Rafael Conde e Júlio Vianna lançam documentário sobre dois atores parceiros de trabalho e casamento

Em 'A verdade no olhar do ator que mente', dupla documenta os mesmos atores da peça, Maria Bonome e Rafael Protzner, durante o processo de criação do espetáculo

28/06/2016 08:00

Bruno Pacheco/divulgação
(foto: Bruno Pacheco/divulgação)

Desde o longa-metragem Fronteira (2008), Rafael Conde estava sem filmar. Passou os últimos anos dedicado a um doutorado, dividido entre a Uni-Rio e a Universidade de Nova York. Pois sua pesquisa – sobre a presença do ator no teatro e no cinema – acabou gerando um novo projeto. Um não, três.

A brincadeira, pequeno conto de Anton Tchekhov, desdobrou-se em um espetáculo teatral, um curta e um documentário. Os dois primeiros, que levam o nome do conto, já foram apresentados de uma vez só – o filme era exibido durante a peça, que foi encenada até fevereiro. O documentário é que vem à tona agora. A verdade no olhar do ator que mente será lançado esta noite, no Museu da Imagem e do Som (MIS) Santa Tereza.

Para a empreitada, Conde se uniu a Júlio Vianna. Na peça, atuou como seu codiretor. No documentário, as funções se inverteram. Aqui, a dupla documenta os mesmos atores da peça, Maria Bonome e Rafael Protzner, durante o processo de criação do espetáculo. “Os atores são casados na vida real, então fizemos uma pesquisa com o casal, brincando com a fronteira entre a verdade (a vida) e a mentira (a peça)”, comenta Conde. O lançamento do documentário não encerra o projeto. Conde pretende ainda lançar o curta A brincadeira, com algumas modificações em relação ao que foi exibido durante a peça.

A verdade no olhar do ator que mente não é o único filme que será apresentado hoje. Conde ainda exibe hoje o curta Bili com limão verde na mão, lançado em janeiro, durante a Mostra de Cinema de Tiradentes.

Aqui, ele se volta para a ficção, adaptando para o cinema o livro homônimo de Décio Pignatari. “É a única história infantojuvenil que ele escreveu e achei uma oportunidade de trabalhar com animação”, comenta. O curta mistura captação direta com técnicas de animação.

A personagem principal é interpretada pela artista, compositora e cantora Sara Não Tem Nome. A história é um rito de passagem da infância para o mundo adulto. Bili foge de casa para visitar o sítio do avô, no outro lado da cidade e, no trajeto, passa por percalços que vão definir sua vida dali em diante.

LANÇAMENTO

A verdade no olhar do ator que mente, documentário de Rafael Conde e Júlio Vianna e Bili com limão verde na mão, curta de Rafael Conde. Hoje, às 20h, no MIS Santa Tereza, Rua Estrela do Sul, 89, Santa Tereza. Entrada franca.

MAIS SOBRE TEATRO