Viena, capital da Áustria, é um convite de uma encantadora viagem no tempo

Deixe-se levar pela música de Mozart, pela valsa de Strauss, pela vida de imperadores e imperatrizes e por uma arquitetura deslumbrante. Passear em Viena é como voltar ao passado na capital austríaca. Museus, casas de óperas e até o comércio de suvenires são repletos de história, arte e cultura que merecem ser vivenciados

por Teresa Caram 10/04/2018 19:00

 

ALEXANDER KLEIN /AFP
No mês de maio, os jardins do Palácio de Schönbrunn são palco das apresentações da Orquestra Filarmônica de Viena (foto: ALEXANDER KLEIN /AFP)

Clássica e moderna. Assim é Viena, cidade com mais de 1,8 milhão de habitantes. A capital da Áustria atrai mais de 7 milhões de turistas por ano e faz questão de mostrar aos visitantes sua reverência ao passado. É com orgulho e um forte nacionalismo que os habitantes da cidade contam a história do reinado dos Habsburgos (que governaram Viena por mais de 600 anos), a vida das imperatrizes Maria Theresa e Sissi, do imperador Francisco José, e das suas maiores referências: Strauss e Mozart, na música, e Sigmund Freud na psicanálise. Não se esqueça também da importância da princesa Leopoldina, a primeira imperatriz brasileira Maria Leopoldina, que deixou Viena para se casar com Pedro I e teve participação decisiva na independência do país.

Viena é uma cidade com elevada qualidade de vida e considerada uma das mais ricas do mundo. Abriga bons hotéis, restaurantes, cafés e lojas. A cidade, que teve parte destruída pela guerra, recuperou-se completamente, e hoje respira arte e cultura. Teatros famosos e casas de óperas têm apresentações frequentes de música clássica.

Ópera Estatal de Viena, templo da música, das artes, dos bailes tradicionais e da valsa

Cortada ao norte pelo Rio Danúbio, a cidade tem vários palácios, como o de Schönbrunn, reconhecido pela Unesco como patrimônio da humanidade, o Hofburg e o Belvedere. São todas construções imponentes e não podem deixar de ser visitadas.

TERESA CARAM/EM/D.A PRESS
Do Gloriette, o imperadorFrancisco José I fazia suas refeições e assistia os concertos de ópera (foto: TERESA CARAM/EM/D.A PRESS)

No local, duas atrações se destacam: a Gloriette, construção que fica no alto de uma colina, onde o imperador Francisco José I fazia suas refeições e também assistia a concertos de ópera. Lá de cima, além de apreciar o palácio, é possível ver toda a cidade de Viena e depois fazer uma parada no restaurante para descansar e provar as iguarias da gastronomia local. É um lugar deslumbrante, ainda mais no inverno, com a neve recobrindo todo o jardim e suas belas esculturas. Mas é no verão que o jardim encanta com suas flores e plantas, ao estilo do Palácio de Versailles, na França. Neste ano, está programado para o fim de maio apresentações da Orquestra Filarmônica de Viena ao ar livre, no Palácio de Schönbrunn. Para quem viaja com crianças no verão, um labirinto formado por folhagens torna-se espaço para brincadeiras.


TERESA CARAM/EM/D.A PRESS
Não deixe de visitar o mais antigo zoológico do mundo. O Tiegarten Schönbrunn foi fundado em 1752 (foto: TERESA CARAM/EM/D.A PRESS)
A outra atração é o Tiegarten Schönbrunn, o mais antigo zoológico do mundo. Fundado em 1752, abriga ursos-polares, pandas, pinguins, pacas, macacos, leões, peixes e outras espécies. A estrutura é fantástica, com inúmeros quiosques, banheiros, bares, restaurantes e, como em todos os lugares, não podia faltar a lojinha de suvenires.

 
 Pura magia

 

A arquitetura da capital austríaca é outro capítulo à parte. No Centro Histórico de Viena encontra-se a bela Catedral Santo Estêvão, uma das maiores catedrais góticas medievais, do século 11, cuja torre principal tem 137 metros, além de vários cafés, restaurantes e as principais lojas da capital austríaca. Na porta da catedral, você encontra homens vestidos com roupas antigas e perucas vendendo tíquetes para a Haus der Musik (casa de ópera). Por 49 euros, você tem assento na primeira fila para assistir às peças de Mozart, Strauss, Haydn e Vivaldi. É simplesmente lindo.

TERESA CARAM/EM/D.A PRESS
Na cidade histórica, destaque para a Catedral Santo Estevão (foto: TERESA CARAM/EM/D.A PRESS)
TERESA CARAM/EM/D.A PRESS
Monumento à imperatriz Maria Theresa (foto: TERESA CARAM/EM/D.A PRESS)


Imperdível é o passeio mágico pela história de Viena. Trata-se do Time Travel, um museu interativo localizado no Centro Histórico com um guia que vai narrando em inglês os principais momentos desde a fundação da cidade pelos romanos, no século 1, até os dias de hoje. Um cinema em 5D traz toda a realidade virtual desta passagem de tempo e é muito divertido e informativo. Você se sente parte da história. É um passeio que encanta adultos e crianças.


VISIT VIENA/DIVULGAÇÃO
Em funcionamento desde 1897, a Riesenrad de Viena é a mais antiga roda-gigante do mundo (foto: VISIT VIENA/DIVULGAÇÃO)
Do lado oposto do Centro Histórico, atravessando o Rio Danúbio, encontra-se o Riesenrad (a mais antiga roda-gigante do mundo) e o Museu de Cera Madame Tussauds. Para conhecer bem e explorar todas as atrações de Viena, o ideal é programar uma viagem de pelo menos cinco dias. É muita coisa para fazer e, em alguns museus ou espaços públicos, como caminhar pelas ruas da cidade, você acaba perdendo várias horas diante de tanta beleza, glamour, história e diversão.

TERESA CARAM/EM/D.A PRESS
Museu de História Natural de Viena abriga um acervo de cerca de 30 milhões de peças entre gigantes dinossauros a joias da imperatriz Maria Theresa (foto: TERESA CARAM/EM/D.A PRESS)

Mas Viena tem muitos museus, palácios e casas de óperas para explorar em qualquer estação do ano. No verão, os turistas podem assistir a concertos gratuitos em praças. Já no inverno, o frio intenso (com temperaturas negativas) limita os passeios à noite a casas de óperas, restaurantes e cafés, que, no entanto, fecham cedo. Depois das 23h, o movimento nas ruas diminui consideravelmente. Com o Vienna Pass, por exemplo, o visitante tem quatro linhas de rotas (amarela, vermelha, azul e verde) que permitem conhecer toda a cidade por 24 horas, além de acesso gratuito a diversos museus. O preço do Vienna Pass varia de 59 a 124 euros, dependendo do número de dias que o visitante comprar. Sem as atrações incluídas, o preço é 25 euros.


A linha amarela faz a rota do quarteirão dos museus. É um passeio imperdível. Na Praça Maria Theresa (Maria Theresien Platz) estão o museu de História da Arte e de História Natural, de um lado, e, do outro lado, o Leopold Museu (coleção de arte moderna austríaca). No caminho, um áudio guide em 12 idiomas, inclusive o português, vai contando a história da cidade, dos monumentos, do seu passado e de como Viena está se projetando para o futuro. Após o passeio pelos museus, vale caminhar pela região, que conta com bons restaurantes e cafés.


Outro museu que merece ser visitado é o Albertina, que fica próximo ao Palácio Hofburg e colado na famosa Ópera de Viena, na área central da cidade. O espaço, que por si só já é exuberante, abriga exposições permanentes e temporárias de grandes artistas, como Monet, Manet, Da Vinci e Degas, entre outros. O passeio pode ser feito na rota da linha vermelha, que circula por todas as atrações do Centro de Viena.

