Mostra Diálogos BR aproxima mundos de cineastas distintos

Projeto no Humberto Mauro exibe na segunda-feira obras de Thiago Mendonça e Adirley Queirós

por Walter Sebastião 29/06/2014 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ardiley Queirós/Divulgação
Fora de campo mostra outra realidade do futebol brasileiro: jogadores sem carteira assinada e com salários baixos (foto: Ardiley Queirós/Divulgação )

A mostra Diálogos BR do projeto Curta Circuito exibe amanhã filmes de dois cineastas brasileiros, com a proposta de aproximar mundos cinematográficos diferentes, unidos por algum ponto em comum. Em cena no Cine Humberto Mauro do Palácio das Artes, a partir das 19h, obras de Thiago Mendonça e Adirley Queirós, diretores que, a partir de estilos diferentes, unem a Boca do lixo paulistana à Ceilândia.

“Thiago Mendonça e Adirley Queirós se aproximam não só por uma visão comum de cinema. Os cineastas já trabalharam juntos: escreveram em parceria o roteiro de A cidade é uma só?, longa-metragem de Adirley, e codirigiram o documentário Fora de campo. Contudo, é analisando seus filmes individuais que notamos a mais forte parceria entre eles: o partilhamento de um ponto de vista político como alicerce firme do cinema que criam. Thiago Mendonça e Adirley Queirós são cineastas devotados à contestação do status quo e à figuração dos marginalizados e apartados da sociedade. No entanto, seus filmes nunca descambam para o mero panfleto, guardando a evidência da construção fílmica como antídoto contra a letargia de pensamento. Em seus filmes o recado é claro e direto, sem esconder, porém, cada engrenagem de composição da paulada...”, escreve o curador Affonso Uchoa no texto de apresentação da mostra.

Piove, il film di pio (SP, 2012, 14min), de Thiago Mendonça, traz um retrato de Pio Zamuner, cineasta esquecido que dirigiu os 12 últimos filmes do comediante Amácio Mazzaropi. No curta, uma relação se estabelece entre dois diretores e surge o retrato de uma paixão compartilhada por duas gerações em um botequim da Boca. Mas, quem dirige quem?, pergunta a obra.

Já Rap, o canto da Ceilândia (DF, 2005, 15min), de Adirley Queirós, traz um diálogo com quatro consagrados artistas do rap nacional: X, Jamaika, Marquim e Japão. Todos são moradores da Ceilândia, cidade do Distrito Federal. O filme mostra a trajetória desses integrantes no universo da música e faz um paralelo com a construção da cidade onde moram. São artistas que veem no rap a única forma de revelar seus sentimentos e de se autoafirmar enquanto moradores da periferia.

Outro filme de Adirley em exibição é Fora de campo (DF, 2009, 52min), que tem codireção de Thiago Mendonça. Em cena, uma realidade pouco comentada no país do futebol. No Brasil, existem mais de 500 clubes de futebol profissional. Quarenta disputam as séries A e B do Campeonato Brasileiro. Apenas 8% fazem parte da chamada "elite" do esporte. A esmagadora maioria dos jogadores convive, assim, com condições precárias de trabalho, sem contratos ou carteira assinada, recebendo salários atrasados, sem férias ou benefícios.

Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente 2014

Diálogos BR, exibição de filmes de Adirley Queirós e Thiago Mendonça, amanhã, às 19h. Cine Humberto Mauro, Palácio das Artes, Av, Afonso Pena, 1.537, Centro. Classificação Indicativa: 16anos. Entrada franca. Capacidade da sala: 129 lugares (ingressos poderão ser retirados meia hora antes da sessão).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA