La Movida ganha palco permanente

Bar mescla artes cênicas com boemia, duas paixões de Belo Horizonte

por Ana Clara Brant 24/04/2019 08:35
Fredy Antoniazzi/Divulgação
Clarice Castanheira, Marco Túlio Zerlotini e Alice Lucchesi são sócios do La Movida Microteatro Bar: local vai unir teatro e boemia (foto: Fredy Antoniazzi/Divulgação)
Há dois anos, a produtora e publicitária mineira Clarice Castanheira aproveitou o clima da Campanha de Popularização Teatro & Dança e inaugurou um projeto inédito na cidade, o La Movida Microteatro – Bar, que mescla artes cênicas com boemia, duas paixões de Belo Horizonte. “O nome é inspirado no Movida Madrileña, movimento contracultural que ocorreu na Espanha, especialmente em Madri. É algo muito comum por lá e achei que era a cara de BH”, comenta.

A iniciativa consiste na apresentação de micropeças – com duração igual ou inferior a 15 minutos – com no máximo três atores em cena para um público de até 15 pessoas em um espaço cênico com medidas iguais ou inferiores a 15 metros quadrados. Naquela época, o La Movida funcionou durante cinco meses na Rua Santa Rita Durão, no Funcionários, e recebeu 40 produções. “Foi um projeto-piloto. Chegamos a promover algo similar em Contagem no ano passado. Levamos contêineres e food trucks para uma praça. O La Movida deu tão certo que, agora, finalmente, a gente encontrou uma sede definitiva”, celebra Clarice.

A partir desta quarta-feira (24), a empreitada – que é realizada com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte e tem patrocínio do UniBH – passa a funcionar num casarão dos anos 1930 na Rua Marechal Deodoro, no Bairro Floresta. Justamente por ter contado com o apoio tão intenso da cena artística e do público, a intenção era retomar o projeto o mais rápido possível. Quando idealizou, Clarice tinha a ajuda do ator Guilherme Théo, mas, por conta de outros projetos dele, ela angariou novos colaboradores: o ator e comunicólogo Marco Túlio Zerlotini e a empresária Alice Lucchesi. “O Gui comprou a ideia assim que apresentei a ele. Mas ele tem uma vida muito agitada e estava ficando complicado. Mas é um parceiro afetivo. Aí convidei o Marco, que está lidando com a parte da comunicação, e a Alice, que ficou responsável pelo bar”, explica.

Clarice destaca que quando vislumbrou tornar o La Movida algo definitivo, pensou na Zona Leste da capital, justamente por conta de sua efervescência cultural e boêmia. “Vasculhamos vários bairros e acabamos escolhendo a Floresta, que é um lugar muito central. Quando batemos o olho na casa, percebemos que era o lugar certo”, comenta.

DO LONGO AO CURTO A inauguração logo mais terá uma programação especial, com espetáculos de longa duração já consagrados na cidade e que toparam o desafio de se transformar no formato de microteatro, com 15 minutos de duração. “Na época da campanha, o caminho foi o contrário. Micropeças se transformaram em longos espetáculos. Agora é diferente. Não deixa de ser desafiador, já que é uma redução em todos os aspectos. Pegar uma peça extensa e passá-la para 15 minutos, além de deixar de apresentar num palco tradicional e encenar num espaço de 15 metros quadrados”, frisa. As produções que abrem a agenda de abertura  – que segue até sábado (27) – são Por parte de pai, do Atrás do Pano; Lama, do Grupo Teatro Andante; Chão de pequenos, da Cia. Negra de Teatro; e Glória, da Toda Deseo.

“Acho fundamental Belo Horizonte ganhar mais um espaço cultural; movimenta a cidade em vários aspectos. Sobretudo num momento complicado para a cultura no país. Todo mundo sai ganhando e mostra o potencial artístico da cidade”, salienta Clarice.

PROGRAMAÇÃO


De hoje (24) a sábado (27)
>> Lama (Grupo Teatro Andante), às 19h40, 20h25 e 21h10
>> Por parte de pai (Grupo Atrás do Pano), às 19h50, 20h35 e 21h20.

Hoje (24) e amanhã (25)
>> Chão de pequenos (Cia. Negra de Teatro), às 19h30, 20h15 e 21h

Sexta (26) e sábado (27)
>> Glória (Toda Deseo), às 19h30, 20h15 e 21h

La Movida Microteatro Bar
Rua Marechal Deodoro, 308, Floresta. Aberto de quarta a sábado, a partir das 18h. Entrada gratuita. Para assistir às micropeças os ingressos custam R$ 10 e são vendidos exclusivamente na bilheteria do espaço. Informações: (31) 3504-9424 e @lamovidamicroteatro

MAIS SOBRE TEATRO