O bom dinossauro é animação para adultos

por Agência Estado 10/01/2016 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Luiz Carlos Merten

 

Em Cannes, no ano passado, houve um evento da Pixar para promover Divertida mente. Pete Docter e John Lasseter falaram do filme e dos novos rumos da empresa com a Disney. Lasseter não se furtou a discorrer sobre outros projetos em andamento da Pixar. O mais polêmico deles, claro, era o que finalmente estreou nesta semana, mais de um ano depois da data inicialmente prometida. Lasseter, que tem crédito de produtor, não minimizou os problemas.

Para o espectador que agora assiste ao filme, é curioso ver como O bom dinossauro tem um crédito de direção (Peter Sohn) e outro de conceito e criação de personagens (Bob Peterson). O segundo era o diretor original, mas foi substituído depois de empacar no terceiro ato da história. Foi preciso a intervenção de todo o “brain storm team” da Pixar para que o filme, finalmente, fosse concluído.

 

PIXAR/DIVULGAÇÃO
(foto: PIXAR/DIVULGAÇÃO)
 

 

Lasseter chegou a dizer que Sohn salvou o dinossauro fictício (e animado) da destruição ao transformar a aventura pré-histórica num faroeste. Isso passa pela construção dramática que faz com que a casa de Arlo, o dinossauro teen, seja uma fazenda não muito diferente daquela a que chegava o mitológico Shane em Os brutos também amam, de George Stevens, com aqueles cumes nevados ao fundo.

Antes de falar sobre O bom dinossauro, vale destacar o complemento – o curta Os heróis de Sanjay, de Sanjay Patel. Lasseter vive falando da diversidade cultural dos animadores da Pixar. Sanjay é indiano e faz com que seus deuses dialoguem, ou interajam, com os super-heróis do Ocidente. O curta é ótimo.

O longa, também, mas talvez se destine mais ao público adulto, aos pais, que às crianças. Na primeira sessão pública a que o repórter assistiu, elas ficaram muito inquietas. Houve choro. “De cara”, Arlo revela-se um ‘garoto’ medroso. A perda do pai só acentua suas inseguranças. Ele se perde no mundo e passa a hora e meia seguinte tentando voltar para casa – o tema por excelência de Hollywood, de ...E o vento levou a E.T.

No caminho, encontra/adota o “menino” humanoide. Será uma jornada de superação para ambos. O filme fala de morte, daquilo que se ganha e se perde com o amadurecimento. Há uma despedida de cortar o coração, como a de Shane. O bom dinossauro pode muito bem ser a mais densa e emocional animação da Pixar. (Estadão Conteúdo)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA