Abuso de clichês esvazia méritos da comédia nacional 'O concurso'

Tanto personagens quanto situações mostradas no longa são esterotipadas

por Mariana Peixoto 19/07/2013 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Downtown filmes/Divulgação
Fábio Porchat, Anderson Di Rizzi, Rodrigo Pandolfo e Danton Mello: elenco se perde na representação de situações que já foram exploradas em outras comédias (foto: Downtown filmes/Divulgação)
Um cearense extremamente religioso e apegado à família; um carioca malandro; um rapaz inocente do interior de São Paulo, com um sotaque carregadíssimo; e um gaúcho (de Pelotas, claro), que não é muito seguro de sua opção sexual. Fossem só os estereótipos mais do que batidos de alguns dos clichês dos tipos que compõem a população brasileira, 'O concurso', filme que chega aos cinemas nesta sexta-feira, 19, poderia ter até salvação. O problema é que as situações em que os quatro protagonistas se colocam já foram vistas inúmeras vezes no cinema e na TV.

 

Veja fotos do filme

 

Saiba onde e quando assistir


Na história que marca a estreia de Pedro Vasconcelos (ator global na adolescência, hoje dedicado à direção de novelas e séries) como diretor de cinema, os quatro protagonistas – Fábio Porchat, o gaúcho; Danton Mello, o carioca; Anderson Di Rizzi, o cearense; e Rodrigo Pandolfo, o paulista interiorano – se encontram no Rio de Janeiro, às vésperas da prova oral de concurso para juiz federal. O mote é até interessante (no Brasil 12 milhões de pessoas prestam concurso público a cada ano), mas o desenvolvimento recai numa colagem malfeita de situações absurdas e repetitivas.

A cena inicial é tal como um 'Se beber não case' brasuca. Vemos os quatro protagonistas, na hora da prova, em meio às consequências de uma noitada regada a sexo, drogas e álcool. Por meio de flashback, vemos como cada um deles chegou lá. Caio, um advogado de porta de cadeia que vive na corda bamba de contravenção, tenta conseguir o gabarito (como é uma prova oral, o tal “gabarito” só traria os assuntos que seriam tratados). O documento, é claro, está numa favela em baile funk que mistura traficantes, funkeiros, travestis e pais de santo. E nossos “heróis” vão parar lá.

Tendo isso em mente, as piadas vão se repetindo. O gaúcho com pai opressor se envolve com os travestis, até ser posto à prova com um clássico da dance music (tal qual Kevin Kline em 'Será que ele é?'); o paulista do interior, virgem, encontra-se com uma paixão de adolescência (Sabrina Sato, como atiradora de facas que não faz nada muito diferente do que no programa Pânico na Band; corpão escultural à mostra, repete sem parar “Me come ou morre”!).

Downtown filmes/Divulgação
Fábio Porchat consegue se destacar em alguns momentos do longa (foto: Downtown filmes/Divulgação)
Diante dessa miscelânea, dá para achar (um pouco) de graça em Porchat, um exagero só como o gaúcho de Pelotas. Os outros três nomes do elenco, ainda que convençam na interpretação, não têm o mesmo timing para a comédia. No fim das contas, o que “pega” mesmo é o seguinte: ninguém consegue rir muito de piada requentada.

 

Veja o trailer de 'O concurso':

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA