Mostra 'Os Brutos' discute a mobilidade urbana

Fotos e vídeos põem em debate o direito de ir e vir. Imagens sem tratamento foram capturadas por celulares, sem corte e edição

por Shirley Pacelli 21/09/2015 07:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Wellington Cançado/divulgação
Trabalho de Wellington Cançado para a Mostra 'Os Brutos' (foto: Wellington Cançado/divulgação)

Sem corte e edição. Essa é a proposta da Mostra 'Os Brutos', que começa nesta segunda-feira (21), em Belo Horizonte, e se estende até quinta-feira. Com o tema mobilidade, o evento exibirá fotos e vídeos sem tratamento e seleção prévia. O assunto mobiliza debates na capital mineira diante da suspensão do aumento da tarifa dos ônibus e do Dia Mundial Sem Carro, comemorado na terça-feira (22).

Daniel Carneiro, de 44 anos, artista multimídia e idealizador da mostra, conta que o tema surgiu depois do episódio de 12 de agosto, quando um protesto contra o aumento da passagem foi fortemente reprimido pela Polícia Militar. “A questão é urgente: direito de ir e vir”, afirma. Segundo ele, a mostra tem caráter formativo e "estimula a discussão sobre o empoderamento na produção visual".

A exibição do contéudo não será aleatória, mas foi idealizada de forma cronológica: parte do registro mais antigo para chegar ao mais atual. Alguns conteúdos enviados chegam a ter até duas horas e há vídeos gravados com celular dos quais só se é possível aproveitar o som. Um deles retrata um passeio de barco em Veneza. “Depois do passeio, o homem entra na bienal de arte e depara com um cara correndo em uma esteira sobre um tanque de guerra”, descreve, intrigado, o idealizador.Além da exibição de vídeos e fotografias, o evento contará com oficinas, performances, debates sobre mobilidade e espaço aberto para atividades livres.

A primeira edição da mostra foi realizada em setembro de 2013, reunindo 10 horas de conteúdos diversos sobre o tema manifestação. “Quando escolhi o tema, não especifiquei que a proposta era sobre as jornadas de junho. Chegou material sobre carnaval e até um ensaio fotográfico com ovos podres. Coisas muito particulares”, conta Daniel.

Segundo o artista, ficou evidente a pluralidade de olhares. “Tem muita gente filmando nas ruas, você não sabe para onde vai tudo isso”, diz. Daniel destaca que a exibição dos filmes gravados em celular amplifica, na tela, as relações de protagonismo desses cidadãos.

A mostra é produção colaborativa dos coletivos integrantes da F.R.A.U.D.I. (Frente Revolucionária do Audiovisual): Cachorro Vinagre, Maria Objetiva e Beleza da Margem. Sessões serão realizadas até quinta-feira (dia 24), às 20h, na Sede das Brigadas Populares (Av. Francisco Sales, 531, Floresta, BH). Entrada franca. Informações: https://goo.gl/6ugDrQ

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA