'Homem-formiga' faz justiça a personagem esquecido no segundo plano da Marvel

Filme estreia nesta quinta-feira em Belo Horizonte

por Mariana Peixoto 16/07/2015 10:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Disney/Divulgação
Paul Rudd é o ator que encarna o anti-herói Homem-formiga, personagem dos quadrinhos (foto: Disney/Divulgação )
O Homem-formiga é um “filho” antigo de Stan Lee. Estreou nos quadrinhos em 1962, como parte da primeira cria de Os Vingadores. Mas, ao contrário de seus colegas Thor e Homem de Ferro, super em tudo, sempre foi um herói menor (com o perdão do trocadilho), relegado a segundo plano.


Pois espertamente a Disney fez da reversão de expectativas seu maior trunfo em 'Homem-formiga'. Dirigido por Peyton Reed, a última produção da segunda fase do Universal Marvel Cinematográfico (que já lançou 12 filmes e promete outros 10 até 2019), acaba servindo como uma surpreendente (nova) apresentação do personagem.

 

 

 

Com um ator improvável no papel-título (Paul Rudd, conhecido por papéis de homens sensíveis no cinema), o filme dosa adequadamente aventura, drama, ação e humor, sem excessos (até a duração é inferior às mais de duas horas que marcam as produções da franquia).

Típico anti-herói, Scott Lang (Rudd) é um ladrão que acabou de sair da cadeia. Tentando se reaproximar da filha, não vê outra saída a não ser ajudar o cientista Hank Pym (Michael Douglas) a impedir que o chefão de sua empresa, Darren Cross (Corel Stoll, o típico vilão caricato) crie um exército de homens do tamanho de formigas.

Para que o personagem se inserisse no Universo Marvel (já que ele vai estar nas próximas produções), não faltam referências (nada forçadas e sempre bem-humoradas) aos outros heróis. Há inclusive um deles em cena, o Falcão (Anthony Mackie). Mas os não iniciados nos Vingadores não se sentirão perdidos na história.

O poder do Homem-formiga é a diminuição. O longa explora a contento as mudanças de escala do personagem, justificando o 3D. Tendo como contexto um drama familiar – além do Homem-formiga, Hank Pym também tem uma história mal resolvida com a própria filha – a adaptação humaniza a figura do herói. Ainda que ele tenha que salvar a humanidade do mal, premissa de qualquer super-herói, a diminuta figura precisa mesmo é acertar contas com sua vida de pai.

Sem pretensão e comendo pelas beiradas, 'Homem-formiga' consegue se inserir no ambiente um tanto excessivo dos Vingadores. A cena que vai ao ar depois dos intermináveis créditos finais é prova de que sua história, ainda que mais de 50 anos depois, está só começando.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA