Jiló suave

21/07/2017 09:30
 Euler Junior/EM
Euler Junior/EM

Ingredientes:

- 1 kg de jiló
- Meia cebola batidinha
- Meio pimentão-vermelho, cortado em tiras finas
- Meio pimentão-amarelo, cortado em tiras finas
- 50 g de alho picado
- 2 limões
- 1 copo (americano) de azeite
- Pimenta a gosto (malagueta, calabresa seca ou chilli)
- Cheiro-verde, orégano e manjericão a gosto
- Sal e pimenta-do-reino a gosto

Para a noite

:

- Difícil resistir a uma fatia generosa do requeijão caseiro feito no distrito de Antônio dos Santos. Mais difícil ainda é se contentar com apenas um pedaço dessa iguaria que deixa qualquer mesa de café especial. Faça sua encomenda:

Faça sua encomenda:(31) 9996-(Ronize).

Como fazer Jiló suave:

Cortar o jiló em tiras finas, no sentido do comprimento, e, à medida que for picando, pôr em água com limão e sal, para não escurecer. Escorrer e levar ao fogo com água, até os pedaços ficarem macios. Escorrer e pôr em uma vasilha com os pimentões. Em uma frigideira, refogar, em um fio de azeite, o alho, a cebola, o orégano, o manjericão, o cheiro-verde e a pimenta. Despejar sobre o jiló e misturar.

Pôr o restante do azeite e misturar. Servir com pão sírio ou torradas.

Preciosos fogões de caeté

Ame-os ou deixe-os. Essa é a máxima mais apropriada quando se fala de certos ingredientes da cozinha, como o pequi, a jurubeba, a guariroba e, é claro, o jiló. De sabores acentuados, esses produtos provocam reações que vão desde a adoração à mais feia das caretas. Mas não é que em Caeté conseguiram encontrar o meio termo para um desses itens? O jiló suave, batizado e preparado pelo professor Júlio César de Oliveira, seduz até mesmo quem é da ala dos desgostosos com o fruto.

Cozido, temperado e combinado com outros segredinhos, o jiló perde o amargo característico, que só aparece no finalzinho da degustação, para puro deleite dos fãs. Servido com pães ou torradas, é um acompanhamento e tanto para a cerveja gelada.

E ai de quem torcer o nariz! Caeetense de coração, há quatro décadas na cidade, Júlio encontra no fogão um verdadeiro refúgio. Nos dias em que estou meio estressado, basta ir para a cozinha para relaxar. Por esse motivo, ele nunca recusou o cargo de cozinheiro oficial da turma. Para sorte dos amigos e familiares, que desfrutam de boa comida, feita com o mais puro prazer.

Receita fornecida por Júlio César de Oliveira, de Caeté: (31) 9189-6420