1001 LUGARES PRA SE VIVER: Mar Morto, onde descansa o Rio Jordão

Com uma superfície de aproximadamente 650 km² entre a Jordânia e Israel - sendo 50 km comprimento e 18 km largura -, ele se encontra a 430 metros abaixo do nível do mar

por Bertha Maakaroun 06/02/2018 07:12

Bertha Maakaroun/EM
Mar Morto perdeu 35% de sua superfície (foto: Bertha Maakaroun/EM)

Sobre a água picante de tão salgada, um boiar involuntário e permanente, ao estilo de uma rolha varrida ao sabor do vento, eis a reveladora experiência do corpo lançado ao Mar Morto. Entre remelexos para a acomodação sobre os tons translúcidos de azul-cobalto, à altura do olhar, o horizonte árido se fecha sobre o Monte Nebo a 60 quilômetros dali, na Jordânia, onde a “Terra Prometida” foi, segundo a Bíblia, revelada a Moisés.


Esse “mar” – que em verdade constitui um lago endorreico que banha a Jordânia e Israel – é o descanso final do Rio Jordão, “aquele que desce” ou “lugar onde se desce”, ambos possíveis significados para o curso d’água estendido sobre territórios que guardam os mais antigos vestígios conhecidos da civilização humana: nasce ao Sul da Síria, no Monte Hermão, rasga vales, atravessa o Lago Hulé e o Mar da Galileia e finalmente alcança o final de sua jornada, após uma trajetória de 200 quilômetros, no ponto mais baixo do planeta – o Mar Morto – este encerrado a 430 metros abaixo do nível do mar. Nas últimas seis décadas, em decorrência do aumento da captação de água do Jordão, o Mar Morto perdeu 35% de sua superfície, atualmente em torno de 650 quilômetros quadrados.

Numa região onde o passado cultivou as religiões abraâmicas que pregam a tolerância, mas também são o mote para o curso de guerras e fronteiras, são bíblicas as mais marcantes e milenares referências a esse lago com a maior concentração de sal do planeta: a lenda associa a sua origem às cidades de Sodoma e Gomorra, possivelmente situadas à sua margem. Diz a Bíblia que quando Deus revelou a Abraão que Sodoma e Gomorra seriam destruídas pela ganância e pecados de seus habitantes, o patriarca das três principais vertentes do monoteísmo, pensando no sobrinho Ló e em sua família que viviam em Sodoma, teria implorado a Deus que poupasse as cidades se 10 pessoas “justas” ali fossem encontradas. Dois anjos foram enviados e, tendo julgado naquela categoria apenas Ló e a sua família, advertiram-lhes para evacuar rapidamente sem olhar para trás. Durante a fuga, entretanto, enquanto a fúria divina era despejada sobre Sodoma e Gomorra, a mulher de Ló, desobedecendo à orientação, teria olhado para trás. Instantaneamente, teria sido transformada em estátua de sal.

Independentemente do debate religioso em torno da simbologia da natureza dos “pecados” de Sodoma e Gomorra, ambas possivelmente foram abatidas por um terremoto em torno de 1900 a.C., dada a localização geográfica do Mar Morto, a hipótese é provável: está na porção norte do Grande Vale do Rift, formado pela falha transformante de uma longa fronteira de placas tectônicas, circundado a leste pelas áridas e desérticas montanhas da Jordânia e, marcando a oeste a linha de Israel e dos territórios da Cisjordânia. As evidências arqueológicas, inclusive, indicam que essa área fora fértil por volta de 2000 a.C. a 1500 a.C., em decorrência daquele que um dia foi o abundante curso do Rio Jordão, que encerra a sua viagem sobre esse “mar”. Nada a estranhar se Ló escolhesse a região para o cultivo, até ser surpreendido pela catástrofe, na localidade rica em petróleo, o que explicaria o imaginário do “fogo e enxofre”.

Mas também dessa região vêm as referências daquelas que estão entre as descobertas arqueológicas mais importantes do século 20: os chamados “manuscritos do Mar Morto”, encontrados em 1947 por dois beduínos árabes em cavernas na região montanhosa e árida de Hirbet Qumran, no deserto da Judeia. A descoberta inicial atraiu pesquisadores e arqueólogos, que, em buscas nas redondezas, desencavaram 930 manuscritos em hebraico, aramaico e em grego de 11 cavernas, entre os quais, 210 reproduzem livros da Bíblia hebraica – para cristãos, do Antigo Testamento. Em meio ao “tesouro histórico”, havia também escritos não bíblicos, como o Manual de disciplina ou Regra da comunidade, que descreve rituais e práticas da rotina da comunidade de Qumran, em torno da qual ainda pairam divergências entre pesquisadores. Para alguns, esse grupo seria identificado com os essênios – um ramo do judaísmo dos primeiros séculos da era cristã. Para outros, Qumran foi um espaço de culto ou um local para a produção de pergaminhos destinados à confecção dos manuscritos.

A incógnita e muitas perguntas sobre os manuscritos do Mar Morto persistem. Tanto quanto a brutalidade dos conflitos nessa região, que, por vezes, deixa à vida apenas o alento da poesia, expressa nas palavras do escritor jordaniano Ibrahim Nasrallah: “Talvez quando a água ansiava pelo fogo, criou as ondas, de tal forma que, algum dia, estas possam se tornar chamas”.

 

 

Saiba mais no Blog 1001 LUGARES PRA SE VIVER. Acesse aqui  

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE TURISMO