 
» O que você não pode deixar de ver em Viena

 

»  Tiergarten Schönbrunn
Ingressos a 18,50 euros adultos; 9 euros, crianças

»  Haus der Musik
Ingressos – de 39 euros a 49 euros

»  Museu de História de Viena
Ingressos – 15 euros
»  La Orquesta Residencial de Viena no Palais Auersperg
Apresentações diárias
Ingressos – de 45 a 65 euros

»  Time Travel in Vienna
Magic Vienna History Tour

Ingressos – de 15,60 a 26 euros 

 

 

Modernismos vienenses 

Herwig Prammer/AFP
A arquitetura modernista do edifício da Secessão, em art nouveau, contrasta com estilo clássico da maioria dos prédios de Viena (foto: Herwig Prammer/AFP)
 

Viena concilia como nenhuma outra cidade o clássico e o moderno. A arquitetura, a gastronomia, a arte e a cultura tanto remetem ao passado quanto festejam o presente e apontam para o futuro.


O art nouveau também marcou a arquitetura vienense. O edifício da Secessão, de 1898, é um dos mais famosos exemplos desse estilo arquitetônico de Viena. De todos os arquitetos influentes que trabalharam naquela época, Otto Wagner foi o que mais contribuiu para moldar o estilo da capital austríaca. Fora do art nouveau, o arquiteto Adolf Loos se destacou ao optar por um estilo funcional, com fachadas completamente simples.

VLADIMIR SIMICEK/AFP
Nos 100 anos da morte do pintor Gustav Klimt, diversas galerias vão homenagear o artista austríaco (foto: VLADIMIR SIMICEK/AFP)

O final do século 19 na cidade austríaca marca o Modernismo vienense, movimento que teve grandes expoentes como o próprio Otto Wagner, Gustav Klimt, Egon Schiele, Koloman Moser, Sigmund Freud e Karl Kraus, entre outros, com grandes contribuições à história e à cultura da Áustria. Este ano, em que se completam 100 anos da morte de quatro de seus maiores protagonistas: Klimt, Schiele, Wagner e Moser, a cidade promove diversas exposições em mais de 25 museus, galerias e outros espaços para mostrar o legado desses que eram considerados gênios do Modernismo vienense.


A gastronomia vienense é também reconhecida mundialmente. Além de restaurantes de fama internacional, barraquinhas de salsichas propiciam novas experiências. Uma iguaria típica da cidade é o bife de vitela à milanesa, bem como panquecas doces com uvas-passas. Os mercados vienenses, como o Naschmarkt, oferecem petiscos exóticos. E o café vienense é patrimônio imaterial da Unesco. Os vários bares, cafés e restaurantes oferecem opções gastronômicas que aguçam os sentidos e fazem da viagem uma experiência inesquecível.

 

SERVIÇO

 

Algumas exposições em destaque este ano


» Belvedere Inferior
Klimt não é o fim. Despertar na Europa Central
Exposição de obras dos artistas Klimt, Schiele, Kokoschka, Moser     e Egger-Lienz.
Até 26/8

» Orangerie
Egon Schiele – Percursos de uma coleção
A exposição aborda cada uma das obras da coleção de Schiele do Belvedere
De 19/10 a 17/2/2019

» Kunsthistorisches Museu Vien
A verdade Nua. Klimt confrontado
Previsão até setembro de 2018

» Stairway to Klimt
Até 2/9/18
Exposição de Klimt na escadaria do Kunsthistorisches Museu

» Wien Museum
Otto Wagner
Até setembro de 2018
Exposição dedicada ao “arquiteto de capital mundial”

» MAK – Museu Austríaco de Artes Aplicadas/Arte Contemporânea Koloman Moser
De 20/12/18 a 22/4/19

» Museu Leopold
Egon Schiele. Expressão e lirismo
Até fim de outubro de 2018

» Hofmobiliendepot

Wagner, Hoffmann, Loos e o design de móveis no Modernismo Vienense

Até 7/10/18 

 

 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']