Tribunal polonês estuda, nesta sexta, extradição de Roman Polanski para os EUA

Cineasta é acusado de violentar uma jovem de 13 anos em 1977

por AFP - Agence France-Presse 30/10/2015 10:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD / JANEK SKARZYNSKI
A atriz Samantha Geimer acusa Roman Polanski de abuso, quando ela tinha apenas 13 anos (foto: AFP PHOTO / KENZO TRIBOUILLARD / JANEK SKARZYNSKI )
A justiça da Polônia deve decidir, nesta sexta-feira, se extradita aos Estados Unidos Roman Polanski, acusado de violentar uma jovem de 13 anos em 1977, explicou nesta quinta-feira Jerzy Stachowicz, advogado do cineasta franco-polonês.

"Uma decisão negativa do tribunal será definitiva. Ao contrário, se der seu aval, seguiremos tendo a possibilidade de apelar" e a decisão final ficará nas mãos do ministro da Justiça, afirmou o advogado do cineasta.

Neste contexto, um ex-ministro da Justiça do partido conservador católico que venceu as eleições legislativas polonesas do domingo passado se pronunciou a favor da extradição de Polanski.

"A pedofilia é um mal que deve ser perseguido", disse Zbigniew Ziobro. "Se o futuro ministro da justiça, seja quem for, tiver que tomar uma decisão deste tipo no futuro, teria que dar seu aval para (que se realize) a extradição", acrescentou.


Os Estados Unidos solicitaram em janeiro a extradição do diretor de 82 anos. O cineasta, que dirigiu filmes como O Pianista e Chinatown, é acusado de violentar Samantha Geimer em 1977, quando ela tinha 13 anos, após uma sessão de fotos em Los Angeles. Polanski tinha 43 anos na época.

 

Polanski se declarou culpado de assédio sexual contra a menor, embora tenha conseguido evitar ir a julgamento, após passar alguns dias preso. No entanto, ele fugiu do país no ano seguinte por medo de ser sentenciado a uma pena mais dura. Em mais de uma ocasião, Geimer disse ter perdoado Polanski.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA