Kayete não vai sossegar nesta quarentena

Atriz estreia como dramaturga, escreve cenas de teatro para os amigos e promove festival on-line.

Fernanda Gomes* 25/05/2020 07:33
Fernanda Gomes*
None
Kayete e Carlos Nunes reforçam a velha amizade no Festival Mini Cenas Web
“A ideia é tentar trabalhar um pouco o tempo ocioso. Conversando com o pessoal do teatro, pensei: preciso sair desse paradeiro e incentivar os amigos. Quando passar tudo isso, porque vai passar, vamos sair transformados”, afirma a atriz e – agora – dramaturga Kayete sobre o Festival Mini Cenas Web, em cartaz nestes dias de quarentena.

Apesar de entender a importância do isolamento social, ela confessa: nas primeiras semanas, não lidou bem com a situação. “No começo, comecei a surtar”, diz. Para tentar sair dessa fase, Kayete se voltou para a dramaturgia. Pela primeira vez, criou pequenas cenas teatrais. “Fui escrevendo e pensando nos amigos, no jeito de cada um deles. Todo mundo topou”, comemora.

Carlos Nunes, Ronaldo Fraga, Ilvio Amaral, Maurício Canguçu, Gustavo Mendes, Fernando Veríssimo, Gorete Milagres, Frederic Mozart, Will Soares, Bianca Tocafundo, Wesley Marchiori, Amauri Reis, Erika Januza, Guilherme Oliveira, Paulo Moraes e Marcelo Veronez são os parceiros dela.

“Está sendo um desafio maravilhoso, pois nos motiva a fazer as coisas, mostrar que estamos criando. É muito gostoso. Mando as instruções pelo celular e eles me enviam os vídeos. É uma coisa intimista, com câmera de celular, feita em casa”, explica.

É a primeira vez que Kayete escreve para os amigos. “Olha o desafio! Todos têm a mesma importância, são cenas diferentes. Há comédia e reflexão, falamos de violência doméstica, homofobia, separação. Quero que as pessoas pensem um pouco e se divirtam muito.”

Os vídeos são postados nas redes sociais do projeto (@festivalminicenas) e na multiplataforma Culturadoria, às terças e quintas-feiras. “Tem a dona de casa que adora fofoca, a prostituta, o encontro de pais e filhos, o homem solitário que a mulher tranca no quarto. O Ronaldo Fraga amou, mandou áudio e vídeo me dizendo que estava se redescobrindo na quarentena. Ele dança e conversa com o público”, adianta Kayete.

Ela gostou tanto da experiência que pretende investir na carreira de dramaturga. “Despertei esse meu lado. Sempre quis, mas nunca tive tempo de escrever, pegar os personagens que moravam na minha cabeça e colocá-los para fora. Isso me deixou muito viva.”

NOVELA 

Kayete também está criando uma peça e uma novela. Quer concluir os dois projetos até outubro. “Mas sem estresse, pois ainda estou aprendendo a escrever roteiro. Você deve pensar em tudo. E tem todo um ritual: colocar música relaxante, fazer um café, ligar o notebook e escrever. É um presente de Deus”.

Passando a quarentena em casa, ao lado do marido, Kayete não sossega. “Descobri que sou ótima para lavar sacada e banheiro, sou ótima boleira, sou ótima em ouvir os amigos e ligar para eles. Isso é algo que eu não fazia, por causa da correria. E também redescobri o prazer de ouvir vinis.”

Em outubro, ela vai lançar o livro Conselhos da Kayete 2. A sessão de autógrafos estava prevista para abril, mas foi adiada por causa da pandemia. A atriz também participará de uma série, fazendo o papel da sogra do personagem de Gustavo Mendes. “Nossa intenção é gravar em BH. Adorei a ideia, porque mostramos um pouco da nossa cidade.”

*Estagiária sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria 

MAIS SOBRE TEATRO