Quarentena faz de Vera Fischer a musa cinéfila das redes sociais

Em entrevista ao Estado de Minas, ela fala sobre ter sido dispensada da TV Globo e analisa a atual situação da cultura no Brasil: 'Vai de mal a pior'

Estado de Minas 05/07/2020 04:00
Thalles Garbin Leandro/Divulgação
Confinada em seu apartamento, no Rio, Vera Fischer tem usado o tempo em casa para produzir o conteúdo que vai para suas redes sociais, além de fazer faxina, cuidar do jardim e cozinhar. (foto: Thalles Garbin Leandro/Divulgação)

Ao longo de uma carreira que atravessa quase cinco décadas, Vera Fischer interpretou uma série de papéis icônicos. Na TV, foi Luiza em Brilhante (1981); Jocasta em Mandala (1987); Helena em Laços de família (2000); e Yvette em O clone (2001).

No cinema, atuou em Bonitinha mas ordinária (1981), de Braz Chediak, e em Amor estranho amor (1982), de Walter Hugo Khouri. O currículo ainda inclui, além de vários outros papéis na TV, 12 peças de teatro, séries e minisséries. Agora, do alto de seus 68 anos, Vera resolveu encarar um novo papel: o de influenciadora digital.

Diariamente, a atriz alimenta suas redes sociais com dicas de filmes e séries que têm feito sucesso entre os seguidores (no Instagram, ela acumula mais de 800 mil; no Twitter, cerca de 30 mil).

Junto a fotos em que aparece superproduzida, com direito a maquiagem e salto alto, Vera comenta os títulos pinçados de uma extensa coleção de DVDs que ocupa um cômodo inteiro de seu apartamento localizado no Leblon, no Rio de Janeiro, onde ela cumpre a quarentena ao lado do filho mais novo, Gabriel, de 27 anos, e da nora, Letícia Catalá.

''Não me considero uma especialista no assunto. Estou mais para uma fã fervorosa'', afirma ela, em entrevista ao Estado de Minas. ''Em casa, tenho uma verdadeira videoteca e sempre postei sobre isso no Instagram. Agora na pandemia isso ficou mais evidente. As pessoas acompanham mais, e eu preciso ter um cuidado muito grande. Não se trata só de falar sobre determinado filme ou série. Eu primeiro tenho a preocupação de rever para dar uma opinião com propriedade.''

A coleção começou nos anos 1980. Naquela época, Vera viajava bastante para fora do país e aproveitava para trazer fitas VHS na mala. Desde então, acumular as mídias físicas se tornou um hobby, mesmo quando, mais tarde, as videolocadoras se popularizaram. Sócia de inúmeras delas no Rio, quando as lojas fecharam a atriz aproveitou os saldões para engordar o acervo pessoal.

''Tenho filmes de todos os gêneros possíveis, até os de terror. Também adquiri séries completas'', conta, destacando que possui, em DVD, todas as temporadas de Game of thrones (2011-2019), Friends (1994-2004), Desperate housewives (2004-2012), Lost (2004-2010), Revenge (2011-2015) e outras pérolas da TV norte-americana.
 

''Além de comprar, também ganho muitos de presente de quem sabe que gosto. E eu recebo com o maior prazer'', diverte-se. A atriz garante que é a autora dos textos que acompanham os posts e seleciona, a dedo, as produções que serão indicadas. ''Quem tira as fotos é o meu filho. Aí eu mando tudo para as duas meninas que gerenciam minhas redes sociais e elas sobem para mim nos horários mais apropriados para bombar'', revela.

A liberdade de escolha permite que Vera faça curadorias temáticas. Nos últimos dias 26, 27 e 28, por exemplo, ela indicou filmes cujo título começa com a expressão ''Era uma vez...''. Ambos dirigidos por Sergio Leone, Era uma vez no oeste (1969) e Era uma vez na América (1984) ganharam a companhia de Era uma vez em... Hollywood (2019), de Quentin Tarantino.

No Instagram, os posts atingem por volta de 10 mil likes e mil comentários - números bastante abaixo das grandes influenciadoras, mas satisfatórios para quem produz conteúdo de nicho. ''Do pouco que acompanho, vejo que influencio, sim, as pessoas que me seguem. Elas veem o que eu posto, procuram em casa e às vezes rola uma identificação.''

Apesar disso, ela se considera ''péssima'' com tecnologia. O primeiro celular adquiriu somente em fevereiro passado, por pressão dos filhos. ''As pessoas que trabalham comigo sempre tiveram, e eu nunca senti a necessidade real de tê-lo. Também não sou do tipo de pessoa que fica pendurada no aparelho, não tenho paciência para isso. Entro no Instagram, vejo as novidades de quem eu sigo, respondo o que é meu e pronto: saio.”

STREAMING

A cinéfila Vera Fischer não é preciosista a ponto de renegar o conteúdo disponível nas plataformas de streaming. Ela confessa que é assinante de todas, sem exceção e, atualmente, está assistindo The crown e Anne with an e, ambas da Netflix.

Completamente confinada desde o início de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia do novo coronavírus, ela tem se dividido entre produzir o conteúdo que vai para as redes sociais, fazer faxina, cuidar do jardim e cozinhar. Nos últimos dias, dedicou-se a planejar uma série de lives que pretende iniciar na próxima semana, nas quais promoverá a leitura de peças teatrais com amigos, via Instagram.

''Nós, da área do teatro e da TV, estamos muito parados. Para o pessoal da música é mais fácil, eles promovem essas transmissões ao vivo com música, e as pessoas têm aderido bastante. Confesso que não sou muito fã. Acho que os assuntos se esgotam. Para a minha live, estou pensando em algo mais rápido, de meia hora, no máximo'', conta.

Antes da pandemia, Vera Fischer planejava estrear a peça Quando eu for mãe, quero amar desse jeito, com texto de Eduardo Bakr e direção de Tadeu Aguiar, no dia 9 de abril. A atriz também se preparava para rodar o filme Quase alguém, de Daniel Ghivelder.
 


Sem ter o contrato renovado com a TV Globo pela primeira vez em 44 anos, ela não descarta migrar para outra emissora, se o convite surgir.

''Fui contratada em 1976 e, de lá para cá, o dinheiro que ganhei lá foi usado para pagar meus empregados e minha vida. A nova regra da casa é essa: dispensar e não adianta discutir. Só são mantidos profissionais que, no momento, estão no ar. O resto está em compasso de espera'', afirma.

Ela trata a demissão sem rodeios. ''Foi uma notícia ruim para mim, é claro. Agora preciso me adaptar a essa nova realidade, mas, ao mesmo tempo, há uma liberdade maior em não ter contrato. Abre um oceano de possibilidades.''

Outro assunto que lhe gera preocupação é a situação política do Brasil. ''Já faz bastante tempo que as coisas estão ruins. Com o governo atual, vai de mal a pior'', analisa. ''Não tenho um partido definido, mas não votei no Bolsonaro. Ele não está nem aí para a cultura, a educação, a saúde, a ciência. É como se tivéssemos que cancelar esse período todo.''

Questionada sobre a breve passagem de Regina Duarte pela Secretaria da Cultura do governo federal, ela confessa que, no início, depositou sua esperança na colega de profissão.

''Nunca trabalhei diretamente com ela, mas fiquei esperançosa, porque ela tinha uma carreira muito sólida. Pensei que a presença dela fosse abrir os horizontes desse presidente, mas infelizmente deu errado. Inclusive, todas as pessoas que ele nomeou para a cultura não deram certo e agora estamos vivendo essa realidade surreal. Estamos à deriva em assuntos importantíssimos para o funcionamento da sociedade.''

MAIS SOBRE SERIES-E-TV