Mostra Cineafro BH começa neste sábado com programação voltada às tradições

Cultura afro-brasileira é tema de filmes exibidos em sessões gratuitas até o fim de novembro

por Walter Sebastião 03/10/2014 10:59

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eduardo Nunes Almeida/Divulgação
Trajetória de mestre Conga, um dos pioneiros do samba em BH, ganhou filme de Chiquinho Matias (foto: Eduardo Nunes Almeida/Divulgação)
Começa neste sábado, 4, a Mostra Cineafro BH – Paz no mundo camará, que exibirá 12 filmes, sempre aos sábados, em seis regiões da capital mineira. No sábado, das 19h às 22h, o público poderá conferir documentários na Rua Jequiriçá, no Bairro Concórdia. A sessão ao ar livre reúne os filmes 'Os mestres' (Associação Imagem Comunitária), 'O boi foi beber água até chegar no Rio São Francisco' (Gesino Alves) e dois episódios da série 'Paz no mundo camará', de Carem Abreu. O evento vai até 29 de novembro. Voltada para a temática afro-brasileira, a programação tem quatro eixos temáticos: cultura e resistência, religiosidades, samba e capoeira de Angola.

As sessões ocorrerão perto de casas ligadas às tradições afro-brasileiras. A cineasta Carem Abreu, organizadora da mostra, diz que serão homenageadas personalidades ligadas à cultura negra. Entre elas estão Isabel Casimiro (amanhã), integrante da Guarda de Moçambique 13 de Maio Nossa Senhora do Rosário; mestre Dunga (dia 18), precursor da capoeira Angola em Minas; mestre Rogério e Índio (dia 25), um pioneiro no ensino da capoeira, outro da difusão dela fora do Brasil; dona Elisa (8 de novembro), compositora e integrante da Velha Guarda do Samba de Belo Horizonte; mestre João Angoleiro (22 de novembro), do grupo Eu Sou Angoleiro: e mestre Conga (29 de novembro), baluarte do samba em Minas Gerais.

Saberes
As homenagens têm o propósito de valorizar saberes ancestrais. “Gostaríamos que as comunidades de Belo Horizonte soubessem que abrigam pessoas que são patrimônios da cultura afro-brasileira”, avisa Carem Abreu. De acordo com ela, o festival abre “nova janela de exibição” para os cineastas mineiros.

A ideia é transformar o evento em anual a partir de 2015, com seleção de trabalhos a partir de inscrições. A edição deste ano foi feita a partir de convites a realizadores. “Em Minas Gerais, temos um grande número de diretores afro-brasileiros”, informa ela, estimando em mais de uma centena os autores em atividade.

A série Paz no mundo camará reúne dois filmes: um curta mineiro e um média-metragem nacional, rodados, respectivamente, em 2009 e 2012. Eles mostram como a capoeira se tornou instrumento de integração social, paz e de manutenção da cultura afro-brasileira.

“Nascida como meio de defesa do quilombo, a capoeira se relaciona com vários aspectos da história brasileira, como ciclos econômicos, Guerra do Paraguai e o nascimento das favelas e vilas, além do surgimento de um novo esporte nacional, do samba e do candomblé. Ela está na raiz de várias expressões culturais, inclusive do hip-hop”, conclui. As pesquisas foram realizadas em Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Pernambuco e Rio de Janeiro.

MOSTRA CINEAFRO BH
Abertura neste sábado, 4 de outubro, das 19h às 22h, na Rua Jequiriçá (em frente ao número 328), Bairro Concórdia. Entrada franca. Programação completa: www.mostracineafrobh.com. Até 29 de novembro.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA