Livro dos jornalistas Flavio Ricco e José Armando Vannucci conta a história da TV no Brasil.

Dupla acredita que emissoras abertas não serão destruídas por plataformas de streaming

No verbete do dicionário Houaiss, biografia é “o relato da vida de alguém” ou a obra que traz esse relato. Do título do livro Biografia da televisão brasileira, lançado pelos jornalistas Flavio Ricco e José Armando Vannucci, pode-se presumir a importância e a representatividade desse veículo para a cultura e a história do Brasil.

Evandro Santiago/EM
Tarcísio Meira em 'Irmãos Coragem', clássico da teledramaturgia que ganha destaque na 'Biografia da televisão brasileira' (foto: Evandro Santiago/EM)

“A televisão é a pessoa mais presente na vida dos brasileiros. É uma companhia. Damos boa-noite aos apresentadores do Jornal Nacional, discutimos com os personagens das novelas. Há intimidade com o que está sendo visto ali”, diz Vannucci. Ricco completa: “A TV acabou ganhando importância que poucos segmentos têm. É a única opção gratuita de diversão de muita gente. E tem muita diversidade”.


Incentivada pelo apresentador Fausto Silva, a dupla escreveu dois volumes, que somam 928 páginas. Os 54 capítulos abordam a televisão brasileira desde sua criação, na década de 1950. Organizado por temas – garotas-propaganda, musicais, incêndios, TV Manchete e novela Irmãos Coragem, por exemplo –, o livro tem linguagem simples, muitas fotos e entrevistas com personalidades.


“Não havia um livro dedicado a contar a história da TV brasileira desde seu início. Os registros eram muito pobres ou se centravam num único período. A ideia é que esse livro passe a ser importante fonte de pesquisa”, conta Ricco. “No Brasil, a TV saiu do nada. Hoje, é a terceira maior do mundo, a maior e melhor da América Latina”, completa.


Há curiosidades saborosíssimas no livro, como o delicioso diálogo de Dercy Gonçalves com Silvio Santos, quando ela foi assinar contrato com o SBT. A atriz notou que não estava estipulada a data de término do acordo e questionou o empresário. Silvio respondeu que o documento se estenderia “até a morte”. Com sua língua afiada, Dercy disparou: “A minha ou a sua?”.
Os autores lembram o acidente com a atriz e apresentadora Márcia Real, que comandava o TV de vanguarda, na TV Tupi. A cena, em que a personagem morria afogada, foi gravada numa banheira. Mesmo depois do “corta!”, a atriz não saiu da água. Márcia havia fraturado a bacia durante as gravações e saiu dali direto para o hospital.

CRISE

“A TV não está em crise. Pelo contrário, ela está melhorando. O jornalismo é um exemplo: hoje já se consegue concorrer em rapidez com o rádio e até com a internet com o auxílio de câmeras de celular que transmitem com qualidade e de onde a notícia estiver. Na dramaturgia, a experimentação vem crescendo. Isso é reconhecido internacionalmente por premiações como o Emmy”, defende Ricco.


Para Vanucci, a televisão brasileira está “melhor em todos os sentidos, da tecnologia à criatividade”. O jornalista lembra que o início da atividade já era promissor, com a ida de estrelas do rádio – Ary Barroso, Dorival Caymmi e Inezita Barroso – para a telinha.
Na década de 1980, houve percalços. “Não estávamos acostumados a ter liberdade. Demoramos a saber o que fazer com a TV. Então, falava-se e fazia-se de tudo, inclusive passando de alguns limites. Hoje, nós nos recuperamos. Está tudo melhor: os recursos, os textos...”, afirma ele.


Vannucci e Ricco não acreditam que a TV será destruída por plataformas de streaming como a Netflix. No entanto, ela vai passar por adaptações. De acordo com a dupla, o programa MasterChef, noticiários e a novela A força do querer, por exemplo, mostram que as redes sociais e a televisão são mais aliadas do que concorrentes.


“As emissoras de TV aberta estavam com medo do streaming. Porém, perceberam que ele não diminuiu a audiência delas. Quando uma novidade aparece, a audiência vai e volta. Isso já ocorreu com o rádio e começou a ser observado na TV”, acredita Vannucci. “As emissoras estão começando a se adaptar. Usam ferramentas como a Globo Play”, observa. “A popularidade da TV aberta está sendo aproveitada pelo streaming. A Netflix, por exemplo, buscou parcerias com a Record e o SBT, que exibiu um especial de Stranger things”, conclui Ricco.

 

 

A PIONEIRA

A televisão chegou ao Brasil em 18 de setembro de 1950 pelas mãos do empresário Assis Chateaubriand – dono do grupo Diários Associados, ao qual pertence o Estado de Minas. Naquele dia, foi inaugurada a TV Tupi, em São Paulo.

Acervo/Diarios associados
Chatô, o paraibano que trouxe a televisão para o Brasil (foto: Acervo/Diarios associados)

A transmissão pioneira exibiu uma celebração, apresentação de balé de Lia Marques e Rosalina Coelho declamando poemas. Lolita Rodrigues e o mexicano Frei José Mojica cantaram o Hino da televisão. Logo depois, entrou no ar o programa TV na taba Em 20 de setembro, a Tupi exibiu o primeiro humorístico nacional: Rancho alegre, comandado por Mazzaropi. Na (foto), a primeira câmara de televisão do país, pertencente à Tupi, transferida posteriormente à TV Itacolomi, em Belo Horizonte.

 

 

BIOGRAFIA DA TELEVISÃO BRASILEIRA
De Flavio Ricco e
José Armando Vannucci
Matrix
928 páginas (2 volumes)
R$ 99,90

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE SERIES-E-TV