d’Almeida e seus quase 50 anos dedicados às telas. De outro, a debutante em longas-metragens Vera Egito. Em comum, filmes sobre a juventude brasileira. Enquanto A frente fria que a chuva traz, do veterano mineiro, mostra um grupo de jovens ricos que promove festas regadas a sexo e drogas numa favela carioca, na comédia dramática Amores urbanos Vera conta a história de três amigos, em São Paulo, às voltas com a liberdade e o amadurecimento.

Os jovens de Neville são rebeldes sem causa – vazios, sem limites e apegados ao poder do dinheiro. Os jovens de Vera são anti-heróis – com humor e atitude superam desventuras amorosas e profissionais.

Neville d’Almeida conta que há sete anos está envolvido com o projeto de A frente fria..., baseado na peça homônima do dramaturgo Mário Bortolotto. A narrativa reflete o comportamento dos jovens da classe dominante brasileira, explica o diretor.

“São pessoas que não têm ideal, nenhum objetivo, estão totalmente perdidas. Sem contar que não têm sensibilidade alguma, seja social, cultural, ética, moral ou espiritual. Eles apenas têm dinheiro, acham que podem comprar tudo e todos”, comenta Neville.



O cineasta lamenta o fato de esse comportamento se tornar cada vez mais frequente tanto nas metrópoles quanto nas cidades do interior. “Essa juventude só quer saber de cheirar, beber, usar drogas, pegar a mulherada. Está faltando uma revolução, em todos os aspectos. Pelo fato de a desigualdade social aumentar cada vez mais, acredito que essas atitudes ocorram mais no Brasil do que em outros países da América Latina. É uma pena”, desabafa.

Neville d’Almeida quer surpreender o público. “O espectador vai sentir um impacto muito grande. A produção traz uma transgressão poética e verbal nunca usada no cinema brasileiro. Os diálogos são fortes, pois essa é exatamente a maneira como aqueles jovens falam”, observa.

CLASSE MÉDIA
Amores urbanos, de Vera Egito, volta-se para a classe média das metrópoles. Juntos, os amigos Júlia (Maria Laura Nogueira), Diego (Thiago Pethit) e Micaela (Renata Gaspar) enfrentam os momentos bons e ruins da vida. Vera, de 34 anos, assina o roteiro. “É uma espécie de crônica. Fui coletando histórias e formando as minhas ideias. Os personagens estão na faixa dos 30, não são mais tão jovens e enfrentam várias crises”, explica.

O filme fala de gente que teve muitas oportunidades e, sobretudo, conquistou liberdade. “É uma geração que se assume, em todos os sentidos. Muito mais do que qualquer outra”, resume Vera.

O longa questiona o fim da juventude em meio a encontros e desencontros amorosos. “Você é jovem enquanto consegue ser transgressor e age de acordo com o que acredita, mesmo que o entorno diga não. Principalmente enquanto tem coragem de atuar da forma mais verdadeira para você mesmo. Quando começa a ficar medroso, careta, e a perder a capacidade de transgredir e revolucionar, deixa de ser jovem. Juventude tem muito mais a ver com atitude do que com idade”, conclui.

 


 

O PESO DA OUSADIA

 

Amores urbanos traz dois estreantes em longas, os cantores e compositores Thiago Pethit e Ana Cañas, ambos formados em artes cênicas. Ele faz o papel de Diego, gay que não quer saber de monogamia e tem relação complexa com os pais. Ana interpreta Duda, atriz que não se assume lésbica por temer perder trabalhos.

Thiago, de 30 anos, conta que foi um pouco assustador aceitar o convite da amiga Vera Egito, pois não atuava há muitos anos. Porém, a experiência se mostrou prazerosa. “Era um ambiente de muita confiança, que me permitiu liberdade para experimentar e, especialmente, aprender. Essa troca de aprendizado é o que mais levo em consideração quando vou fazer um trabalho, seja ele de que natureza for”, diz.

Outro motivo para mergulhar de cabeça no projeto foi o fato de Diego ser um personagem escrito exclusivamente para Thiago. Além disso, o universo do filme tem muito a ver com a vida do cantor. “É um retrato não só geracional, mas de gente que está vivendo um momento muito específico. Somos uma geração que carrega um peso muito maior do que os nossos pais carregaram. Há muitas expectativas em cima da gente. Ao mesmo tempo, podemos fazer muitas escolhas, experimentar bastante, ir tentando, quebrar a cara mesmo”, acredita.

A frente fria que a chuva traz conta a história de Amsterdã (Bruna Linzmeyer), garota pobre que convive com milionários cariocas. Ela se prostitui para consumir drogas, enquanto Alisson (Johnny Massaro) e Espeto (Chay Sued) comandam festa na laje de um barraco de favela, alugada de Gru (Flávio Bauraqui), movida a drogas, álcool, sexo e tensão social.

A FRENTE FRIA QUE A CHUVA TRAZ
(2015, 110min, de Neville D’Almeida, com Chay Suede, Bruna Linzmeyer e Michel Melamed). Classificação: 16 anos. Em cartaz no Paragem 4, às 15h30 e às 19h15.

AMORES URBANOS
(2015, 96min, de Vera Egito, com Thiago Pethit,
Maria Laura Nogueira e Renata Gaspar). Classificação: 14 anos. Em cartaz no Belas 3, às 17h50 e às 21h40; e no Cidade 1, às 16h30, 18h35 e às 20h40.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA