Conheça Éfeso: a joia turca que abriga nos seus arredores a casa onde viveu a mãe de Jesus

Quando se fala em turismo na Turquia, logo vem à mente suas incríveis mesquitas, palácios, cavernas, passeio de balão pela Capadócia e um comércio enorme e atraente em Istambul. Mas o antigo Império Otomano guarda tesouros que valem a pena ser explorados intensamente na sua próxima viagem: as ruínas da cidade de Éfeso e a casa onde morou a Virgem Maria

por Júlio Moreira 09/07/2019 20:05
Muratart/Adobe Stock
Biblioteca de Celso no sítio arqueológico de Éfeso, na Turquia (foto: Muratart/Adobe Stock)

Museu ao ar livre

 Referência na difusão do cristianismo, a cidade foi por muito tempo a segunda mais importante do Império Romano
 
https://www.uai.com.br/app/noticia/turismo/2019/03/18/noticias-turismo,243114/turquia-e-a-ponte-que-liga-o-oriente-ao-ocidente.shtml">Turquia é um país fascinante, sonho de consumo para qualquer turista. A efervescente Istambul, cidade instalada entre dois continentes – o europeu e o asiático – com suas famosas mesquitas, bazares e palácios, é de deixar qualquer turista boquiaberto.
 
Capadócia, com inúmeras cavernas – refúgio dos cristãos perseguidos após a crucificação de Jesus em Jerusalém – e suas igrejas escavadas na pedra, como é o caso da Igreja São Jorge, formações rochosas cônicas e o famoso passeio de balão também não deixam por menos.
 
Se não bastassem as atrações dessas belíssimas cidades do ex-antigo Império Otomano, o país turco guarda, ainda, um grande tesouro da humanidade: as ruínas da cidade de Éfeso. Por muito tempo, essa foi a segunda cidade mais importante do Império Romano, também de grande relevância para o mundo pagão e referência na difusão do cristianismo.
 
Um dos maiores museus arqueológicos do mundo ao ar livre, localizado na parte ocidental da Ásia menor, na região de Anatólia, próximo ao Mar Egeu, a cidade de Éfeso foi construída por volta de 1000 a.C. pelos gregos. As escavações na região onde se localiza a cidade começaram há 100 anos e, segundo arqueólogos, apenas 25% foram redescobertos.
Hansog/Adobe Stock
Éfeso é um dos maiores museus arqueológicos do mundo ao ar livre (foto: Hansog/Adobe Stock)
Foi no período de domínio grego, em Éfeso, a construção do Templo de Ártemisa deusa grega, denominada de Diana pelos romanos, a protetora dos bosques, da caça e dos animais selvagens. O monumento foi uma das sete maravilhas do mundo antigo e se tornou centro de veneração à deusa. Era composto por 127 colunas de mármore dispostas em filas duplas, todas decoradas com obras de arte, tendo cada uma 20 metros de altura. Tinha 138 metros de comprimento e 71,5 metros de largura.
 
No seu interior, a estátua de Ártemis em ébano, ouro, prata e pedra era venerada pelos habitantes da região. Do monumento, que levou 200 anos para ser erguido, resta hoje apenas uma única coluna, que resistiu às invasões, saques e terremotos ao longo dos tempos. Mesmo assim, o local é um dos mais visitados de Éfeso.
 
Mas foi foi em 129 a.C., sob o comando do Império Romano, que Éfeso conheceu seu apogeu, perdendo em importância apenas para Roma. Estima-se que a cidade chegou a ter 400 mil habitantes, formada por intelectuais, mercadores, pessoas de grandes posses e escravos. Seu comércio fervilhava e era um dos mais importantes centros comerciais da época, graças principalmente à sua localização estratégica: pelo mar estava ligada à Roma e por terra com grande parte da Ásia. 
 
 

Cidade foi reconstruída quatro vezes

David Mark/Adobe Stock
Imponente, o Grande Estádio, juntamente com a Biblioteca de Celso, é uma das atrações de Éfeso (foto: David Mark/Adobe Stock)
A prosperidade econômica de Éfeso possibilitou a construção de várias edificações memoráveis. Suas ruas pavimentadas com mármore nos levam a monumentos grandiosos, que merecem ser destacados, como é o caso da Biblioteca de Celso (Governador romano), uma das edificações mais conservadas dosítio arqueológico. Foi a terceira mais importante biblioteca do mundo antigo, ficando atrás apenas das bibliotecas de Alexandria, no Egito, e de Pergamo, na Grécia. Chegou a ter mais de 12 mil rolos de manuscritos. Seu interior, como era comum em Éfeso, era pavimentado em mármore.
 
Em sua fachada, encontram-se as estátuas de quatro deusas: Sophia, que representa a sabedoria; Episteme, o conhecimentoEnnoia, a inteligência, e, por último, Arete, representando a bravura. Segundo historiadores, essas seriam as virtudes de Celso durante sua vida. As ruínas da biblioteca são uma representação clara do estilo arquitetônico dos romanos nos primeiros séculos.
 
Éfeso também ficou famosa pelo seu grande estádio, com capacidade para 25 mil pessoas, três andares e 18 metros de altura. O espaço era usado para eventos de música, cerimônias religiosas, discussões sobre questões da cidade, jogos e luta de animais com gladiadores (um grande cemitério desses lutadores foi encontrado na cidade). Também foi palco das pregações do apóstolo Paulo, que viveu na cidade difundindo o cristianismo. No início, os ensinamentos do apóstolo de Cristo não tiveram muita aceitação pela população local, o que só ocorreu depois de ‘batalhas’ incansáveis.
 
A edificação chegou a ser destruída por cristãos em vingança aos sofrimentos ocorridos no local na Era Romana. Muitos cristãos eram obrigados a lutar com animais na arena. Além do estádio, existia o Teatro Odeon, com capacidade para 1.500 pessoas, cenário de atrações musicais e  principalmente discussões de questões políticas da cidade – Servia como Parlamento.
 
Há em Éfeso o Templo de Adriano, construído em homenagem à visita do imperador romano à cidade. O monumento também se encontra em bom estado de conservação. O templo está situado na Rua Curetes. A mais famosa avenida da cidade, com 650 metros e pavimentada com mármore. Além de unir a parte administrativa e política com a parte pública, era famosa pelo grande número de lojas, onde os ricos faziam suas compras. Os principais produtos e mercadorias da época podiam ser encontrados nessa rua. Também próximo a ela existiam os famosos banhos públicos, com latrinas construídas lado a lado. O que deveria ser uma situação bastante constrangedora. Consegue imaginar? Segundo um guia local, os escravos sentavam antes para esquentar a pedra da latrina para em seguida os ricos a usarem.

Ao longo do tempo, grandes nomes da história desfilaram pela cidade, como Alexandre, o Grande, Cleópatra, São Paulo, São João e a Virgem Maria, mãe de Jesus Cristo. Vale acrescentar que foi em Éfeso a primeira igreja construída em homenagem a Santa Maria.Ficou curioso? A história de São João, o apóstolo amado, e da mãe de Cristo na cidade você vai saber mais à frente.
 
Entre terremotos e invasões, a cidade foi reconstruída quatro vezes. O declínio da cidade de Éfeso se deu devido ao assoreamento do porto, que era artificial e mantido através de dragagem. Hoje, o Mar Egeu fica a cinco quilômetros de distância.
 
Não é necessário um olhar de especialista para perceber que  Éfeso foi esculpida a mão, retrato do talento dos povos antigos e destino imperdível para os turistas que gostam de conciliar história em sua viagens. 
 
 

A Casa da Virgem Maria

Mustafá Ozer/AFP
Altar da casa de Maria, que já recebeu a visita de três papas (foto: Mustafá Ozer/AFP)
 

Está nos arredores de Éfeso, mais precisamente a oito quilômetros do centro do sítio arqueológico, naColina de Bullbul-dag (Colina do Rouxinol), um lugar sagrado para cristãos e muçulmanos, a casa onde teria vivido seus últimos nove anos de vida a Virgem Maria, mãe de Jesus.
 
Segundo a Bíblia, quando foi pregado na cruz, Jesus olhou para sua mãe e perto dela estava o apóstoloSão João Evangelista. Dirigindo-se a Maria, disse: “Mulher, eis aí o teu filho!”, e voltando-se para João, falou: “Eis a tua mãe!”. Depois da morte de Jesus, o discípulo levou Maria para sua casa.
 
A partir de então, João cuidou de Maria até a morte dela, aos 61 anos, ou seja, 13 anos e dois meses depois da crucificação de Cristo. Preocupado em proteger Maria, já que muitos cristãos estavam sendo assassinados pelos romanos após a morte de Jesus, o discípulo amado de Cristo levou a Virgem Maria para Éfeso. Embora João tenha vivido na cidade, onde escreveu seu evangelho e pregou o cristianismo, Maria não permaneceu na cidade por muito tempo. O discípulo achou mais seguro construir uma casa nas redondezas da cidade. 
 
 
As visões de KATHARINA
Mustafá Ozer/AFP
A casa de Nossa Senhora nos arredores de Éfeso (foto: Mustafá Ozer/AFP)
 
 
A versão de Maria morando nos arredores de Éfeso ganhou força no século 19,  mais precisamente em 1842, ano da publicação, em Munique, dos apontamentos do poeta alemão Clemont Brentano sobre as visões da alemã Katharina Emmerick – beata que sofria com os estigmas de Cristo e viveu parte de sua vida em uma cama, encontrando conforto nas visões que tinha sobre a vida da Virgem Maria. O livro A vida da Virgem Maria segundo as revelações de Anna Katharina Emmerick, publicado após a morte de Clemont, relata com precisão detalhes da forma e localização da casa onde teria vivido Nossa Senhora, como se percebe em trechos do seu último capítulo:
 
“Maria não vivia em Éfeso,  mas sim nos arredores (...)  A casa se situava no topo de uma montanha, do lado esquerdo de uma estrada que vem de Jerusalém, a cerca de três léguas de Éfeso. (...) Apenas a casa de Maria era de pedra.”
 
Em 1891, dois padres vicentinos do colégio francês de Esmirna, seguindo as afirmações e orientações das visões da beata descritas no livro, descobrem as ruínas da casa de Maria. Um ano depois, uma comissão de inquérito formada por autoridades da diocese de Esmirna, após a realização de diversas inspeções, decretou a autenticidade da descoberta da casa de Maria, reconhecendo semelhanças inquestionáveis entre as descrições de Emmerick e a edificação redescoberta.
 
Hoje, a casa de pedra – pequena, rústica e modesta – é chamada de Santuário de Meryemana (A Casa de Maria). Local de silêncio, oração e reflexão. O lugar é tão místico que é difícil descrever com palavras a energia do lugar. Muitas pessoas se emocionam e choram contagiadas pelo clima do ambiente.
 
No caminho, painéis contam a história do santuário em várias línguas. Apenas a parte central, onde se encontra o altar e uma pequena sala, está aberta ao público. As fotos no seu interior são expressamente proibidas. Há lugares para acender velas e fazer orações. No quintal da casa existe uma fonte, que, segundo a tradição, tem poder curativo. A água ficou conhecida como a Água de Maria. Muitos visitantes enchem garrafas e levam para suas casas ou dão para familiares e amigos. Um pouco à frente, em um muro colorido recoberto de papéis, o retrato fiel da fé em Nossa Senhora: milhares de pedidos e agradecimentos são pregados na parede.
 
O santuário recebe por ano mais de 800 mil peregrinos. Entre eles, cristãos, cristãos ortodoxos e muitos muçulmanos, já que no Alcorão Maria é  muito respeitada e bastante citada e chamada de várias formas, como a escolhida de Deus, a mulher mais notável do mundo, pura, imaculada, casta.
 
Sobre a morte de Maria na casa, o Vaticano não se pronuncia. Não existem provas científicas para comprovação da sua morte na Colina do Rouxinol. Uma outra versão seria que Maria teria morrido em Jerusalém. Porém, a casa de Maria já recebeu a visita de três papas: Paulo VI, em 1967; João Paulo II, em 1979, e Bento XVI, em 2006. O local foi considerado sagrado e lugar de peregrinação.
 
Foi em Éfeso, no século 4,  a primeira igreja dedicada a Virgem Maria em um enorme edifício romano. Nesse templo foi celebrado um importante concílio ecumênico, no qual ficou estabelecido que Maria poderia ser chamada de Theotokos, a mãe de Deus.
 
O Santuário de Meryemana não tem a ostentação da Basílica de São Pedro, em Roma, e como já foi dito, é bastante simples, mas de uma energia inexplicável. Um lugar imperdível, não só pelo valor histórico, mas pela experiência espiritual surpreendente e mágica. Se você vai a Éfeso, não perca a visitação da casa de Maria, que fica a apenas 8 quilômetros do sítio arqueológico. 
 

Seguro-viagem

Lembre-se de que ao viajar para a Europa é preciso contratar um seguro-viagem. Ele é obrigatório para dar entrada em todos os países que fazem parte do Tratado de Schengen. O acordo estabelece que a cobertura mínima seja de 30 mil  euros e serve para garantir que os visitantes poderão arcar com possíveis acidentes pessoais que possam ocorrer durante a viagem. Uma das vantagens de contratar com o Seguros Promo é a possibilidade de comparar planos de seguros diferentes. Dessa forma, você garante o melhor valor e a melhor cobertura para sua viagem. A empresa faz parte do grupo Belvitur, com mais de 53 anos de atuação no setor de viagens de lazer e viagens empresariais.  

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']